Comunicado

Nota conjunta com atualização de posicionamento sobre a COVID-19 e os tratamentos de reprodução assistida

Informações complementares à nota emitida em 21 de março de 2020

A Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA e a Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA, acompanhando as demais sociedades mundiais e face à presença da pandemia de Covid-19, emitiram comunicado em 17 e 21 de março de 2020. Globalmente, e na América Latina não foi diferente, ciclos iniciados foram completados, decisões de congelamento tomadas, transferências discutidas e, na maioria das vezes, postergadas. Desde o início, entendemos que poderiam haver situações a serem individualizadas, como os casos oncológicos, em que pacientes necessitariam com urgência da preservação de seus gametas previamente a procedimentos cirúrgicos ou eventual quimioterapia que pudesse afetar sua fertilidade futura. Ao mesmo tempo, havia outros casos susceptíveis de individualização.

Passados 30 dias, com novos dados sobre a Covid-19, reconhecendo novos cenários para diferentes países, regiões ou cidades, além da realidade de um período claro de extensão da pandemia, que a infertilidade é definida pela OMS como doença, assim como a própria OMS define o direito de autonomia dos pacientes e:

CONSIDERANDO que, sob a luz de novas evidências científicas, este posicionamento deverá seguir sendo atualizado em momentos sucessivos;

CONSIDERANDO que, segundo a literatura médica, não se identificou até o momento a presença de vírus nos gametas e tratos genitais masculino ou feminino;

CONSIDERANDO que, até o momento, não há evidências a respeito das repercussões do Covid-19 sobre a gestação inicial;

CONSIDERANDO a preocupação com relação às evidências científicas emergentes quanto à possibilidade de transmissão vertical – isto é, da mãe para o bebê;

CONSIDERANDO que os serviços de reprodução assistida devam seguir as recomendações governamentais, respeitando as particularidades locais;

CONSIDERANDO a observação das medidas de distanciamento social, com cuidados na preservação dos pacientes e equipes, quando da assistência;

CONSIDERANDO as condutas para mitigar a sobrecarga do sistema de saúde local;

CONSIDERANDO que o adiamento dos tratamentos de reprodução assistida abrange determinados casos extremamente sensíveis ao tempo e, portanto, inadiáveis, com risco de condenar pessoas a uma infertilidade irreversível – ou seja, esterilidade; e

CONSIDERANDO o respeito à autonomia do paciente,

RECOMENDAM que ciclos de reprodução assistida possam ser realizados sob juízo do profissional assistente, em decisão compartilhada com os usuários do serviço, de forma personalizada, fundamentados e bem documentados, com precaução e bom-senso, evitando-se transferências embrionárias neste momento.

Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA
Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA


Referências
Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 99650-0786 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

Espermograma: o que avalia e quais os parâmetros

Espermograma: o que avalia e quais os parâmetros

O sêmen ou esperma é o fluido orgânico masculino que tem como objetivo abrigar e transportar os espermatozoides até as tubas uterinas para fecundar o óvulo.

Os espermatozoides são produzidos nos túbulos seminíferos, localizados nos testículos, as glândulas sexuais masculinas. Depois de produzidos, são armazenados nos epidídimos, ductos que os armazenam e nutrem até se tornarem maduros e com maior motilidade, quando são transportados pelos dutos deferentes para serem posteriormente ejaculados.

Durante a jornada são incorporados ao fluido seminal produzido pelas vesículas seminais e pela próstata para formar o sêmen. A vesícula seminal é responsável pela produção de cerca de 70% do plasma seminal, que contém aminoácidos, enzimas e principalmente frutose, importante para nutrição dos espermatozoides. A próstata reponde pelos outros 30% com sustâncias que neutralizam o ambiente ácido do canal vaginal.

O sêmen é uma substância cremosa, espumosa, esbranquiçada e opalina. É bastante espesso na ejaculação, mas dilui ou liquefaz em pouco tempo fora do organismo. Os espermatozoides são compostos por cabeça, pescoço e cauda com flagelo.

A cabeça contém o material genético a ser incorporado no óvulo após a fecundação, enquanto o flagelo é responsável pela motilidade, ou seja, pela capacidade de movimento.

O espermograma é o exame solicitado para avaliar as características do sêmen. Saiba como ele funciona e os parâmetros que ele avalia neste texto, que destaca, ao mesmo tempo, as indicações e resultados diagnósticos.

O que é o espermograma e qual a sua importância para análise da fertilidade masculina?

O espermograma, ou análise seminal como o exame também é conhecido, possibilita a avaliação da qualidade seminal e dos espermatozoides, indicando, assim, possíveis alterações que podem justificar a infertilidade.

A qualidade seminal, assim como o processo de produção e saúde dos gametas masculinos podem ser afetadas por diferentes condições. Entre elas, processos inflamatórios do sistema reprodutor masculino: orquite, epididimite e prostatite, que geralmente surgem como consequência de infecções por bactérias.

Danos secundários ao processo inflamatório podem ainda estimular uma reação autoimune, levando à formação de anticorpos antiespermatozoides: eles combatem erroneamente os espermatozoides, resultando em diminuição da quantidade e qualidade.

O espermograma indica, ao mesmo tempo, a presença de glóbulos brancos, que sinalizam para possibilidade de processos inflamatórios.

Os processos inflamatórios estão entre os fatores que provocam azoospermia, condição em que os espermatozoides não estão presentes no sêmen, considerada a causa mais comum de infertilidade masculina.

Quando o espermograma é indicado?

Os espermograma é particularmente indicado nas seguintes situações:

O que o espermograma avalia?

O espermograma avalia parâmetros como volume do sêmen, que indica a quantidade de líquido seminal produzido, pH e viscosidade, por exemplo, concentração dos gametas masculinos, apontando o número de espermatozoides presente nas amostras coletadas, além de demonstrar percentualmente os que possuem motilidade espermática (mostram sinais de movimento), morfologia (que possuem uma estrutura celular normal).

Geralmente são solicitadas duas amostras com intervalo de dois meses, pois a contagem de espermatozoides sofre uma oscilação constante.

Os principais critérios analisados são:

Análise seminal ou macroscópica

Análise dos espermatozoides ou microscópica

Quando há problemas, o espermograma pode indicar os seguintes resultados:

Quais os parâmetros considerados adequados?

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), os parâmetros considerados normais para um homem conseguir engravidar a sua parceira são:

Parâmetros seminais

Parâmetros dos espermatozoides

O espermograma normal, apresenta o resultado de ‘normospermia’.

O que fazer quando os parâmetros não são normais?

Se os parâmetros não estiverem normais, o especialista pode solicitar outros exames complementares para indicar a causa que levou ao problema. Em boa parte dos casos, a infertilidade masculina tem tratamento e a capacidade de reprodução é restaurada.

Quando isso não acontece, duas técnicas de reprodução assistida são indicadas para aumentar as chances de gravidez:

A inseminação artificial (IA), também chamada inseminação intrauterina (IIU), que possibilita o tratamento quando há pequenas alterações na morfologia e motilidade dos gametas. E a fertilização in vitro com ICSI (injeção intracitoplasmática de espermatozoides), indicada quando os problemas são mais graves.

Na IA, os melhores espermatozoides são selecionados por diferentes métodos de preparo seminal, inseridos em um cateter e depositar no útero da parceira durante o período fértil.

A FIV com ICSI, por outro lado, além da seleção pelo preparo seminal, quando o diagnóstico é de azoospermia, eles podem ser recuperados do epidídimo ou dos testículos por diferentes abordagens cirúrgicas.

Durante o processo de injeção (ICSI), que ocorre em laboratório, cada espermatozoide é avaliado por um microscópio potente. Apenas após ter a saúde confirmada, é injetado diretamente no citoplasma do óvulo, aumentando, dessa forma, as chances de a fecundação ocorrer.

Os percentuais de gravidez proporcionados pela técnica são bastante expressivos: cerca de 50% a cada ciclo de realização do tratamento, para mulheres com até 36 anos.

Quer saber mais sobre o espermograma? Leia o nosso conteúdo institucional tocando aqui.

Compartilhe:

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco