Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 9979-01109 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

Endometriose: quando é indicada a reprodução assistida para a tentante?

Endometriose: quando é indicada a reprodução assistida para a tentante?

Considerada um dos principais fatores de infertilidade feminina, a endometriose é uma doença caracterizada presença de um tecido semelhante ao endométrio fora do útero, em locais como os ovários, as tubas uterinas, os ligamentos que o sustentam, bexiga e intestino, por exemplo.

Durante a idade reprodutiva a prevalência pode ser de até 10%. Porém, embora possa afetar a capacidade reprodutiva desde os estágios iniciais, nos mais avançados há maior probabilidade de isso acontecer.

Complexa, crônica e inflamatória, a endometriose tem um desenvolvimento lento, o que muitas vezes, inclusive, dificulta o diagnóstico precoce. A suspeita da doença surge a partir da manifestação de sintomas, alguns de maior gravidade, que comprometem a qualidade de vida das mulheres portadoras.

Apesar da cronicidade, entretanto, tem tratamento em boa parte dos casos, possibilitando do controle dos sintomas à obtenção da gravidez. Continue a leitura, conheça mais sobre a endometriose e saiba quando a reprodução assistida é indicada para as mulheres que estão tentando engravidar.

O que é endometriose?

O endométrio é a camada que reveste internamente útero. É formado por tecido epitelial vascularizado e a cada mês estimulado pelos hormônios sexuais femininos estrogênio e progesterona aumenta sua espessura para receber o embrião: nele o embrião implanta, é abrigado e nutrido até a placenta ser formada. O processo é conhecido como nidação. Se a gravidez não ocorrer, o endométrio descama, o que é chamado de menstruação e o início de um novo ciclo.

Quando um tecido semelhante ao endométrio é encontrado fora da cavidade uterina, em locais ectópicos, chamamos de endometriose. A teoria mais aceita atualmente para explicar esse crescimento anormal é a menstruação retrógada. Ela sugere que fragmentos de células do endométrio normalmente eliminados pela menstruação, retornam pelas tubas uterinas e se implantam em outras regiões.

A fertilidade pode ser afetada nos casos em que implantam nos ovários, tubas uterinas, colo uterino e ligamentos que sustentam o útero.

São critérios como o local de implantação, a quantidade e a profundidade de lesões, o comprometimento dos órgãos e o número de endometriomas, um tipo de cisto preenchido por líquido achocolatado característico da doença, que definem a classificação da endometriose.

Ela é classificada em quatro estágios de desenvolvimento e morfologicamente em três subtipos:

Quando a endometriose oferece mais risco de infertilidade?

A fertilidade pode ser afetada ainda no início da doença, embora isso nem sempre aconteça com todas as mulheres portadoras. Nos estágios iniciais o tecido ectópico produz citocinas pró-inflamatórias, chamadas prostaglandinas, e o processo inflamatório também pode causar dor.

Algumas vezes, pode levar à formação de aderências na anatomia pélvica, modificando as relações entre os órgãos pélvicos, impedindo a captação dos óvulos pelas tubas uterinas.

Quando a reprodução assistida é indicada para as mulheres com endometriose que estão tentando engravidar?

A reprodução assistida é indicada para as tentantes com endometriose em diferentes estágios. Nos iniciais, por exemplo, o tratamento pode ser realizado pelas técnicas de baixa complexidade, relação sexual programada (RSP) e inseminação artificial (IA). Nelas a fecundação acontece naturalmente, nas tubas uterinas, por isso elas deverão estar saudáveis.

Se houver problemas de obstruções, por outro lado, causados pela presença de aderências comuns a endometriose em estágios mais avançados, ou de endometriomas, o tratamento mais adequado é a fertilização in vitro (FIV).

Na FIV a fecundação acontece em laboratório e os embriões formados são posteriormente transferidos para o útero. As tubas uterinas, portanto, não possuem nenhum tipo de função no processo.

Todas elas aumentam as chances de gravidez quando a infertilidade é causada por endometriose e esse é o único fator. Nas técnicas de baixa complexidade, como a fecundação acontece naturalmente são semelhantes à da gestação espontânea: entre 15% e 20% a cada ciclo.

Enquanto na FIV, como há maior controle de todo o processo – da fecundação à transferência do embrião – os percentuais são mais expressivos, em média 40% por ciclo de tratamento.

Gostou do texto, mas quer saber mais sobre endometriose? Toque aqui e conheça o nosso especial sobre o assunto.

Compartilhe:

Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x