agendamento de consulta

Hormônios (O Ciclo da Fertilidade)

Hormônios (O Ciclo da Fertilidade)

O ciclo menstrual é o resultado dos eventos coordenados pelo eixo hipotalâmico-hipofisário-ovariano através de mecanismos de retroalimentação e de sua natureza cíclica. Podemos dividí-lo em três fases: Folicular, Ovulação e Lútea. O controle é feito principalmente com os hormônios produzidos pela hipófise (gonadotrofinas: FSH e LH), e dos hormônios produzidos pelos ovário (Estrogênio e Progesterona).

O processo se inicia com a liberação do hormônio liberador das gonadotrofinas – GnRH – que é produzido no hipotálamo. Em resposta, a hipófise produz e libera  os hormônios Folículo Estimulante (FSH) e Luteinizante (LH). Estes influenciam diretamente os ovário que por sua vez produz os hormônios  estradiol e progesterona.

A fase folicular inicia-se no primeiro dia da menstruação e dura até o pico do LH, apresentando uma duração média de 10 a 14 dias. Nesta fase um pool de folículos é selecionado para iniciar seu crescimento, sendo que apenas um deles irá completar seu desenvolvimento até atingir a ovulação, estimulado pela elevação na produção de FSH.

Durante seu crescimento, o folículo produz o hormônio estrogênio que inibe a produção de FSH e estimula o crescimento das células internas do útero (endométrio) se preparando para receber o embrião (implantação).

Quando o folículo atinge aproximadamente 20mm de tamanho, a produção de estrogênio e alta o suficiente para estimulara a produção do Hormônio Luteinizante (pico de LH), responsável pela ruptura do folículo (ovulação).

Além de ser responsável pela ovulação, o pico de LH induz a retomada da meiose do oócito, passando de prófase I para metáfase II. Esse fato permite que o óvulo seja fertilizado, pois passa a ter a metade do número de cromossomos (23).

Ao se unir ao espermatozoide, que tem os outros 23 cromossomos, forma uma nova célula com 46 cromossomos, chamada de embrião que, após implantar, irá se desenvolver em uma gravidez. A fertilização e o desenvolvimento embrionário ocorrem dentro da tuba uterina, em uma jornada em direção ao útero, onde ocorrerá a implantação.

Após a ovulação, o folículo passa a se chamar corpo lúteo e produzir progesterona. Esse hormônio é responsável pelo termino do preparo do endométrio para que ocorra a implantação. O LH é capaz de sustentar o corpo lúteo por 14 dias.

Caso não ocorra a gravidez, com a diminuição fisiológica dos níveis de LH, a sustentação do corpo lúteo será interrompida, com consequente queda nos níveis de estrogênio e progesterona, seguida da descamação do endométrio (menstruação).

Caso se concretize a gravidez, o corpo lúteo recebe o estímulo da gonadotrofina coriônica humana (hCG), secretada pelas células do embrião recém implantado, que age de forma semelhante ao LH, sustentando o corpo lúteo e impedindo a sua involução. Com a manutenção do corpo lúteo, persiste a secreção de estrogênio e progesterona, que estimulam o endométrio a se tornar receptivo à implantação embrionária. O hCG sustenta a atividade do corpo lúteo, até que a placenta assuma a produção dos esteroides, em torno da 8a à 12a semana de gestação.

Então como é percebido, o ciclo menstrual feminino é complexo e sofre a influência de diversos hormônios e entre eles são muitas variáveis que devem ser estudas profundamente para verificar seu perfeito funcionamento em cada parte do ciclo. Com isso, um pequeno desequilíbrio em qualquer uma das fazes do ciclo pode ser a causa da não gestação natural. Converse com seu médico especialista, somente através de exames específicos é possível aferir e verificar cada etapa do ciclo.

Compartilhe:

Tags:

Categorias:

Comentários:


ÚLTIMAS DO BLOG Ver todos os posts
Vitamina B12: os benefícios para a saúde e fertilidade masculina

A vitamina B12, também chamada de cobalamina ou cianocobalamina, está vinculada ao metabolismo de quase todas as células do corpo humano, pela sua relevante função na síntese de DNA. Muitos estudos revelaram os efeitos da vitamina B12 para a saúde do […]

Leia mais

Este post foi visto 84 vez(es).

Por que a dor de ovulação ocorre?

Uma das reclamações mais comuns das mulheres é a dor da cólica. Esse incômodo é sentido por inúmeras mulheres pelo menos uma vez por mês. Entretanto, você sabia que o que você sempre pensou ser cólica pode ser outra coisa? Uma em cada cinco mulheres […]

Leia mais

Este post foi visto 54 vez(es).

Oligospermia: entenda o que é, as causas e os tratamentos

Quando um casal está tentando engravidar e, após 12 meses, não obtém sucesso, é hora de ambos buscarem por ajuda médica. A responsabilidade da gestação faz com que a mulher pense que a culpa é dela. Já o parceiro, depois de tentar por tanto tempo, questiona […]

Leia mais

Este post foi visto 48 vez(es).

Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco