agendamento de consulta

Doação de óvulos

Doação de óvulos

A doação de óvulos ou ovodoação consiste na cessão – de uma mulher para outra – de óvulos, a fim de que sejam fecundados, formem embriões e, posteriormente, sejam transferidos para o útero da receptora, para que a gravidez possa ocorrer.

A doação de óvulos é indicada nos casos de:

Como é realizada a ovodoação?

O óvulos são doados por mulheres que estão em tratamento de Fertilização in vitro e inseminados por ICSI, com os espermatozoides do marido/companheiro da receptora (mãe) e os embriões formados são transferidos para o útero da receptora. Isso se chama doação compartilhada.

A receptora passa por um tratamento para preparo do endométrio (camada interna do útero) antes de receber os embriões. Esse preparo é feito com os mesmos hormônios do ciclo natural, isto é, primeiro o estrogênio e depois a progesterona, de forma controlada.

Como as doadoras devem ter, no máximo, 35 anos, o numero de embriões a ser transferidos é de 2. A transferência de embriões é feita de forma rotineira, utilizando-se um fino cateter e o procedimento é guiado por ultrassom. O teste de gravidez é realizado 9 a 12 dias depois.

As Doadoras

A doação é feita sem vínculo comercial, compartilhada e de forma anônima, isto é, a doadora não pode conhecer ou ter contato com a receptora e vice versa (Resolução do CFM de 2015). As doadoras devem ter no máximo 35 anos, ser saudáveis, sem históricos pessoais ou familiares de doenças hereditárias, sexualmente transmitidas, entre outros. Deve-se haver compatibilidade com o grupo sanguíneo e fator Rh, semelhança fenotípica. A resolução da ANVISA (RDC 33/2006) determina que a doadora deverá ter no máximo 35 anos de idade e ter feito exames para confirmar a ausência de doenças infectocontagiosas.

Quais são os riscos da ovodoação?

Para a doadora, existe um pequeno risco (menor que 1/1000) de desenvolver a Síndrome da Hiperestimulação do Ovário (SHO).

Para a receptora, os riscos são os mesmos da FIV, isto é,  gravidez ectópica (1/1000), e gravidez gemelar (3%).

Cuidados especiais para doadoras e receptoras

Manter hábitos de vida saudável é importante para doadoras e receptoras: evitar beber e fumar, ingerir líquido e ter sono regular são hábitos essenciais. Além disso, tanto doadoras como receptoras devem evitar a prática de atividades físicas, principalmente as de alto impacto, pois podem provocar complicações.

Resultados

O resultado desse tratamento são os mais altos uma vez que a doadora é jovem e o endométrio foi preparado sem interferência dos hormônios utilizados na superovulação. Estão em torno de 55%.

Compartilhe:

Tags:

Categorias:

Comentários:


ÚLTIMAS DO BLOG Ver todos os posts
Vitamina B12: os benefícios para a saúde e fertilidade masculina

A vitamina B12, também chamada de cobalamina ou cianocobalamina, está vinculada ao metabolismo de quase todas as células do corpo humano, pela sua relevante função na síntese de DNA. Muitos estudos revelaram os efeitos da vitamina B12 para a saúde do […]

Leia mais

Este post foi visto 84 vez(es).

Por que a dor de ovulação ocorre?

Uma das reclamações mais comuns das mulheres é a dor da cólica. Esse incômodo é sentido por inúmeras mulheres pelo menos uma vez por mês. Entretanto, você sabia que o que você sempre pensou ser cólica pode ser outra coisa? Uma em cada cinco mulheres […]

Leia mais

Este post foi visto 54 vez(es).

Oligospermia: entenda o que é, as causas e os tratamentos

Quando um casal está tentando engravidar e, após 12 meses, não obtém sucesso, é hora de ambos buscarem por ajuda médica. A responsabilidade da gestação faz com que a mulher pense que a culpa é dela. Já o parceiro, depois de tentar por tanto tempo, questiona […]

Leia mais

Este post foi visto 48 vez(es).

Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco