Comunicado

Nota atualizada em 21 de março de 2020

O COVID-19 foi declarado pandemia pela OMS quando os casos confirmados se aproximaram de 200 mil, com o que se imaginou óbitos acima de 8 mil em pelo menos 160 países₁. Estávamos preparados para tal evento?₂ Com certeza, a resposta é não. Nas nossas diferentes atividades, ninguém imaginou tudo o que viria, e com tal rapidez. Acompanhando a escalada da pandemia do COVID-19 no mundo, os cenários do Brasil ou de nossa região latino-americana evoluem rapidamente. Os diferentes governos estão se concentrando no isolamento, no “ficar em casa”, na redução drástica da mobilidade no sentido de mitigar os danos₃. Devemos acatar e estimular esta adesão.

Desta forma, acompanhando as normas estratégicas das equipes de planejamento de saúde pública no território brasileiro, que está sendo compartilhado por toda a América Latina, para nós profissionais da Reprodução Assistida, entendemos todos que é hora de parar: ciclos em andamento serão finalizados, com controles estritos dos pacientes e equipes envolvidas; casos de transferência embrionária a serem finalizados serão avaliados individualmente. Com a exceção de casos oncológicos e outros em que o adiamento possa causar mais dano ao paciente, não serão iniciados novos procedimentos. Nessas eventualidades, a decisão deverá ser compartilhada e sob rigorosa individualização.

Sugerimos a todos manter um contato remoto com os pacientes, informando, amparando, protegendo, limitando no possível os danos psicológicos. No Brasil, estamos autorizados a realizar consultas a distância, por Telemedicina, estabelecemos uma ampla rede de contatos entre os profissionais dos centros, via WhatsApp, agilizando detalhes e unificando as tomadas de decisões, dividindo as incertezas. Este cenário de troca de informações imediatas pode ser replicado pelos diversos países vizinhos. O modelo mostra-se muito bom, inclusive para ordenar ações comunitárias e beneficentes em torno de apoio aos hospitais e equipes de trabalho nas emergências.

Nestes tempos difíceis, todo o cuidado: com nossos pacientes, com nossas equipes, com nossas famílias e com todos os nossos concidadãos. Há uma luz no fim deste túnel: a China demonstrou que a epidemia pode ser desacelerada com a aplicação de medidas drásticas e mostra, pelo 2º dia consecutivo, nenhum registro de casos novos locais, alguns ainda importado de pessoas chegando ao país.

Como foi publicado nesta sexta, 20, no grupo “SBRA – em tempos de COVID-19”, vamos entender e fazer a nossa parte, seguindo os preceitos de Ibn Sina (980-1037), ou Avicena, médico e filósofo persa, pai da medicina moderna. Ele nos legou, entre outras coisas, que “a imaginação é a metade da doença; a tranquilidade é a metade do remédio e a paciência é o começo da cura”.

Vai passar! Cuidem-se todos.

Referências
Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 99650-0786 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015
App StoreGoogle Play

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

Hormônios (O Ciclo da Fertilidade)

Hormônios (O Ciclo da Fertilidade)

O ciclo menstrual é o resultado dos eventos coordenados pelo eixo hipotalâmico-hipofisário-ovariano através de mecanismos de retroalimentação e de sua natureza cíclica. Podemos dividí-lo em três fases: Folicular, Ovulação e Lútea. O controle é feito principalmente com os hormônios produzidos pela hipófise (gonadotrofinas: FSH e LH), e dos hormônios produzidos pelos ovário (Estrogênio e Progesterona).

O processo se inicia com a liberação do hormônio liberador das gonadotrofinas – GnRH – que é produzido no hipotálamo. Em resposta, a hipófise produz e libera  os hormônios Folículo Estimulante (FSH) e Luteinizante (LH). Estes influenciam diretamente os ovário que por sua vez produz os hormônios  estradiol e progesterona.

A fase folicular inicia-se no primeiro dia da menstruação e dura até o pico do LH, apresentando uma duração média de 10 a 14 dias. Nesta fase um pool de folículos é selecionado para iniciar seu crescimento, sendo que apenas um deles irá completar seu desenvolvimento até atingir a ovulação, estimulado pela elevação na produção de FSH.

Durante seu crescimento, o folículo produz o hormônio estrogênio que inibe a produção de FSH e estimula o crescimento das células internas do útero (endométrio) se preparando para receber o embrião (implantação).

Quando o folículo atinge aproximadamente 20mm de tamanho, a produção de estrogênio e alta o suficiente para estimulara a produção do Hormônio Luteinizante (pico de LH), responsável pela ruptura do folículo (ovulação).

Além de ser responsável pela ovulação, o pico de LH induz a retomada da meiose do oócito, passando de prófase I para metáfase II. Esse fato permite que o óvulo seja fertilizado, pois passa a ter a metade do número de cromossomos (23).

Ao se unir ao espermatozoide, que tem os outros 23 cromossomos, forma uma nova célula com 46 cromossomos, chamada de embrião que, após implantar, irá se desenvolver em uma gravidez. A fertilização e o desenvolvimento embrionário ocorrem dentro da tuba uterina, em uma jornada em direção ao útero, onde ocorrerá a implantação.

Após a ovulação, o folículo passa a se chamar corpo lúteo e produzir progesterona. Esse hormônio é responsável pelo termino do preparo do endométrio para que ocorra a implantação. O LH é capaz de sustentar o corpo lúteo por 14 dias.

Caso não ocorra a gravidez, com a diminuição fisiológica dos níveis de LH, a sustentação do corpo lúteo será interrompida, com consequente queda nos níveis de estrogênio e progesterona, seguida da descamação do endométrio (menstruação).

Caso se concretize a gravidez, o corpo lúteo recebe o estímulo da gonadotrofina coriônica humana (hCG), secretada pelas células do embrião recém implantado, que age de forma semelhante ao LH, sustentando o corpo lúteo e impedindo a sua involução. Com a manutenção do corpo lúteo, persiste a secreção de estrogênio e progesterona, que estimulam o endométrio a se tornar receptivo à implantação embrionária. O hCG sustenta a atividade do corpo lúteo, até que a placenta assuma a produção dos esteroides, em torno da 8a à 12a semana de gestação.

Então como é percebido, o ciclo menstrual feminino é complexo e sofre a influência de diversos hormônios e entre eles são muitas variáveis que devem ser estudas profundamente para verificar seu perfeito funcionamento em cada parte do ciclo. Com isso, um pequeno desequilíbrio em qualquer uma das fazes do ciclo pode ser a causa da não gestação natural. Converse com seu médico especialista, somente através de exames específicos é possível aferir e verificar cada etapa do ciclo.

Compartilhe:

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco