Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 9979-01109 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

Orquite

Orquite

A orquite é uma inflamação que acomete os testículos e algumas vezes o epidídimo. Quando a infecção se dá nos dois órgãos é denominamos orquiepididimite. Quando a infecção ocorre apenas no epidídimo a chamamos de epididimite.

Causas da Orquite

Sintomas da Orquite

Os sintomas da orquite podem ser:

Tipos de Orquite

Orquite viral

Como já falamos acima, a orquite viral pode ser causada por complicações causadas pela Caxumba. Outros vírus que podem causar orquite são: coxsackieechoinfluenza e o vírus da mononucleose.

Nestes casos o tratamento é  feito pela administração de antibióticos, além de repouso, compressas de gelo no local e elevação da bolsa escrotal. Caso o tratamento seja iniciado logo no início dos sintomas, o quadro pode ser revertido dentro de até uma semana.

Orquite bacteriana

A orquite bacteriana normalmente está ligada à inflamação do epidídimo e pode ser causada por bactérias como Mycobacterium sp, haemophilustreponema pallidum. Seu tratamento deve ser feito com antibióticos específicos para garantir a completa solução da doença.

Diagnóstico

O diagnóstico da orquite pode ser feito com a observação dos relatos do paciente, onde o médico identifica os sintomas da doença, e os confirma através da realização de exame de sangue, ultrassonografia escrotal, e os testes para doenças como gonorréia e clamídia, que  podem ser úteis para verificar a causa da doença o que também já ajuda a definir o melhor antibiótico a ser administrado.

Tratamento para orquite

O tratamento para orquite inclui repouso e administração de medicações para combater a inflamação. O urologista poderá indicar além disso, a aplicação de compressas geladas na região para diminuir a dor e inchaço que pode demorar até 30 dias para ser solucionado.

Orquite tem cura?

Sim. A orquite tem cura e normalmente não deixa nenhuma sequela quando o tratamento é feito conforme indicado pelo médico especialista. No entanto, algumas possíveis sequelas que podem ocorrer são a atrofia dos testículos, a formação de abscessos e a infertilidade quando os 2 testículos são afetados. E nos casos mais extremos de orquite, a remoção cirúrgica dos testículos pode ser necessária.

Como saber se a doença causou Infertilidade?

Todas as pessoas, adultos ou crianças, que tiveram contato com a doença e sintomas clínicos relacionados com os testículos ou ovários. Todos têm a possibilidade de ter como consequência a infertilidade, mesmo os que fizeram o tratamento conforme prescrição médica.

A investigação da fertilidade, espermograma para os homens e contagem de folículos antrais para as mulheres, são exames que irão ajudar a identificar a fertilidade de todos que caxumba ou qualquer outra doença que causam inflamação nos testículos ou ovários.

Como a Orquite esta relacionada com a Caxumba

Uma das possíveis complicações da caxumba é causar infertilidade masculina, isto porque a doença pode não só afetar a glândula parótida, localizadas no pescoço, mas também as glândulas do testículo.

Isto se dá devido a semelhança fisiológica entre as duas glândulas, e isso faz com que a doença algumas vezes possa acometer as duas glândulas. Por isso é tão falada a expressão de que a caxumba pode “descer”.

Quando isto acontece, surge então uma inflamação nos testículos chamada de Orquite, que destrói o epitélio germinativo dos testículos, local onde ocorre a produção de espermatozoides, o que causa infertilidade masculina.

Os sintomas que indicam que a caxumba acomete também as glândulas testiculares são:

Caxumba pode causar Infertilidade Feminina?

Nas mulheres assim como nos homens, a Caxumba pode causar uma inflamação em regiões ligada a fertilidade, os ovários, esta inflamação é chamada Ooforite, que pode causar sintomas como dor abdominal e sangramentos.

Além disso, a Caxumba na mulher pode levar a uma Falência Ovariana Precoce que se trata do envelhecimento dos ovários antes do tempo e que causa infertilidade.

Assim como em qualquer doença, o tratamento da Ooforite deve ser acompanhado por um médico especialista, o ginecologista, que irá direcionar o tratamento que será a base de antibióticos e antiinflamatórios.

Compartilhe:

Se inscrever
Notificação de
2 Comentários
mais antigo
o mais novo mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
Caroline Silva
6 meses atrás

Caso constado infertilidade devido a Orquete é possível reverte a infertilidade?

Editor
Clínica Origen (@ana)
6 meses atrás
Reply to  Caroline Silva

Olá, Caroline! É possível sim tratar a infertilidade. As técnicas de reprodução assistida são consideradas o tratamento padrão para infertilidade e possibilitam a gravidez, com percentuais expressivos de sucesso, quando a infertilidade é provocada por fatores de menor ou maior gravidade. A definição da mais adequada para cada paciente é feita, ainda, durante a elaboração do plano de tratamento. Por isso, procure um profissional para estudar seu caso e elaborar um tratamento individualizado que melhor contemple suas necessidades. Estamos à disposição!

Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco

Comunicado

SARS Cov-2 (COVID 19): vacinas, reprodução assistida e grávidas
• Posição atual conjunta •

03 de fevereiro de 2021

Grandes avanços dos estudos colaborativos incluem hoje pelo menos 85 vacinas pré-clínicas em investigação ativa em animais, 65 em ensaios clínicos em humanos, com 20 vacinas que chegaram aos estágios finais de testagem, sendo 12 já em uso em diferentes países/situações. As principais vacinas disponíveis estão constituidas por partículas de RNA mensageiro (Pfizer-Biontech e Moderna), vírus inativado (CoronaVac,Sinopharma e Covaxin, Bharat Biotech), com adenovirus (Oxford-AstraZeneca, Johnson&Johnson e Sputnik V, Gamaleya).

A pandemia segue, e neste momento a discussão se centraliza no uso das vacinas disponíveis e as pacientes submetidas às técnicas de reprodução assistida, grávidas e populações de risco entre as grávidas.

Nossas sociedades, avaliando também as diretrizes emitidas por sociedades mundiais como a ESHRE, a ASRM, a IFFS e a ACOG (SOGC), consideram que dentro da disponibilidade possível:

1) A vacinação tem efetividade e não induz a risco aumentado de contrair a infecção por Covid 19. Embora ainda não hajam estudos humanos de longo prazo sobre a vacinação contra Covid-19 e gravidez, nenhuma das vacinas contém vírus Sars Cov-2 vivo.

2) Para indivíduos vulneráveis,que apresentam alto risco de infecção e / ou morbidade por COVID-19, dentre os quais estão as grávidas, não receber a vacina supera o risco de ser vacinado, previamente ou durante a gravidez. Inclui-se ainda neste grupo os profissionais de saúde e aqueles outros, de linha de frente, com maior risco de exposição.

3) Não há razão para atrasar as tentativas de gravidez ou tratamentos de reprodução assistida quando de vacina não disponível ou se pacientes fora de grupos de risco.

4) Decisões da utilização (ou não) das vacinas devem ser compartilhadas entre pacientes e médicos, respeitando-se os princípios éticos de autonomia, beneficência e não maleficência.

5) Esta informação sobre vacinas deve ser incluidas como um termo específico em um consentimento informado já existente. Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA

6) Seguirão atualizações, a cada momento que novos conhecimentos solidifiquem os dados atuais.

  • REDLARA - Red Latinoamericana de Reproducción Asistida
  • SBRA - Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida
  • SAMeR - Sociedad Argentina de Medicina Reproductiva
  • AMMR - Asociación Mexicana de Medicina de la Reproducción
  • PRONÚCLEO - Associação Brasileira de Embriologistas em Medicina Reprodutiva
  • SAEC - Sociedad Argentina de Embriología Clínica
  • SOCMER - Sociedad Chilena de Medicina Reproductiva
  • ACCER - Asociación de Centros Colombianos de Reproducción Humana
  • SURH - Sociedad Uruguaya de Reproducción Humana
  • AVEMERE - Asociación Venezolana de Medicina Reproductiva y Embriología

Referências
2
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x