Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 9979-01109 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

Varicocele

Varicocele

A varicocele consiste na dilatação anormal das veias do cordão espermático, que fazem a drenagem do sangue da região testicular. Também conhecida como varizes testiculares ou varizes escrotais, ela provoca a elevação da temperatura dos testículos e pode provocar a infertilidade.

Causas

As causas da varicocele ainda não são totalmente claras para a ciência, mas muitos especialistas acreditam que assim como no caso das varizes das pernas, a varicocele é causada por uma incompetência das válvulas presentes no interior das veias. Estas válvulas têm como objetivo evitar o refluxo (retorno) de sangue pelas veias. No caso da varicocele, quando estas válvulas não funcionam adequadamente, o sangue pode retroceder para a região testicular, causando dilatação destas veias.

A varicocele ocorre mais frequentemente do lado esquerdo, devido a fatores anatômicos da drenagem das veias do lado esquerdo da região testicular. Mesmo quando ocorre apenas de um lado, ela pode afetar a produção de espermatozoides em ambos os testículos.

Normalmente o desenvolvimento da varicocele ocorre de maneira gradual, iniciando-se muitas vezes na adolescência ou em adultos jovens. A aparição súbita de uma varicocele em homens mais velhos, principalmente quando ocorre do lado direito, pode ser causada por alguma massa/ tumor (ex.: tumores renais ou de retroperitônio) que esteja impedindo o fluxo sanguíneo adequado a partir da região escrotal.

A varicocele é uma doença frequente?

No mundo inteiro, ela ocorre em aproximadamente 15-20% dos homens. Em casais com problemas para engravidar, pode estar presente em até 35% dos homens. Em casais que já têm um filho e apresentam dificuldade para obter a 2a gestação (infertilidade secundária), a varicocele pode ser detectada em até 80% dos homens quando estes apresentam alteração nos espermogramas. Em adolescentes, a frequência é muito semelhante à encontrada nos adultos, e seu aparecimento se dá geralmente entre os 14 e 15 anos de idade. Ela é encontrada predominantemente no testículo esquerdo (75 a 95%), algumas vezes em ambos (10% a 20%) e mais raramente de maneira isolada do lado direito.

Em que idade a varicocele costuma surgir?

Geralmente congênita, a varicocele surge na maioria dos casos na adolescência, entre os 15 e 16 anos e quase nunca na infância. O pico de incidência da doença ocorre até os 25 anos. O problema é que dificilmente a doença faz parte das preocupações de qualquer garoto na puberdade. Assim como as meninas, que nessa fase passam a visitar rotineiramente um ginecologista, a saúde reprodutiva do homem também merece acompanhamento do urologista.

Varicocele e a infertilidade masculina

Embora muitos nunca tenham ouvido sequer falar na doença, ela é a principal causa de infertilidade nos homens. Ela está associada a alterações na produção e qualidade dos espermatozoides.

O represamento de sangue ao redor dos testículos leva ao aumento da temperatura testicular. Os testículos estão situados na região escrotal fora do corpo, e isto tem seu motivo. É que a temperatura da testicular (a “fábrica” dos espermatozoides) deve estar entre 1,5 e 2ºC mais baixa que a temperatura do nosso corpo.

A teoria mais aceita para explicar o papel nocivo da varicocele é que a sua presença aumenta a temperatura nos testículos e prejudicando assim a produção de espermatozoides. Além disso, este sangue represado leva a um aumento de algumas substâncias tóxicas, como os radicais livres de oxigênio. Como consequência, pode ocorrer diminuição da produção, da movimentação, da forma e do funcionamento normal dos espermatozoides, causando infertilidade.

Fatores de risco

A varicocele normalmente ocorre por uma predisposição genética, que leva a um funcionamento inadequado das veias da região testicular. A princípio, não existe algum fator de risco relacionado à varicocele que possa ser evitado ou modificado.

Sintomas de Varicocele

Embora a sua principal consequência seja a infertilidade masculina, a varicocele também pode causar dor, desconforto e sensação de peso em região escrotal e, mais raramente, à diminuição do tamanho dos testículos (atrofia testicular). Ela pode também ocorrer de maneira assintomática.

A dor, quando presente pode:

Diagnóstico de Varicocele

O diagnóstico de varicocele é clínico, ou seja, é realizado durante uma consulta onde é realizado o exame físico do homem. Esta avaliação deve ser realizada com o homem de pé para sua adequada avaliação.

Quando o exame físico é inconclusivo, o médico poderá solicitar uma ultrassonografia com Doppler da região escrotal para uma nova avaliação.

Normalmente o médico Urologista é procurado devido quadro de dor testicular. É importante uma adequada avaliação, para que outras causas de dor em região escrotal possam ser descartadas.

Como a varicocele é assintomática em grande parte das vezes, um acompanhamento adequado e frequente com um médico Urologista é recomendado para todos os homens.

Tratamento da Varicocele

As indicações de tratamento da varicocele estão relacionadas à quadro de infertilidade. Segundo as orientações da ASRM (American Society for Reproductive Medicine) o tratamento corretivo da varicocele está indicado quando:

Quando indicado, o tratamento padrão é realizado através de procedimento cirúrgico (preferencialmente microcirurgia). Durante a cirurgia, as veias dilatadas são ligadas impedindo-se assim o refluxo de sangue através destas veias. O tratamento pode também ser realizado através da embolização das veias dilatadas.

A reparação de varicoceles apresenta relativamente poucos riscos para o homem, os quais podem incluir:

Como o procedimento é realizado?

O propósito do procedimento é interromper o refluxo de sangue pelas veias dilatadas. É fundamental conservar a artéria testicular que nutre o testículo, a vascularização do canal deferente, assim como os vasos linfáticos que conduzem a linfa do cordão espermático e dos testículos.

Para tanto, há diversas abordagens cirúrgicas. A maior parte delas é realizada sem o apoio do microscópio. No entanto, os procedimentos que não fazem uso do microscópio demandam a abertura dos músculos do abdômen, o que provoca um pós-operatório longo e mais doloroso, assim como apresentam índices de complicações maiores, como o desenvolvimento de hidrocele, atrofia testicular e mesmo a recidica (retorno) da doença.

Quando o microscópio é utilizado para corrigir o refluxo venoso da varicocele, o procedimento pode ser realizado por uma incisão de aproximadamente 2 cm em região subinguinal. Nesse ponto, o microscópio microcirúrgico auxilia a identificar com segurança as veias, os vasos linfáticos e as artérias.

Desta maneira, apenas as veias serão ligadas, evitando-se assim a ligadura inadvertida de vasos linfáticos (que levaria ao desenvolvimento da hidrocele) e também de artérias (que poderia levar à atrofia testicular).

Durante um procedimento microcirúrgico, o cirurgião usa, além de outros diversos instrumentos especiais e frágeis, o microscópio cirúrgico, que aumenta a sua visão em até 40 vezes, sem que ocorra a distorção da imagem.

Para uma adequada microcirurgia, é fundamental que o procedimento seja realizado por um profissional especializado e com a disponibilidade de instrumentos microcirúrgicos especiais. O cirurgião, após treinamento específico, adquire a habilidade de realizar microcirurgias, que é a técnica ideal para operar pequenas e delicadas estruturas.

Compartilhe:

Se inscrever
Notificação de
2 Comentários
mais antigo
o mais novo mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
ELISANGELA REIS SILVA NASCIMENTO
1 ano atrás

Meu marido ficou vasectomizado após cirurgia de varicocele bilateral realizada por profissional mal preparado em Minas.

Clínica Origen
1 ano atrás

Olá, Elisangela! Tudo bem? O indicado seria seu marido procurar um especialista para avaliar o caso. Atenciosamente equipe Origen.

Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco

Comunicado

SARS Cov-2 (COVID 19): vacinas, reprodução assistida e grávidas
• Posição atual conjunta •

03 de fevereiro de 2021

Grandes avanços dos estudos colaborativos incluem hoje pelo menos 85 vacinas pré-clínicas em investigação ativa em animais, 65 em ensaios clínicos em humanos, com 20 vacinas que chegaram aos estágios finais de testagem, sendo 12 já em uso em diferentes países/situações. As principais vacinas disponíveis estão constituidas por partículas de RNA mensageiro (Pfizer-Biontech e Moderna), vírus inativado (CoronaVac,Sinopharma e Covaxin, Bharat Biotech), com adenovirus (Oxford-AstraZeneca, Johnson&Johnson e Sputnik V, Gamaleya).

A pandemia segue, e neste momento a discussão se centraliza no uso das vacinas disponíveis e as pacientes submetidas às técnicas de reprodução assistida, grávidas e populações de risco entre as grávidas.

Nossas sociedades, avaliando também as diretrizes emitidas por sociedades mundiais como a ESHRE, a ASRM, a IFFS e a ACOG (SOGC), consideram que dentro da disponibilidade possível:

1) A vacinação tem efetividade e não induz a risco aumentado de contrair a infecção por Covid 19. Embora ainda não hajam estudos humanos de longo prazo sobre a vacinação contra Covid-19 e gravidez, nenhuma das vacinas contém vírus Sars Cov-2 vivo.

2) Para indivíduos vulneráveis,que apresentam alto risco de infecção e / ou morbidade por COVID-19, dentre os quais estão as grávidas, não receber a vacina supera o risco de ser vacinado, previamente ou durante a gravidez. Inclui-se ainda neste grupo os profissionais de saúde e aqueles outros, de linha de frente, com maior risco de exposição.

3) Não há razão para atrasar as tentativas de gravidez ou tratamentos de reprodução assistida quando de vacina não disponível ou se pacientes fora de grupos de risco.

4) Decisões da utilização (ou não) das vacinas devem ser compartilhadas entre pacientes e médicos, respeitando-se os princípios éticos de autonomia, beneficência e não maleficência.

5) Esta informação sobre vacinas deve ser incluidas como um termo específico em um consentimento informado já existente. Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA

6) Seguirão atualizações, a cada momento que novos conhecimentos solidifiquem os dados atuais.

  • REDLARA - Red Latinoamericana de Reproducción Asistida
  • SBRA - Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida
  • SAMeR - Sociedad Argentina de Medicina Reproductiva
  • AMMR - Asociación Mexicana de Medicina de la Reproducción
  • PRONÚCLEO - Associação Brasileira de Embriologistas em Medicina Reprodutiva
  • SAEC - Sociedad Argentina de Embriología Clínica
  • SOCMER - Sociedad Chilena de Medicina Reproductiva
  • ACCER - Asociación de Centros Colombianos de Reproducción Humana
  • SURH - Sociedad Uruguaya de Reproducción Humana
  • AVEMERE - Asociación Venezolana de Medicina Reproductiva y Embriología

Referências
2
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x