Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 9979-01109 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

O que é trombofilia?

O que é trombofilia?

A mulher que deseja ter filhos precisa entender diversas condições que possam facilitar ou dificultar sua gestação. Período fértil, patologias, problemas fisiológicos e predisposições a determinadas doenças são fatores cruciais para determinar as chances de gravidez. A trombofilia é uma delas.

Pesquisas foram realizadas para identificar uma possível associação da trombofilia com falhas de implantação em FIV (fertilização in vitro). No entanto, essas pesquisas não obtiveram êxito, portanto ainda não há comprovação científica dessa relação.

Neste post, vamos abordar diversos aspectos da trombofilia. Confira!

Trombofilia

Trombofilia não é uma patologia, e sim uma predisposição a desenvolver trombose — formação de um trombo (coágulo) numa veia, que atrapalha a circulação sanguínea e causa edemas e dores na região.

O corpo humano tem de 5 a 6 litros de sangue em circulação contínua. Todo ele é bombeado pelo coração e passa pelas artérias para levar oxigênio às células de todo o organismo. Depois, ele retorna pelas veias até os pulmões, quando é oxigenado, e volta ao coração para ser impulsionado de novo a todo o corpo.

Quando um indivíduo se corta e tem sangramentos, o sistema de coagulação cria um trombo para cessar essa hemorragia. Quando o sangue para de sair do corpo, esse trombo é dissolvido, o vaso rompido se recanaliza e a circulação volta ao normal.

Mas, na trombose, o sangue forma um coágulo em um local que não apresentava sangramento. Esse se prende a uma veia ou artéria e impede o sangue de fazer esse fluxo.

O problema é que a patologia pode causar desde problemas mais simples, como edemas, até feridas e patologias mais graves. Na embolia pulmonar, por exemplo, um dos resíduos do trombo se solta, segue a circulação venosa, chega aos pulmões e causa entupimento, gerando complicações graves e até morte súbita.

A trombose se divide em duas formas:

O que pode causar esse problema?

A trombofilia pode ser hereditária ou adquirida, ou seja, uma consequência de hábitos do cotidiano. Primeiro, é essencial saber se há histórico familiar da patologia. Além disso, você precisa conhecer o que pode causar a trombofilia:

A trombose causada pela síndrome do anticorpo antifosfolipídeo (patologia em que o sistema imunológico ataca proteínas do sangue) é a mais comum e é mais perigosa que a hereditária. Porém, a trombose venosa profunda, tipo mais perigoso, é causada pela imobilidade prolongada, que pode ser tanto por repouso quanto por viagens muito longas.

No fim das contas, o que mais pesa é o histórico de saúde da mulher. Se ela já teve um caso de trombose, a probabilidade de ter durante a gestação é maior do que a daquela que ainda não teve, mesmo que ela tenha obesidade ou histórico familiar.

Quais são os sintomas?

Por ser uma predisposição, a trombofilia só vai demonstrar sintomas quando já tiver se convertido em problema — ou seja, na trombose. Se você já tem histórico familiar ou planeja engravidar, preste atenção nos seguintes sinais:

Ao perceber alguns desses sintomas, é importante consultar um médico. O diagnóstico de trombose deve ser feito o quanto antes.

A trombofilia é diagnosticada pelo médico hematologista. Quando a paciente relata antecedentes de aborto e histórico familiar de trombose, ele solicita exames para confirmar essa predisposição.

Por que a mulher com trombofilia precisa de acompanhamento durante a gestação?

Ter trombofilia não significa que a mulher vai sofrer de trombose, que nunca vai engravidar ou que perderá o feto, mas o quadro pode levar a complicações durante a gravidez e até a episódios de abortos. Isso ocorre porque os coágulos formados pela trombose podem impedir que o sangue chegue até a placenta.

Além disso, a gravidez promove a hipercoagulação, com o objetivo de preparar o corpo para o parto e o puerpério. Essa condição deixa o sangue mais espesso, o que pode ser pior para quem já tem predisposição à formação de trombos.

A trombose atrapalha a circulação, que pode levar à redução do crescimento do feto, deslocamento da placenta, pré-eclâmpsia (hipertensão arterial específica da gravidez) e óbito fetal.

Portanto, mulheres com histórico da patologia (tanto nelas quanto na família) estão no grupo de risco de aborto espontâneo. Quando a trombofilia é diagnosticada, o médico receita medicamentos que regulam a coagulação sanguínea, evitando a formação de trombos.

Encontrou informações importantes no texto? Compartilhe-o nas redes sociais para que mais pessoas compreendam o que é trombofilia.

Compartilhe:

Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco

Comunicado

SARS Cov-2 (COVID 19): vacinas, reprodução assistida e grávidas
• Posição atual conjunta •

03 de fevereiro de 2021

Grandes avanços dos estudos colaborativos incluem hoje pelo menos 85 vacinas pré-clínicas em investigação ativa em animais, 65 em ensaios clínicos em humanos, com 20 vacinas que chegaram aos estágios finais de testagem, sendo 12 já em uso em diferentes países/situações. As principais vacinas disponíveis estão constituidas por partículas de RNA mensageiro (Pfizer-Biontech e Moderna), vírus inativado (CoronaVac,Sinopharma e Covaxin, Bharat Biotech), com adenovirus (Oxford-AstraZeneca, Johnson&Johnson e Sputnik V, Gamaleya).

A pandemia segue, e neste momento a discussão se centraliza no uso das vacinas disponíveis e as pacientes submetidas às técnicas de reprodução assistida, grávidas e populações de risco entre as grávidas.

Nossas sociedades, avaliando também as diretrizes emitidas por sociedades mundiais como a ESHRE, a ASRM, a IFFS e a ACOG (SOGC), consideram que dentro da disponibilidade possível:

1) A vacinação tem efetividade e não induz a risco aumentado de contrair a infecção por Covid 19. Embora ainda não hajam estudos humanos de longo prazo sobre a vacinação contra Covid-19 e gravidez, nenhuma das vacinas contém vírus Sars Cov-2 vivo.

2) Para indivíduos vulneráveis,que apresentam alto risco de infecção e / ou morbidade por COVID-19, dentre os quais estão as grávidas, não receber a vacina supera o risco de ser vacinado, previamente ou durante a gravidez. Inclui-se ainda neste grupo os profissionais de saúde e aqueles outros, de linha de frente, com maior risco de exposição.

3) Não há razão para atrasar as tentativas de gravidez ou tratamentos de reprodução assistida quando de vacina não disponível ou se pacientes fora de grupos de risco.

4) Decisões da utilização (ou não) das vacinas devem ser compartilhadas entre pacientes e médicos, respeitando-se os princípios éticos de autonomia, beneficência e não maleficência.

5) Esta informação sobre vacinas deve ser incluidas como um termo específico em um consentimento informado já existente. Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA

6) Seguirão atualizações, a cada momento que novos conhecimentos solidifiquem os dados atuais.

  • REDLARA - Red Latinoamericana de Reproducción Asistida
  • SBRA - Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida
  • SAMeR - Sociedad Argentina de Medicina Reproductiva
  • AMMR - Asociación Mexicana de Medicina de la Reproducción
  • PRONÚCLEO - Associação Brasileira de Embriologistas em Medicina Reprodutiva
  • SAEC - Sociedad Argentina de Embriología Clínica
  • SOCMER - Sociedad Chilena de Medicina Reproductiva
  • ACCER - Asociación de Centros Colombianos de Reproducción Humana
  • SURH - Sociedad Uruguaya de Reproducción Humana
  • AVEMERE - Asociación Venezolana de Medicina Reproductiva y Embriología

Referências
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x