Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 9979-01109 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

O que é gravidez ectópica e o que fazer?

O que é gravidez ectópica e o que fazer?

A gravidez ectópica é uma condição de risco para a mulher, pois é uma gestação sem possibilidades de evolução e pode causar complicações, como hemorragia interna. Esse tipo de gestação pode ocorrer devido à alguma patologia, como endometriose ou doença infamatória pélvica (DIP), entre outras causas.

O termo “ectópico” refere-se ao que está fora do lugar, em posição anormal. Em ginecologia, esse termo é empregado para designar aquilo que se desenvolve fora do útero. Portanto, isso vale para a gravidez ectópica, que normalmente acontece na tuba uterina, e para o tecido endometrial ectópico — mucosa que reveste a parede do útero, mas que, nos casos de endometriose, também cresce em outros órgãos pélvicos.

Neste texto, vamos explicar o que é gravidez ectópica e quais são as condutas indicadas diante desse diagnóstico. Acompanhe!

O que é gravidez ectópica?

Gravidez ectópica, como adiantamos logo nas primeiras linhas deste post, é a gestação que ocorre fora do útero. Na grande maioria dos casos, a implantação do embrião acontece nas tubas uterinas, sendo também conhecida como gravidez tubária. Em raras situações, a gestação pode iniciar dentro da cavidade abdominal, no colo do útero ou no ovário.

O embrião se forma a partir do processo de fertilização — união do espermatozoide com o óvulo — que acontece nas tubas uterinas. As tubas, ou trompas, são dois tubos alongados que fazem a ligação entre os ovários e o útero.

Assim, um dos ovários libera o óvulo, que é fertilizado no interior da tuba adjacente e, depois, já em fase de desenvolvimento embrionário, se desloca até chegar ao útero, onde a gravidez deve acontecer.

Se houver algum problema tubário, como obstrução, dilatação ou estreitamento, o embrião não consegue progredir até a cavidade uterina e se implanta na própria tuba. A gravidez ectópica até evolui por algumas semanas, mas como não há fornecimento adequado de sangue, oxigênio e nutrientes — assim como não há espaço para o bebê crescer — o feto não sobrevive.

A ruptura do saco gestacional geralmente ocorre entre a 6ª e a 16ª semanas de gravidez ectópica. Nessa ocasião, a mulher pode sentir dor forte e constante no baixo abdômen, além de sangramento vaginal. Quanto mais tempo a gestação evolui fora do útero, maior é o risco de ruptura com perda sanguínea abundante. Contudo, se o problema for diagnosticado de forma precoce, é possível fazer o tratamento para interromper a gravidez e evitar complicações.

Os fatores de risco para a gestação ectópica incluem:

O que fazer diante do diagnóstico de gravidez ectópica?

A gravidez ectópica nem sempre é sintomática. Algumas mulheres nem desconfiam que possam estar grávidas. Assim, a avaliação médica é recomendada diante de qualquer alteração — como dor na parte inferior do abdômen ou sangramento vaginal irregular.

O diagnóstico da gravidez ectópica é feito a partir de uma análise de sangue para identificar os níveis do hormônio hCG, produzido somente pelas estruturas embrionárias. O exame de ultrassonografia transvaginal também é necessário para verificar se a cavidade do útero está vazia e o embrião está em uma das tubas ou ainda em outro local.

A conduta terapêutica depende do estágio da gravidez ectópica e pode envolver uso de medicamentos ou cirurgia. O tratamento medicamentoso fica indicado aos casos menos graves, cujo quadro clínico é estável e os níveis de beta hCG são inferiores a 6500 mUI/ml.

A terapia é feita com metotrexato, um fármaco que faz a gravidez ectópica involuir e findar sem riscos de ruptura tubária. A intervenção cirúrgica é necessária principalmente em casos de diagnósticos tardios.

O procedimento é feito por videolaparoscopia (minimamente invasiva) ou laparotomia (cirurgia abdominal aberta). Se houver ruptura e danificação da tuba, também pode ser preciso realizar uma salpingectomia (operação para remoção da tuba uterina) no mesmo momento da intervenção.

Gravidez ectópica e reprodução assistida: qual é a relação?

Mulheres que têm intenção de engravidar, mas têm histórico de gravidez ectópica, devem buscar acompanhamento especializado para avaliar as condições das tubas uterinas e da fertilidade em geral. Isso porque esse tipo de complicação pode ser resultante de doenças ginecológicas que causam infertilidade feminina, como endometriose e infecções genitais.

Na reprodução assistida, a técnica indicada para os casos de infertilidade por fator tubário é a fertilização in vitro (FIV). Nesse contexto, a paciente passa por estimulação ovariana para obter mais óvulos maduros, os gametas femininos e masculinos são coletados e preparados em laboratório e a fertilização acontece fora do corpo feminino, em placas de cultura.

Após cerca de 2 a 5 dias de cultivo embrionário, os embriões são transferidos para o útero da paciente, sem precisarem migrar pelas tubas. Com a FIV, aumentamos as chances de fertilização e gravidez.

Leia também nosso texto institucional que explica em detalhes como a fertilização in vitro é realizada!

Compartilhe:

Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x