Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 99650-0786 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

Criopreservação

Criopreservação

A criopreservação é uma técnica de congelamento de células e tecidos biológicos, como espermatozoides, óvulos, tecido ovariano e embriões, em uma temperatura de 196 oC negativos, a fim de que possam ser utilizados posteriormente.

De que modo é realizada a criopreservação?

O primeiro passo é coletar os espermatozoides e os óvulos a serem colocados em criopreservação. Os gametas masculinos são obtidos pela masturbação. Os homens que não têm espermatozoides no sêmen ejaculado podem fazer a coleta por punção testicular. Já as mulheres precisam se submeter inicialmente à indução de ovulação.

Quando os folículos atingem o tamanho adequado, realiza-se a aspiração folicular para coleta dos óvulos. Trata-se de uma punção transvaginal guiada por ultrassom: a mulher se mantém em posição ginecológica e, com o auxílio de uma agulha fina, o líquido do interior dos folículos é aspirado. É realizado sob sedação e dura aproximadamente 10 minutos. O líquido aspirado é levado a um microscópio e os óvulos podem ser identificados.

Inicialmente, são colocadas no material a ser congelado, substâncias denominadas crioprotetoras, que têm duas funções principais: evitar a formação de cristais de gelo no interior dos espermatozoides, óvulos ou embriões, o que inviabilizaria seu uso posterior, e conservar suas estruturas internas.

A vitrificação é o método mais usado atualmente porque, de acordo com pesquisas recentes, é o procedimento que menos afeta os gametas e embriões e a taxa de congelamento é muito superior a outras técnicas: 2500 oC por minuto, portanto todo o processo leva cerca de 3 minutos. O descongelamento também é mais rápido, pois acontece a uma taxa de 300 oC por minuto.

A etapa final é a armazenagem em tanques de nitrogênio líquido, os quais mantêm a temperatura de -196 oC. Os materiais são colocados em palhetas identificadas e podem ficar congelados por tempo indeterminado. Há casos de gravidez depois de os embriões permanecerem criopreservados por mais de 20 anos.

Criopreservação de Oócitos

Tratamentos para o câncer pode prejudicar a fertilidade de crianças e mulheres em idade reprodutiva.  Hoje em dia um público crescente de mulheres que desejam adiar a da gestação por motivos pessoais ou profissionais cresce exponencialmente. Uma forma de manter a fertilidade para estas mulheres é  criopreservação de oócitos.

Para quem é indicada a criopreservação?

A criopreservação é indicada para preservar materiais coletados e ainda não utilizados em procedimentos como a FIV,  e podem ser utilizados futuramente.

Assim, casais em tratamento para infertilidade com as técnicas de Reprodução Assistida e que tenham uma quantidade excedente de embriões, óvulos e espermatozóides, podem mantê-los congelados para uso posterior, tanto para o caso de não haver gravidez (tornando desnecessário uma nova indução da ovulação) quanto para o caso de haver a gravidez e os casais desejarem um novo filho.

Mulheres e Homens que precisam se submeter a tratamento para Câncer, como Quimioterapia, Radioterapia ou cirurgia, podem ter seu futuro reprodutivo comprometido pelo tratamento. Para aqueles que não tem sua prole definida, a criopreservação é uma ótima alternativa.

Mulheres que desejam adiar a gravidez por motivos profissionais ou pessoais, também podem preservar seus óvulos e com isso minimizar os efeitos do tempo sobre a qualidade e quantidade de óvulos, uma vez que a mulher não produz óvulos. Com o passar dos anos (a partir dos 35 anos) a mudança na qualidade e diminuição na quantidade irá comprometer a chance de gravidez.

Nosso grupo publicou, nos últimos anos, uma série de estudos demonstrando que em algumas situações, a chance de gravidez é maior apos transferência de embriões que estavam criopreservados do que embriões a fresco.

Essa técnica se chama Freeze All e é indicada em mulheres com risco de Síndrome de Hiperestimulação Ovariana, elevação nos níveis de Progesterona, entre outros. O mais importante é individualizar, isto é, analisar cada caso individualmente.

Chances de sobrevivência dos óvulos/ embriões e gravidez

As taxas de sobrevivência de óvulos e embriões, apos o descongelamento, variam entre 90 e 95% e as taxas de gravidez, são semelhantes aos ciclos à fresco, dependendo da idade e da causa da infertilidade.

Como é realizado o descongelamento

O descongelamento é um procedimento em que se retorna o material criopreservado à temperatura corporal. É feito de forma inversa com a retirada dos crioprotetores e suplementação com meios de cultivo.

Compartilhe:

Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco

Comunicado

Nota conjunta com atualização de posicionamento sobre a COVID-19 e os tratamentos de reprodução assistida

Informações complementares à nota emitida em 21 de março de 2020

A Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA e a Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA, acompanhando as demais sociedades mundiais e face à presença da pandemia de Covid-19, emitiram comunicado em 17 e 21 de março de 2020. Globalmente, e na América Latina não foi diferente, ciclos iniciados foram completados, decisões de congelamento tomadas, transferências discutidas e, na maioria das vezes, postergadas. Desde o início, entendemos que poderiam haver situações a serem individualizadas, como os casos oncológicos, em que pacientes necessitariam com urgência da preservação de seus gametas previamente a procedimentos cirúrgicos ou eventual quimioterapia que pudesse afetar sua fertilidade futura. Ao mesmo tempo, havia outros casos susceptíveis de individualização.

Passados 30 dias, com novos dados sobre a Covid-19, reconhecendo novos cenários para diferentes países, regiões ou cidades, além da realidade de um período claro de extensão da pandemia, que a infertilidade é definida pela OMS como doença, assim como a própria OMS define o direito de autonomia dos pacientes e:

CONSIDERANDO que, sob a luz de novas evidências científicas, este posicionamento deverá seguir sendo atualizado em momentos sucessivos;

CONSIDERANDO que, segundo a literatura médica, não se identificou até o momento a presença de vírus nos gametas e tratos genitais masculino ou feminino;

CONSIDERANDO que, até o momento, não há evidências a respeito das repercussões do Covid-19 sobre a gestação inicial;

CONSIDERANDO a preocupação com relação às evidências científicas emergentes quanto à possibilidade de transmissão vertical – isto é, da mãe para o bebê;

CONSIDERANDO que os serviços de reprodução assistida devam seguir as recomendações governamentais, respeitando as particularidades locais;

CONSIDERANDO a observação das medidas de distanciamento social, com cuidados na preservação dos pacientes e equipes, quando da assistência;

CONSIDERANDO as condutas para mitigar a sobrecarga do sistema de saúde local;

CONSIDERANDO que o adiamento dos tratamentos de reprodução assistida abrange determinados casos extremamente sensíveis ao tempo e, portanto, inadiáveis, com risco de condenar pessoas a uma infertilidade irreversível – ou seja, esterilidade; e

CONSIDERANDO o respeito à autonomia do paciente,

RECOMENDAM que ciclos de reprodução assistida possam ser realizados sob juízo do profissional assistente, em decisão compartilhada com os usuários do serviço, de forma personalizada, fundamentados e bem documentados, com precaução e bom-senso, evitando-se transferências embrionárias neste momento.

Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA
Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA


Referências