Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 99650-0786 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

Endometriose

Endometriose

A endometriose é caracterizada pela presença de células do endométrio fora de seu local, sendo o mais comum a cavidade peritoneal. Apesar dos crescentes avanços nos métodos propedêuticos, não existe ainda um tratamento de consenso. De fato, não existe comprovação se a endometriose seria realmente uma doença ou apenas uma situação comum em parte da população.

Para algumas mulheres, ela causa dores (de intensidade leve a severa), dor durante e menstruação ou relação sexual ou infertilidade, mas em alguns casos, ela é assintomática.

Apesar disso, ela é uma das doenças femininas mais comuns, atingindo cerca de 10% a 15% das mulheres em idade reprodutiva. A taxa de mulheres inférteis diagnosticadas com endometriose é ainda maior. Estima-se que esteja na faixa de 30% a 60% dos casos.

Qualidade de vida e estigmas da Endometriose

Um dos sintomas mais comuns em pacientes com endometriose é a dor pélvica crônica. Ela afeta diretamente a qualidade de vida, pois impede a mulher de fazer as suas atividades diárias.

A cólica menstrual é um sintoma habitual durante a menstruação, no entanto, mulheres com endometriose sentem dores muito mais intensas e incapacitantes. Nesses casos, compressas de água morna e analgésicos não são suficientes para aliviar a dor. Como os sintomas são relativizados, é comum que a mulher ignore os sintomas e demore a procurar ajuda médica.

Resultado: o diagnóstico de endometriose é confirmado, em média, 6 a 7 anos após o aparecimento dos primeiros sintomas.

Causas da Endometriose

Algumas teorias foram propostas para tentar explicar a causa da endometriose, entretanto, o verdadeiro mecanismo permanece indefinido. A teoria mais aceita sugere que o refluxo de células endometriais pelas trompas, durante o período menstrual, seria a fonte dos focos ectópicos no peritônio pélvico. Pode haver também componentes genéticos e imunológicos associados.

Além disso, até o momento, não existe uma maneira de prevenir a doença.

Classificação da Endometriose

De acordo com as características morfológicas das lesões, a doença pode ser classificada em:

Endometriose peritoneal superficial

Caracteriza-se pela presença de tecido endometrial de forma superficial sobre a região do peritônio. As lesões possuem menos do que 0,5 centímetro de profundidade, sendo o tipo mais comum da doença.

Endometriose de ovário ou endometrioma

Endometriomas são cistos localizados nos ovários e podem estar associados à endometriose profunda.

Endometriose profunda

A endometriose profunda é caracterizada pela presença de implantes de tecido endometrial em uma profundidade superior à 0,5 centímetro. Os implantes de tecido endometrial atingem, principalmente, a região atrás do útero e no intestino.

A endometriose é multifatorial. Por isso, é muito comum que a paciente desenvolva mais de um tipo.

Outra classificação utilizada é a definida pela American Society of Reproductive Medicine (ASRM). Ela qualifica a endometriose em 4 estágios, de acordo o tamanho, a profundidade e a localização das lesões.

A endometriose tem como principais sintomas:

Os sintomas podem ter diferentes graus de intensidade, dependendo da paciente.

Diagnóstico da endometriose

A suspeita ocorre a partir das queixas clássicas de cólica menstrual progressiva, dor pélvica, dispareunia e infertilidade, sendo que até um terço das mulheres pode ser assintomática.

A associação entre a endometriose e infertilidade tem sido bastante estudada. Entretanto, esta relação foi comprovada apenas nas formas mais avançados, quando existe a presença de aderências, ou a alteração na relação entre os órgãos, e assim impedir a captação ou o transporte do óvulo.

Nas formas leve e moderado, a causa da infertilidade é ainda incerta, porém alguns estudos sugerem uma alteração no sistema imunológico, que poderiam ocasionar modificações no processo de fertilização ou transporte dos óvulos, espermatozoides ou embriões.

O ultrassom permite suspeitar de endometriose apenas na presença de cistos com mais de 1 cm. O diagnóstico definitivo da endometriose só é realizado através do estudo histopatológico, após biópsia, realizada por cirurgia ou videolaparoscopia.

O diagnóstico da endometriose é difícil, pois os seus principais sintomas podem ser confundidos com outras doenças, como a doença inflamatória pélvica, a síndrome do intestino irritável, entre outras.

Tratamento da endometriose

As possibilidades de tratamento da endometriose variam de acordo com o desejo da paciente de engravidar. O objetivo é controlar os sintomas no caso de dor e aumentar a chance de gravidez, no caso de infertilidade.

Para mulheres que não desejam gravidez, as principais indicações são para o tratamento da cólica, dor pélvica e dispareunia. Pode ser feita por medicamentos analgésicos e hormônios para inibir a endometriose até seu desaparecimento. É importante avaliar a taxa de sucesso e os efeitos colaterais.

A cirurgia tem como objetivo retirar os focos de endometriose e refazer a anatomia, quando esta apresenta-se distorcida. Pode ser feita por cirurgia convencional ou videolaparoscopia.

É mais indicada para mulheres que tem a prole definida, devido aos riscos de retirada dos ovários. Durante o procedimento, o médico retira todo o tecido endometrial da região sem danificar os ovários, assim, a fertilidade é preservada.

Além de ser a melhor alternativa para os casos de endometriose moderada e grave, a cirurgia também deve ser considerada quando o tecido endometrial bloqueia uma duas tubas uterinas ou quando os medicamentos não são suficientes para o alívio dos sintomas.

Caso os medicamentos não aliviem a dor e a mulher não planeje engravidar, uma outra alternativa é a remoção do útero (cirurgia chamada de histerectomia), que pode ser acompanhada da remoção dos ovários ou das tubas uterinas.

A endometriose e a reprodução assistida

Para mulheres com desejo de gravidez, quando as trompas estão pérvias e o sêmen normal, realiza-se a indução da ovulação associada ao coito programado ou inseminação intrauterina. Tem como objetivos direto aumentar a chance de gravidez, evitando-se os efeitos colaterais dos medicamentos hormonais.

Os mecanismos de ação neste caso são:

As taxas de gestação com estas técnicas estão em torno de 30 a 35% após 4 ciclos de tentativas.

Se existe comprometimento das trompas, quando não houve sucesso na indução da ovulação, ou se a mulher tem idade maior que 35 anos, o tratamento de escolha passa a ser a FIV (fertilização in vitro).

A técnica de FIV apresenta a vantagem de superar qualquer das prováveis causas atribuídas à endometriose para levar a infertilidade. O fato de se retirar os oócitos e colocá-los em contato direto com os espermatozoides, após indução da super-ovulação, permite se observar diretamente a fertilização e formação de embriões e, a transferência dos embriões diretamente para o útero da paciente.

As taxas de gravidez são semelhantes às encontradas para as demais indicações de FIV, variando de 15 a 55%, de acordo com a idade da mulher. De maneira semelhante ao descrito acima, pode ser utilizado após falha do tratamento inicial ou diretamente para se obter a gestação mais rapidamente.

O fato de não se haver confirmado se a endometriose, poderia determinar a infertilidade, fez com que o tratamento expectante fosse sugerido. Os resultados deste tipo de tratamento variam de 50% a 90% de gravidez, de acordo com idade da paciente e tempo de infertilidade.

A vantagem nesta opção terapêutica é a ausência de custo e efeitos adversos, porém a maior desvantagem é o fato de não se poder determinar um tempo específico de espera, devendo ser utilizado somente em mulheres jovens, com pouco tempo de infertilidade e sem desejo imediato de gestação. Assim, mulheres sem sintomas devem discutir com seu médico se existe necessidade de tratamento.

Compartilhe:

Se inscrever
Notificação de
7 Comentários
mais antigo
o mais novo mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
Miriam J G Rosa
1 ano atrás

No caso de uma pessoa com 62 anos de idade, cujo endométrio retém uma espessa camada de sangue, deve ser retirado o endométrio? Mesmo sem biópsia já feita?

Valdirene Bicalho
8 meses atrás

Tenho endometriose…eu tenho 38 anos…já tenho um filho de 10 anos…tive um aborto a 7 meses… gostaria de saber se tenho chance de em gravidar naturalmente

Editor
Clínica Origen
6 meses atrás

Valdirene, obrigado pelo comentário. Primeiro precisamos avaliar qual o tipo da sua endometriose e os motivos do seu aborto, para que assim possamos passar um diagnóstico adequado. Agende uma consulta, ficaremos felizes em atende-la. Atenciosamente.

Shirley Costa
1 ano atrás

Meu nome é Shirley,tenho adenomiose e já passei por vários médicos, não resolve muito meu problema,me sinto cada vez pior,meu apetite sexual acabou,meu humor só piora. Não sei o que fazer, alguém me ajude achar um médico que possa me ajudar.

Editor
Clínica Origen
6 meses atrás
Reply to  Shirley Costa

Olá, Shirley. Entendemos o seu problema. Você não citou a cidade em que você mora, mas acesse o site e marque uma consulta na Clinica Origen mais próximo. Atenciosamente equipe Clínica Origen.

Edilene
1 ano atrás

Quando tem endometriose de 0.3cm ,no espaço reto_uterino,qual o melhor método para tratamento?

Editor
Clínica Origen
6 meses atrás
Reply to  Edilene

Olá, Edilene. A endometriose é uma doença complexa, e por isso tem que ser avaliada de perto. Sugiro que você agende uma consulta e apresente os seus exames, para que assim o especialista possa indicar o melhor tratamento. Atenciosamente.

Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco

Comunicado

Nota conjunta com atualização de posicionamento sobre a COVID-19 e os tratamentos de reprodução assistida

Informações complementares à nota emitida em 21 de março de 2020

A Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA e a Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA, acompanhando as demais sociedades mundiais e face à presença da pandemia de Covid-19, emitiram comunicado em 17 e 21 de março de 2020. Globalmente, e na América Latina não foi diferente, ciclos iniciados foram completados, decisões de congelamento tomadas, transferências discutidas e, na maioria das vezes, postergadas. Desde o início, entendemos que poderiam haver situações a serem individualizadas, como os casos oncológicos, em que pacientes necessitariam com urgência da preservação de seus gametas previamente a procedimentos cirúrgicos ou eventual quimioterapia que pudesse afetar sua fertilidade futura. Ao mesmo tempo, havia outros casos susceptíveis de individualização.

Passados 30 dias, com novos dados sobre a Covid-19, reconhecendo novos cenários para diferentes países, regiões ou cidades, além da realidade de um período claro de extensão da pandemia, que a infertilidade é definida pela OMS como doença, assim como a própria OMS define o direito de autonomia dos pacientes e:

CONSIDERANDO que, sob a luz de novas evidências científicas, este posicionamento deverá seguir sendo atualizado em momentos sucessivos;

CONSIDERANDO que, segundo a literatura médica, não se identificou até o momento a presença de vírus nos gametas e tratos genitais masculino ou feminino;

CONSIDERANDO que, até o momento, não há evidências a respeito das repercussões do Covid-19 sobre a gestação inicial;

CONSIDERANDO a preocupação com relação às evidências científicas emergentes quanto à possibilidade de transmissão vertical – isto é, da mãe para o bebê;

CONSIDERANDO que os serviços de reprodução assistida devam seguir as recomendações governamentais, respeitando as particularidades locais;

CONSIDERANDO a observação das medidas de distanciamento social, com cuidados na preservação dos pacientes e equipes, quando da assistência;

CONSIDERANDO as condutas para mitigar a sobrecarga do sistema de saúde local;

CONSIDERANDO que o adiamento dos tratamentos de reprodução assistida abrange determinados casos extremamente sensíveis ao tempo e, portanto, inadiáveis, com risco de condenar pessoas a uma infertilidade irreversível – ou seja, esterilidade; e

CONSIDERANDO o respeito à autonomia do paciente,

RECOMENDAM que ciclos de reprodução assistida possam ser realizados sob juízo do profissional assistente, em decisão compartilhada com os usuários do serviço, de forma personalizada, fundamentados e bem documentados, com precaução e bom-senso, evitando-se transferências embrionárias neste momento.

Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA
Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA


Referências