Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 9979-01109 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

Recuperação espermática

Recuperação espermática

As técnicas de recuperação espermática

As possíveis técnicas de serem realizadas são no caso de uma azoospermia são:

As técnicas de PESA e MESA devem ser empregadas apenas nos casos de azoospermias obstrutivas. Nos casos de azoospermias não obstrutivas, as técnicas a serem empregadas devem ser a TESA ou preferencialmente a TESE ou micro-TESE.

Aspiração Percutânea de Espermatozoide do Epidídimo (PESA)

A técnica de Aspiração Percutânea de Espermatozoide do Epidídimo (PESA) consiste em um procedimento de recuperação de espermatozoides na região do epidídimo em casos obstrutivos que possibilita o acesso a espermatozoides móveis para a utilização em ciclo reprodutivo imediato ou para criopreservação. Espermatozoides são encontrados em mais de 95% dos casos.

Para realizar o procedimento, é usada uma agulha fina, que punciona o epidídimo e faz a aspiração do fluido do órgão. Para que o urologista aplique a agulha diretamente na pele escrotal e penetre até o epidídimo, o procedimento pode ser realizado sob sedação ou bloqueio de cordão espermático.

O fluido retirado passa por análise para que seja verificada a presença de espermatozoides. Em caso negativo, outra punção pode ser necessária.

Essa técnica é a mais usada para coletar espermatozoides em homens que tenham feito vasectomia ou tenham azoospermia por causa da obstrução dos ductos deferentes.

Vantagens da PESA

  1. A anestesia é local;
  2. O custo é mais baixo.
  3. O trauma é menor.

Desvantagens da Pesa

  1. Colhe-se uma quantidade menor de espermatozoides, o que diminui a chance de criopreservação;
  2. É possível que aconteça uma lesão do epidídimo, inviabilizando recanalização futura (ex.: pacientes vasectomizados que desejam realizar uma reversão de vasectomia no futuro, terão suas chances de sucesso com a reversão diminuídas caso tenham realizado PESA previamente).

Aspiração Microcirúrgica de Espermatozoide do Epidídimo (MESA)

A técnica de Aspiração Microcirúrgica de Espermatozoide do Epidídimo (MESA), assim como a PESA, possibilita o acesso a espermatozoides móveis em região de epidídimo para utilização em ciclo reprodutivo imediato ou para criopreservação.

O procedimento é realizado após aplicação de anestesia no paciente. Então é feita uma incisão no escroto para que o epidídimo e o testículo sejam expostos.

Com o auxílio de um microscópio, são selecionados os melhores túbulos do epidídimo para coleta do material. É nesse estágio do procedimento que se examina o fluido em busca de espermatozoide móveis.

Vantagens da MESA

  1. Colhe-se uma quantidade maior de espermatozoides;
  2. Não ocorre contaminação por hemácias;
  3. Os túbulos abertos são suturados, diminuindo-se a chance de obstrução epididimária;

Desvantagens da MESA

  1. Os custos são mais altos, em razão da necessidade do uso de centro cirúrgico, microscópio e fio microcirúrgico para a sutura dos túbulos que foram abertos; 1
  2. Desenvolvimento de fibrose local, dificultando novos procedimentos.

Aspiração de espermatozoides testiculares (TESA)

Esta é a técnica mais simples a ser utilizada em casos de azoospermia não obstrutiva mas com as menores taxas de recuperação espermática.

A TESA pode ser realizada com uma anestesia local, através de bloqueio de cordão espermático ou após a realização de uma sedação endovenosa.

Neste procedimento, uma agulha conectada a uma seringa é introduzida em região testicular e fragmentos de tecido testicular são aspirados para serem preparados e avaliados em laboratório quanto à presença ou não de espermatozoides.

Caso não sejam encontrados espermatozoides, o testículo contralateral pode ser manipulado no mesmo ato cirúrgico. Este material será posteriormente processado, centrifugado e preparado em meios de cultura específicos.

Mais bem indicado em casos favoráveis ao encontro de espermatozoides como:

Extração de espermatozoides testiculares (TESE)

Neste procedimento é realizada uma biópsia testicular aberta. Uma incisão transversa de aproximadamente 2 cm é realizada em região escrotal para que possa ser visualizado o testículo. Nesta técnica, não ocorre a exteriorização do testículo.

São feitas pequenas incisões em diferentes pontos do testículo, com a retirada de fragmentos de tecido testicular. Os fragmentos de parênquima testicular excisados são enviados ao laboratório, onde serão manipulados e dissecados para a avaliação microscópica com aumento de 100x a 400x a procura de espermatozoides.

Alguns centros utilizam a Pentoxifilina para avaliação da motilidade espermática no momento da manipulação do tecido testicular. Caso não sejam encontrados espermatozoides, a biópsia contralateral pode ser realizada no mesmo ato operatório.

Alíquotas de material devem ser processadas para criopreservação de material excedente. O procedimento é realizado na maioria dos casos no dia da punção ovariana da parceira, normalmente com banco de sêmen reservado em caso de não serem encontrados espermatozoides.

Alguns centros realizam o procedimento previamente ao estímulo hormonal da parceira e congela-se o material caso o procedimento seja bem sucedido. Ainda não existe um consenso de qual o melhor  momento para a realização da biópsia, apesar de estudos recentes mostrarem que os resultados de tratamentos com material congelado é o mesmo do que com material fresco.

As vantagens da realização do procedimento previamente ao ciclo de FIV da parceira é que o casal partirá para o tratamento já sabendo se possui espermatozoides para a realização da ICSI ou se precisarão de recorrer a um banco de sêmen.

Microdissecção testicular (micro-TESE)

O termo micro-TESE significa Microdissection Testicular Sperm Extraction. O procedimento, mais eficaz que a TESE, tem sido indicado como alternativa para a coleta de espermatozoides em homens com azoospermia não obstrutiva.

Com o auxílio de um microscópio cirúrgico, a micro-TESE possibilita uma visão abrangente e direta dos túbulos seminíferos, elevando as chances de identificação de áreas que contenham espermatogênese ativa, as quais são extraídas.

A micro-tese é uma cirurgia aberta, similar à TESE. A principal diferença entre elas é que, na TESE, as biópsias são feitas a olho nu, e, na micro-TESE, são orientadas por microscopia cirúrgica.

Vantagens da micro-TESE:

Desvantagens:

Detalhes da micro-TESE

O método consiste na realização de uma incisão cirúrgica no escroto, através da qual o testículo será acessado. Depois disso, o cirurgião faz uma incisão em um dos testículos, para que possa, com o auxílio do microscópio, identificar os túbulos seminíferos com mais chances de ter espermatozoides.

Conforme os túbulos vão sendo extraídos do testículo, biólogos analisam o material e armazenam os espermatozoides.

Pode ocorrer de não serem encontrados espermatozoides no primeiro testículo. Quando isso acontece, o outro testículo é examinado. Depois de analisados ambos os testículos e realizada a análise laboratorial, o tecido extraído é submetido ao processo de digestão enzimática, que oferece uma maior chance de êxito por procedimento.

Caso a cirurgia não obtenha sucesso, pode ser repetida depois de um mínimo de seis meses, devido à necessidade de recuperação do paciente.

Pós-operatório

No pós-operatório, o paciente permanece por algumas horas no hospital ou na clínica aguardando que termine o efeito da anestesia. Ao sair do hospital, a recomendação é que o paciente cuide da região, aplicando bolsas de gelo durante as primeiras 24 horas.

Caso necessário, o paciente pode fazer uso de analgésicos. Além disso, é importante que faça um repouso pós-operatório, pois é comum que os testículos fiquem doloridos por até três dias.

Riscos

Nos casos de pacientes portadores de doenças testiculares graves, a biópsia pode ser contraindicada. No entanto, em geral, o método não oferece maiores riscos do que outros procedimentos invasivos.

Compartilhe:

Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco

Comunicado

SARS Cov-2 (COVID 19): vacinas, reprodução assistida e grávidas
• Posição atual conjunta •

03 de fevereiro de 2021

Grandes avanços dos estudos colaborativos incluem hoje pelo menos 85 vacinas pré-clínicas em investigação ativa em animais, 65 em ensaios clínicos em humanos, com 20 vacinas que chegaram aos estágios finais de testagem, sendo 12 já em uso em diferentes países/situações. As principais vacinas disponíveis estão constituidas por partículas de RNA mensageiro (Pfizer-Biontech e Moderna), vírus inativado (CoronaVac,Sinopharma e Covaxin, Bharat Biotech), com adenovirus (Oxford-AstraZeneca, Johnson&Johnson e Sputnik V, Gamaleya).

A pandemia segue, e neste momento a discussão se centraliza no uso das vacinas disponíveis e as pacientes submetidas às técnicas de reprodução assistida, grávidas e populações de risco entre as grávidas.

Nossas sociedades, avaliando também as diretrizes emitidas por sociedades mundiais como a ESHRE, a ASRM, a IFFS e a ACOG (SOGC), consideram que dentro da disponibilidade possível:

1) A vacinação tem efetividade e não induz a risco aumentado de contrair a infecção por Covid 19. Embora ainda não hajam estudos humanos de longo prazo sobre a vacinação contra Covid-19 e gravidez, nenhuma das vacinas contém vírus Sars Cov-2 vivo.

2) Para indivíduos vulneráveis,que apresentam alto risco de infecção e / ou morbidade por COVID-19, dentre os quais estão as grávidas, não receber a vacina supera o risco de ser vacinado, previamente ou durante a gravidez. Inclui-se ainda neste grupo os profissionais de saúde e aqueles outros, de linha de frente, com maior risco de exposição.

3) Não há razão para atrasar as tentativas de gravidez ou tratamentos de reprodução assistida quando de vacina não disponível ou se pacientes fora de grupos de risco.

4) Decisões da utilização (ou não) das vacinas devem ser compartilhadas entre pacientes e médicos, respeitando-se os princípios éticos de autonomia, beneficência e não maleficência.

5) Esta informação sobre vacinas deve ser incluidas como um termo específico em um consentimento informado já existente. Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA

6) Seguirão atualizações, a cada momento que novos conhecimentos solidifiquem os dados atuais.

  • REDLARA - Red Latinoamericana de Reproducción Asistida
  • SBRA - Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida
  • SAMeR - Sociedad Argentina de Medicina Reproductiva
  • AMMR - Asociación Mexicana de Medicina de la Reproducción
  • PRONÚCLEO - Associação Brasileira de Embriologistas em Medicina Reprodutiva
  • SAEC - Sociedad Argentina de Embriología Clínica
  • SOCMER - Sociedad Chilena de Medicina Reproductiva
  • ACCER - Asociación de Centros Colombianos de Reproducción Humana
  • SURH - Sociedad Uruguaya de Reproducción Humana
  • AVEMERE - Asociación Venezolana de Medicina Reproductiva y Embriología

Referências
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x