Comunicado

Nota conjunta com atualização de posicionamento sobre a COVID-19 e os tratamentos de reprodução assistida

Informações complementares à nota emitida em 21 de março de 2020

A Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA e a Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA, acompanhando as demais sociedades mundiais e face à presença da pandemia de Covid-19, emitiram comunicado em 17 e 21 de março de 2020. Globalmente, e na América Latina não foi diferente, ciclos iniciados foram completados, decisões de congelamento tomadas, transferências discutidas e, na maioria das vezes, postergadas. Desde o início, entendemos que poderiam haver situações a serem individualizadas, como os casos oncológicos, em que pacientes necessitariam com urgência da preservação de seus gametas previamente a procedimentos cirúrgicos ou eventual quimioterapia que pudesse afetar sua fertilidade futura. Ao mesmo tempo, havia outros casos susceptíveis de individualização.

Passados 30 dias, com novos dados sobre a Covid-19, reconhecendo novos cenários para diferentes países, regiões ou cidades, além da realidade de um período claro de extensão da pandemia, que a infertilidade é definida pela OMS como doença, assim como a própria OMS define o direito de autonomia dos pacientes e:

CONSIDERANDO que, sob a luz de novas evidências científicas, este posicionamento deverá seguir sendo atualizado em momentos sucessivos;

CONSIDERANDO que, segundo a literatura médica, não se identificou até o momento a presença de vírus nos gametas e tratos genitais masculino ou feminino;

CONSIDERANDO que, até o momento, não há evidências a respeito das repercussões do Covid-19 sobre a gestação inicial;

CONSIDERANDO a preocupação com relação às evidências científicas emergentes quanto à possibilidade de transmissão vertical – isto é, da mãe para o bebê;

CONSIDERANDO que os serviços de reprodução assistida devam seguir as recomendações governamentais, respeitando as particularidades locais;

CONSIDERANDO a observação das medidas de distanciamento social, com cuidados na preservação dos pacientes e equipes, quando da assistência;

CONSIDERANDO as condutas para mitigar a sobrecarga do sistema de saúde local;

CONSIDERANDO que o adiamento dos tratamentos de reprodução assistida abrange determinados casos extremamente sensíveis ao tempo e, portanto, inadiáveis, com risco de condenar pessoas a uma infertilidade irreversível – ou seja, esterilidade; e

CONSIDERANDO o respeito à autonomia do paciente,

RECOMENDAM que ciclos de reprodução assistida possam ser realizados sob juízo do profissional assistente, em decisão compartilhada com os usuários do serviço, de forma personalizada, fundamentados e bem documentados, com precaução e bom-senso, evitando-se transferências embrionárias neste momento.

Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA
Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA


Referências
Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 99650-0786 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

Teste de gravidez Beta hCG: aprenda a interpretar os resultados

Teste de gravidez Beta hCG: aprenda a interpretar os resultados

Você sabe a partir de quando um teste de gravidez pode dar positivo? A gravidez é iniciada, de fato, a partir do contato do embrião, o produto da fecundação do óvulo e espermatozoide, com o tecido do útero chamado de endométrio. A esta fase dá-se o nome de nidação ou implantação embrionária.

A nidação começa em torno do sexto dia após a fecundação. Assim que o embrião adere ao útero materno, ele começa a produzir substâncias para se manter ali até o final da gestação: o hCG, sigla para gonadotrofina coriônica humana. É assim que começa a gravidez!

Você sabe como é possível detectar o hCG no organismo materno? Se o resultado for positivo, sabe o que pode indicar? Então, continue acompanhando nosso post. Vamos falar sobre tudo isso a seguir!

Quais são as formas de medir o hCG?

Atualmente, o diagnóstico de gravidez é cada vez mais preciso, já que novos métodos de confirmação estão sendo lançados e têm resultados com índices altos de eficácia, como o ultrassom e a dosagem de hormônios.

A dosagem do hCG é atualmente o método inicial solicitado pelos médicos quando há suspeita de uma gravidez. Ou seja, quando a mulher nota um atraso menstrual e outras alterações em seu corpo, como a sensação dolorosa nas mamas, geralmente ela procura um médico ou recorre à farmácia em busca de um teste de gravidez.

Esse teste consiste em detectar a presença ou não do hCG na urina e informa apenas se o resultado é positivo ou negativo. Muitas vezes, o teste acusa resultados incorretos quando feitos precocemente, pois, no início da gestação, a quantidade de hCG pode ser insuficiente para positivar o exame.

Dessa forma, existe uma maneira mais eficiente de se dosar o hCG, que é detectar o Beta hCG no sangue materno. O Beta hCG é uma porção específica da gonadotrofina coriônica humana que está presente apenas nesse hormônio e, quando positivo (forma qualitativa) e acima dos valores de referência (forma quantitativa, expressa em números) no exame de sangue, confirma que houve a nidação.

Como interpretar o exame de Beta hCG?

O Beta hCG pode ser detectado no sangue de uma mulher grávida entre o 8º e o 11º dia após a concepção. Seus níveis aumentam rapidamente ao passar dos dias, atingindo um pico entre 9 a 12 semanas (em torno de 90 dias).

Os valores variam da seguinte forma:

O que o resultado positivo pode indicar?

Em uma gestação de boa evolução, e com o saco gestacional dentro do útero, o esperado é que os valores do Beta hCG dobrem a cada dois dias. Assim, podemos acompanhar a evolução da gravidez com ótima sensibilidade, quando necessário.

Além da gestação, um resultado positivo do exame de Beta hCG pode ser o primeiro sinal de gravidez ectópica, aquela que acontece fora da cavidade uterina, mais comumente nas tubas uterinas, onde ocorre a fecundação.

Nessa condição, o teste de gravidez também será positivo, mas ao ultrassom não haverá saco embrionário aderido ao endométrio. Outra condição que a dosagem de Beta hCG pode ser utilizada é após um abortamento. Nesse caso, espera-se que seus níveis reduzam após a perda do feto.

Gostou deste texto? Então não deixe de ler nosso artigo sobre indutores da ovulação e como eles podem ajudar a engravidar!

Compartilhe:

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco