Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 99650-0786 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

Epididimite

Epididimite

Epididimite é o nome dado quando ocorre uma inflamação no epidídimo, tubo espiralado que fica na parte de trás do testículo, que é responsável por armazenar e transportar o esperma. Em alguns casos a epididimite pode chegar a comprometer os testículos, recebendo o nome de epididimo-orquite.

A epididimite afeta cerca de 600.000 homens por ano, mais comumente nas idades entre 18 e 35 anos. Na grande maioria dos casos, a epididimite pode ser causada por consequência de alguma DST como, por exemplo, gonorreia e clamídia, ou, uma vez que epidídimo está ligado à uretra, pela infecção da bactéria E. coli.

Quando a epididimite está presente, o escroto tende a inchar ao ponto de poder ser confundido com hérnias, a principal diferença sendo que a inflamação do epidídimo causará dor.

Causas da Epididimite

A epididimite pode ser causada por uma infecção do trato urinário e da próstata, mas é mais comumente contraída através de doenças sexualmente transmissíveis (DSTS), como um efeito colateral da contaminação por gonorreia e clamídia.

Dessa forma, os principais fatores de risco para a desenvolvimento de epididimite são:

Epididimite Bacteriana

O tipo mais comum de epididimite em homens com menos de 35 anos, normalmente é causada por patógenos sexualmente transmitidos. A infecção tende a se iniciar por meio de uma uretrite e então, posteriormente, se torna uma epididimite, quando não corretamente tratada no início.

Em pacientes acima de 35 anos de idade, a epididimite tende a decorrer devido a bacilos coliformes , especialmente em homem que já sofrem com anormalidades urológicas, que precisam usar sondas de demora ou que foram submetidos a procedimentos urológicos recentes.

Epididimite Não bacteriana

Relativamente mais rara, a epididimite não infecciosa pode surgir em decorrência de irritações químicas durante o fluxo retrógrado de urina para o epidídimo, fator que pode acontecer após algum trauma local ou em devido a levantamento excessivo de peso com frequência.

Sintomas de Epididimite

Os sintomas mais comuns de epididimite incluem:

Quando os sintomas da epididimite duram mais de seis semanas ou ocorrem com frequência, a doença passa então a ser considerada crônica. Os sintomas de epididimite crônica são compartilhados com a epididimite tradicional, podendo, entretanto, aparecer de forma gradual.

Diagnóstico de Epididimite

O primeiro passo para avaliação quando o paciente apresenta sintomas de epididimite é a realização do exame físico pelo médico especialista. Nele o médico irá procurar por inchaços testiculares, inchaços nos gânglios linfáticos na área da virilha e presença de secreção na glande. Se presente, essa secreção será coletada e levada para analise de DST.

Se durante o exame físico o médico suspeitar que que a epididimite possa estar sendo causada por um aumento na próstata, o exame de toque retal poderá ser realizado. Exames de sangue também poderão ser solicitados, para avaliar se existe infecção no sistema imunológico.

Para descartar a possibilidade de outras doenças como torção testicular ou tumores, exames de imagem como ultrassom podem ser também requisitados, ou, em casos que o diagnóstico permanece turvo, o exame testicular completo, onde o paciente ingere pequenas quantidades de uma substância fotosensitiva que reage na presença de câmeras especiais, dando ao médico informações precisas sobre o fluxo de sangue nos testículos, podendo o médico dessa forma realizar um diagnóstico preciso.

Tratamento de Epididimite

O tratamento de epididimite se baseia na atenuação dos sintomas, bem como o tratamento da infecção mesmo que esta se apresente de forma não aparente. Os tratamentos de epididimite normalmente incluem:

É importante tratar a infecção com os antibióticos proscritos até o final. Deve-se consultar o médico depois de terminada a medicação para verificar se a infecção foi eliminada.

Geralmente, esses métodos de tratamento são bem-sucedidos. No entanto, existem casos em que é necessário tratamento mais invasivo.

Se houve a formação de um abcesso (bolsa de pus), o médico poderá drená-lo com uma agulha.

A cirurgia é uma opção no caso de outros tratamentos não serem bem sucedidos. Isso envolve remover todos ou parte dos epidídimos. O tratamento cirúrgico também pode ser necessário para corrigir quaisquer defeitos físicos que possam estar causando a epididimite

Complicações possíveis

Se não tratada, a epididimite pode se tornar crônica, o que demanda mais cuidados e causa incômodos e dores frequentes.

Outras complicações são:

Prevenção

A prevenção mais importante contra a epididimite é evitar o contágio por doenças sexualmente transmissíveis praticando sexo seguro.

Se o paciente tem infecções do trato urinário recorrentes, outro fator de risco para a doença, ele pode discutir com o médico outras formas para se prevenir contra a epididimite.

Compartilhe:

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco