Blastocisto é o nome dado ao embrião quando ele tem de 5 a 7 dias de vida. É nesse estágio que ocorre a implantação.

Não se sabe qual a porcentagem dos embriões chega ao estágio de blastocisto, dentro do útero. Hipoteticamente este número pode chegar a 70%.

O uso da transferência de embriões em estágio de blastocisto começou a apresentar resultados positivos de gravidez a partir dos anos de 1999/2000, e a Clínica Origen foi pioneira nessa técnica na América Latina.

Os motivos que estimularam o desenvolvimento dessa técnica são: transferir o embrião no momento mais próximo da implantação e assim ter uma possível melhor sincronia entre embrião e útero, e uma outra forma para selecionar embriões.

Entretanto, habitualmente, o embrião entra na cavidade uterina entre os dias 2 e 3, e não sabemos se os embriões que não se desenvolvem in vitro, não se desenvolveriam dentro do útero.

Colocando de  outra forma o que é melhor o útero ou o laboratório? Provavelmente a resposta é: em alguns casos o útero, em outros não faz diferença e numa minoria dos casos o laboratório (causas uterinas não anatômicas são muito raras).

Outro ponto importante a ser considerado, é o risco de não se haver blastocistos para transferência, apesar de ter tido embriões disponíveis em dia 2 ou 3.

Resultados

Na Clínica Origen, os resultados de gravidez  com blastocisto são um pouco superiores do que quando transferimos embriões nos dias 2 ou 3.

Procedimento para Transferência de Blastocistos - Clínica Origen - Reprodução Humana Assistida

Assim, quando aguardamos os embriões atingirem o estágio de blastocisto para fazermos a transferência, podemos perder até 50% deles, que poderiam ser congelados em dia 2 ou 3, o que não justifica o pequeno aumento nas taxas de gravidez.

Além disso, as  taxas de gravidez com embriões que foram congelados são semelhantes.

Por isso, o número de mulheres gravidas considerando todas as transferências é maior no grupo de transferência em dia 2 ou 3.

A decisão sobre o momento mais adequado para fazer a transferência depende de cada caso, devendo ser considerado o número de ciclos já realizados, a idade, o número de embriões produzidos, desejo ou não de congelamento ou uso de outra técnica associada que demande mais tempo de cultivo.

Você possui mais dúvidas?

Participe do Fórum da Clínica Origen, veja perguntas feitas por visitantes e interaja conosco! Clique aqui.

Essas informações também lhe serão úteis: