Comunicado

Nota conjunta com atualização de posicionamento sobre a COVID-19 e os tratamentos de reprodução assistida

Informações complementares à nota emitida em 21 de março de 2020

A Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA e a Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA, acompanhando as demais sociedades mundiais e face à presença da pandemia de Covid-19, emitiram comunicado em 17 e 21 de março de 2020. Globalmente, e na América Latina não foi diferente, ciclos iniciados foram completados, decisões de congelamento tomadas, transferências discutidas e, na maioria das vezes, postergadas. Desde o início, entendemos que poderiam haver situações a serem individualizadas, como os casos oncológicos, em que pacientes necessitariam com urgência da preservação de seus gametas previamente a procedimentos cirúrgicos ou eventual quimioterapia que pudesse afetar sua fertilidade futura. Ao mesmo tempo, havia outros casos susceptíveis de individualização.

Passados 30 dias, com novos dados sobre a Covid-19, reconhecendo novos cenários para diferentes países, regiões ou cidades, além da realidade de um período claro de extensão da pandemia, que a infertilidade é definida pela OMS como doença, assim como a própria OMS define o direito de autonomia dos pacientes e:

CONSIDERANDO que, sob a luz de novas evidências científicas, este posicionamento deverá seguir sendo atualizado em momentos sucessivos;

CONSIDERANDO que, segundo a literatura médica, não se identificou até o momento a presença de vírus nos gametas e tratos genitais masculino ou feminino;

CONSIDERANDO que, até o momento, não há evidências a respeito das repercussões do Covid-19 sobre a gestação inicial;

CONSIDERANDO a preocupação com relação às evidências científicas emergentes quanto à possibilidade de transmissão vertical – isto é, da mãe para o bebê;

CONSIDERANDO que os serviços de reprodução assistida devam seguir as recomendações governamentais, respeitando as particularidades locais;

CONSIDERANDO a observação das medidas de distanciamento social, com cuidados na preservação dos pacientes e equipes, quando da assistência;

CONSIDERANDO as condutas para mitigar a sobrecarga do sistema de saúde local;

CONSIDERANDO que o adiamento dos tratamentos de reprodução assistida abrange determinados casos extremamente sensíveis ao tempo e, portanto, inadiáveis, com risco de condenar pessoas a uma infertilidade irreversível – ou seja, esterilidade; e

CONSIDERANDO o respeito à autonomia do paciente,

RECOMENDAM que ciclos de reprodução assistida possam ser realizados sob juízo do profissional assistente, em decisão compartilhada com os usuários do serviço, de forma personalizada, fundamentados e bem documentados, com precaução e bom-senso, evitando-se transferências embrionárias neste momento.

Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA
Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA


Referências
Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 99650-0786 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

5 formas de lidar com o medo de não conseguir engravidar

5 formas de lidar com o medo de não conseguir engravidar

Muitas mulheres sonham desde pequenas em ser mães. Por isso, imaginam, com detalhes, como será o rostinho de seu filho, com quantos anos pretendem engravidar, quais nomes escolherão, quantos filhos terão etc.

No entanto, nem sempre os projetos acontecem como o planejado, e não conseguir engravidar se torna uma pressão muito grande para essas mulheres. As dificuldades podem ser de ordem física e, em alguns casos, a ansiedade pode se tornar um obstáculo a ser vencido.

Como a mulher pode reagir ao diagnóstico da infertilidade

A primeira coisa que temos que ter em mente é que cada mulher reage de uma maneira diferente e, por isso, não podemos generalizar. No entanto, para tentar ajudar, listamos algumas das reações mais conhecidas pelos especialistas.

Quando a mulher recebe o diagnóstico de infertilidade, muitas vezes ela passa por uma crise emocional, que mistura medo, angústia e decepção. O turbilhão de emoções faz com que muitos casais comecem a questionar suas atitudes e crenças, podendo, até mesmo, abalar o relacionamento.

Felizmente, com os avanços tecnológicos e a medicina cada dia mais preparada, as mulheres que não conseguem engravidar podem recorrer a tratamentos e a profissionais que as auxiliem a realizar o sonho de ser mãe.

Se você está passando por isso, veja algumas dicas que a ajudarão a lidar com o medo de não conseguir engravidar.

1. Não se culpe por não conseguir engravidar

O primeiro passo para superar esse problema e encontrar maneiras de enfrentá-lo é entendendo que não existe culpa. Os pensamentos negativos só farão mal para você e não deixarão que encare o problema em busca de soluções.

Por isso, saiba que, mesmo que você tenha algum problema clínico, ele pode ser resolvido ou contornado com a ajuda da ciência e de médicos especializados.

2. Converse com seu companheiro

Não esconda o que sente. Você tem o direito de se sentir triste, mas lembre-se de que, para superar o problema, precisa encontrar uma maneira de enfrentá-lo. Exponha isso a seu companheiro e tente estreitar a relação de vocês. Ao ter uma conversa aberta, ambos conseguem entender melhor como lidar com essa situação e se apoiar em busca de um tratamento.

3. Pesquise sobre o problema e converse com um especialista

É verdade que estar munida de informações a ajudará a entender melhor o que você está passando, mas, para isso, é preciso que você converse com quem entende do assunto e saberá como auxiliá-la.

Aliás, procurar um médico é o caminho mais adequado para descobrir tudo sobre a sua infertilidade. Por isso, encontre um especialista no assunto e tire todas as suas dúvidas, incluindo aquelas sobre os tratamentos disponíveis e quanto eles podem custar.

4. Encontre pessoas que possam te ajudar

Apoio é essencial! Muitas pessoas procuram grupos de apoio nos quais encontram histórias similares. Normalmente, esses grupos contam com profissionais da área e psicólogos que ajudam a vencer o medo de não conseguir engravidar. Além disso, é comum também conhecer mulheres que superaram esses obstáculos e, hoje, criam seus filhos como sempre imaginaram.

5. Pense em congelar seus óvulos

Nós sabemos que muitas mulheres buscam o sucesso profissional e uma carreira mais sólida para criar seus filhos, e muitas delas têm medo de não conseguir engravidar conforme o tempo passa. Uma maneira de se prevenir é congelando os óvulos, para que a gestação aconteça no momento perfeito para você!

Para saber ainda mais sobre o assunto, leia também quais sintomas podem estar associados à infertilidade feminina. Assim, você procura um médico com mais agilidade e começa seu tratamento com mais rapidez.

Compartilhe:

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco