Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 9979-01109 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

Como é feita a avaliação da fertilidade da mulher?

Como é feita a avaliação da fertilidade da mulher?

Ter filhos é um sonho para muitas pessoas, porém, algumas vezes, esse sonho parece impossível de se realizar devido a um problema biológico que pode impedir ou diminuir as chances da concepção.

Essas dificuldades podem estar relacionadas a problemas no homem, na mulher ou em ambos, gerando grande frustração. No entanto, hoje, a medicina reprodutiva oferece altas taxas de sucesso de gravidez com as técnicas de reprodução assistida.

Consultar-se com um especialista é fundamental. Afinal, ele será capaz de avaliar o caso e analisar a fertilidade do casal. Pensando nisso, neste post, explicaremos como avaliar a fertilidade da mulher. Assim, você tira suas dúvidas e fica sabendo um pouco mais sobre o assunto. Acompanhe!

Testes que avaliam a fertilidade da mulher

Como mencionado, em alguns casos, a infertilidade feminina é a causa de insucesso das tentativas de engravidar. Isso se torna ainda mais evidente se, após um ano de tentativas frequentes, a concepção não ocorrer ou após seis meses, se a mulher tiver mais de 35 anos de idade.

Desse modo, procurar uma clínica especializada é crucial para avaliar a fertilidade da mulher. O médico poderá solicitar uma série de exames e escolher a melhor conduta a ser tomada. A seguir apresentamos cinco desses exames:

1. Ultrassonografia transvaginal

A ultrassonografia transvaginal é um exame tão importante na prática clínica que é, muitas vezes, realizado na primeira consulta. Ele nada mais é que um exame de ultrassom realizado via intravaginal.

A partir dele, é possível identificar fatores que estão impedindo a gravidez, como endometriose, alterações morfológicas do útero, problemas nos ovários e tubas uterinas ou, ainda, a presença de pólipos e miomas no útero.

2. Avaliação hormonal

Devem ser avaliados os hormônios prolactina, tireoestimulante (TSH) e T4. A dosagem de progesterona é feita quando existe a necessidade de comprovar a ovulação. O folículo-estimulante (FSH) e o estradiol são dosados para avaliar a reserva ovariana, mas recentemente o hormônio mais usado para essa análise é o hormônio anti-mülleriano.

3. Histerossalpingografia

histerossalpingografia é o exame de eleição quando a intenção é analisar as tubas uterinas e a cavidade endometrial. É realizada a aplicação de um contraste na região do colo do útero para preencher a cavidade uterina e as tubas uterinas. Em paralelo, realiza-se exame de raio-X, que constatará se houve ou não a passagem do contraste.

4. Videolaparoscopia

videolaparoscopia é, além de um exame, uma cirurgia minimamente invasiva, em que se utiliza uma câmera para avaliar a existência de endometriose, cistos, miomas e outros problemas que podem estar impedindo a gravidez.

O médico realiza uma pequena incisão próxima ao umbigo e insere a câmera para visualizar em tempo real as estruturas da pelve. É possível enxergar tudo em alta resolução, aproximar-se de órgãos específicos e, consequentemente, ter maior precisão no diagnóstico.

Esperamos que este post sobre exames para avaliar a fertilidade da mulher seja útil para você. Caso esteja enfrentando problemas para engravidar, procure a Clínica Origen. Estamos aptos a diagnosticar possíveis problemas e propor o melhor tratamento para realizar o seu grande sonho!

Compartilhe:

Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco

Comunicado

SARS Cov-2 (COVID 19): vacinas, reprodução assistida e grávidas
• Posição atual conjunta •

03 de fevereiro de 2021

Grandes avanços dos estudos colaborativos incluem hoje pelo menos 85 vacinas pré-clínicas em investigação ativa em animais, 65 em ensaios clínicos em humanos, com 20 vacinas que chegaram aos estágios finais de testagem, sendo 12 já em uso em diferentes países/situações. As principais vacinas disponíveis estão constituidas por partículas de RNA mensageiro (Pfizer-Biontech e Moderna), vírus inativado (CoronaVac,Sinopharma e Covaxin, Bharat Biotech), com adenovirus (Oxford-AstraZeneca, Johnson&Johnson e Sputnik V, Gamaleya).

A pandemia segue, e neste momento a discussão se centraliza no uso das vacinas disponíveis e as pacientes submetidas às técnicas de reprodução assistida, grávidas e populações de risco entre as grávidas.

Nossas sociedades, avaliando também as diretrizes emitidas por sociedades mundiais como a ESHRE, a ASRM, a IFFS e a ACOG (SOGC), consideram que dentro da disponibilidade possível:

1) A vacinação tem efetividade e não induz a risco aumentado de contrair a infecção por Covid 19. Embora ainda não hajam estudos humanos de longo prazo sobre a vacinação contra Covid-19 e gravidez, nenhuma das vacinas contém vírus Sars Cov-2 vivo.

2) Para indivíduos vulneráveis,que apresentam alto risco de infecção e / ou morbidade por COVID-19, dentre os quais estão as grávidas, não receber a vacina supera o risco de ser vacinado, previamente ou durante a gravidez. Inclui-se ainda neste grupo os profissionais de saúde e aqueles outros, de linha de frente, com maior risco de exposição.

3) Não há razão para atrasar as tentativas de gravidez ou tratamentos de reprodução assistida quando de vacina não disponível ou se pacientes fora de grupos de risco.

4) Decisões da utilização (ou não) das vacinas devem ser compartilhadas entre pacientes e médicos, respeitando-se os princípios éticos de autonomia, beneficência e não maleficência.

5) Esta informação sobre vacinas deve ser incluidas como um termo específico em um consentimento informado já existente. Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA

6) Seguirão atualizações, a cada momento que novos conhecimentos solidifiquem os dados atuais.

  • REDLARA - Red Latinoamericana de Reproducción Asistida
  • SBRA - Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida
  • SAMeR - Sociedad Argentina de Medicina Reproductiva
  • AMMR - Asociación Mexicana de Medicina de la Reproducción
  • PRONÚCLEO - Associação Brasileira de Embriologistas em Medicina Reprodutiva
  • SAEC - Sociedad Argentina de Embriología Clínica
  • SOCMER - Sociedad Chilena de Medicina Reproductiva
  • ACCER - Asociación de Centros Colombianos de Reproducción Humana
  • SURH - Sociedad Uruguaya de Reproducción Humana
  • AVEMERE - Asociación Venezolana de Medicina Reproductiva y Embriología

Referências
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x