Transferência de Blastocistos - Clínica Origen
Agendar uma Consulta

Blastocisto é o nome dado ao embrião quando o mesmo tem de 5 a 7 dias de vida. É nesse estágio que ocorre a implantação.

Não se sabe qual a porcentagem dos embriões chega ao estágio de blastocisto, dentro do útero. Hipoteticamente este número pode chegar a 70%.

O uso da transferência de embriões em estágio de blastocisto começou a apresentar resultados positivos de gravidez a partir dos anos de 1999/2000, e a Clínica Origen foi pioneira nessa técnica na América Latina.

Os motivos que estimularam o desenvolvimento dessa técnica são: transferir o embrião no momento mais próximo da implantação e assim ter uma possível melhor sincronia entre embrião e útero, e uma outra forma para selecionar embriões.

Entretanto, habitualmente, o embrião entra na cavidade uterina entre os dias 2 e 3, e não sabemos se os embriões que não se desenvolvem in vitro, não se desenvolveriam dentro do útero.

Colocando de  outra forma o que é melhor o útero ou o laboratório? Provavelmente a resposta é: em alguns casos o útero, em outros não faz diferença e numa minoria dos casos o laboratório (causas uterinas não anatômicas são muito raras).

Outro ponto importante a ser considerado, é o risco de não se haver blastocistos para transferência, apesar de ter tido embriões disponíveis em dia 2/3.

Transferência de Blastocistos – Resultados

Na Clínica Origen, os resultados de gravidez  com blastocisto são um pouco superiores do que quando transferimos embriões nos dias 2, 3. Assim, quando aguardamos os embriões atingirem o estágio de blastocisto para fazermos a transferência, podemos perder ate 50% deles, que poderiam ser congelados em dia 2/3, o que não justifica o pequeno aumento nas taxas de gravidez.

Além disso, as  taxas de gravidez com embriões que foram congelados são semelhantes. Por isso, o número de mulheres gravidas considerando todas as transferências é maior no grupo de transferência em dia 2/3.

A decisão sobre o momento mais adequado para fazer a transferência depende de cada caso, devendo ser considerado o número de ciclos já realizados, a idade, o número de embriões produzidos, desejo ou não de congelamento ou uso de outra técnica associada que demande mais tempo de cultivo.

Conteúdo Relacionado