Comunicado

Nota atualizada em 21 de março de 2020

O COVID-19 foi declarado pandemia pela OMS quando os casos confirmados se aproximaram de 200 mil, com o que se imaginou óbitos acima de 8 mil em pelo menos 160 países₁. Estávamos preparados para tal evento?₂ Com certeza, a resposta é não. Nas nossas diferentes atividades, ninguém imaginou tudo o que viria, e com tal rapidez. Acompanhando a escalada da pandemia do COVID-19 no mundo, os cenários do Brasil ou de nossa região latino-americana evoluem rapidamente. Os diferentes governos estão se concentrando no isolamento, no “ficar em casa”, na redução drástica da mobilidade no sentido de mitigar os danos₃. Devemos acatar e estimular esta adesão.

Desta forma, acompanhando as normas estratégicas das equipes de planejamento de saúde pública no território brasileiro, que está sendo compartilhado por toda a América Latina, para nós profissionais da Reprodução Assistida, entendemos todos que é hora de parar: ciclos em andamento serão finalizados, com controles estritos dos pacientes e equipes envolvidas; casos de transferência embrionária a serem finalizados serão avaliados individualmente. Com a exceção de casos oncológicos e outros em que o adiamento possa causar mais dano ao paciente, não serão iniciados novos procedimentos. Nessas eventualidades, a decisão deverá ser compartilhada e sob rigorosa individualização.

Sugerimos a todos manter um contato remoto com os pacientes, informando, amparando, protegendo, limitando no possível os danos psicológicos. No Brasil, estamos autorizados a realizar consultas a distância, por Telemedicina, estabelecemos uma ampla rede de contatos entre os profissionais dos centros, via WhatsApp, agilizando detalhes e unificando as tomadas de decisões, dividindo as incertezas. Este cenário de troca de informações imediatas pode ser replicado pelos diversos países vizinhos. O modelo mostra-se muito bom, inclusive para ordenar ações comunitárias e beneficentes em torno de apoio aos hospitais e equipes de trabalho nas emergências.

Nestes tempos difíceis, todo o cuidado: com nossos pacientes, com nossas equipes, com nossas famílias e com todos os nossos concidadãos. Há uma luz no fim deste túnel: a China demonstrou que a epidemia pode ser desacelerada com a aplicação de medidas drásticas e mostra, pelo 2º dia consecutivo, nenhum registro de casos novos locais, alguns ainda importado de pessoas chegando ao país.

Como foi publicado nesta sexta, 20, no grupo “SBRA – em tempos de COVID-19”, vamos entender e fazer a nossa parte, seguindo os preceitos de Ibn Sina (980-1037), ou Avicena, médico e filósofo persa, pai da medicina moderna. Ele nos legou, entre outras coisas, que “a imaginação é a metade da doença; a tranquilidade é a metade do remédio e a paciência é o começo da cura”.

Vai passar! Cuidem-se todos.

Referências
Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 99650-0786 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015
App StoreGoogle Play

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

Pólipos endometriais: o que são?

Pólipos endometriais: o que são?

O útero é um dos principais órgãos do sistema reprodutor feminino e desempenha papéis fundamentais no ciclo menstrual e na gravidez. É o local onde ocorre a implantação embrionária e que contém o feto durante toda a gravidez até o parto. Por isso, doenças como os pólipos endometriais podem influenciar negativamente a capacidade reprodutiva da mulher.

O corpo uterino é formado por três camadas: o miométrio (camada de músculos), a serosa (camada mais externa, de tecido conjuntivo) e o endométrio (membrana mucosa interna, que reveste a parede uterina) — onde ocorre a implantação embrionária e o desenvolvimento do feto durante a gravidez.

É nessa última camada, como a nomenclatura sugere, que pólipos endometriais podem crescer e, naturalmente, criar dificuldades gestacionais e outros problemas.

Neste texto explicamos mais sobre o endométrio, o conceito de pólipos endometriais, de que maneira podem ser tratados e outras informações importantes. Se você foi diagnosticada com o problema ou sofre com dificuldades para engravidar, continue a leitura e descubra se este pode ser o motivo.

O que é o endométrio?

O endométrio é a camada interna que reveste a parede do útero, formada por vasos sanguíneos, glândulas e tecidos que suportam o desenvolvimento da gravidez.

Durante o ciclo menstrual, o endométrio passa por diversas modificações, ocasionadas pelos hormônios estrogênio e progesterona, que aumentam sua espessura como forma de preparar a mulher para uma possível gravidez. Caso a concepção não aconteça, o volume em excesso se descama e é expelido pelo organismo, dando origem à menstruação.

O endométrio, portanto, permite o fenômeno da nidação (implantação embrionária na parede uterina) e a formação da placenta, que alimenta o feto com nutrientes, oxigênio, anticorpos e outros elementos.

Por motivos como esses, o endométrio é fundamental para a concepção, o desenvolvimento do bebê e, naturalmente, para uma gravidez de sucesso, o que exige boas condições de saúde.

O que são pólipos endometriais?

Os pólipos endometriais são estruturas que se formam, provavelmente por estímulo do estrogênio e, talvez, influenciadas por fatores genéticos, devido ao crescimento da quantidade de células dos estromas e glândulas do endométrio, que podem ocupar parte da cavidade uterina e, assim, criar desafios para a fertilidade feminina, dependendo de sua localização, quantidade e tamanhos.

Em geral, medem de 0,5 a 3,0 cm e podem ser únicos ou múltiplas formações que, na maioria dos casos, são benignas.

O risco de malignização existe, mas a chance é maior no período pós-menopáusico — o que não é surpreendente, já que a doença costuma acometer mulheres entre 40 a 50 anos —, e na existência de pólipos endometriais considerados grandes.

No entanto, um câncer endometrial pode se desenvolver devido a outros problemas, o que independe da existência de pólipos.

Acredita-se que cerca de 25% da população geral manifeste a doença, mas como muitos casos são assintomáticos e as mulheres desconhecem o problema até que, por acaso, o descubra, esse percentual pode ser mais expressivo, especialmente quando há sinais.

Nos casos com sintomas, a mulher pode apresentar sinais como sangramento irregular, aumento do fluxo menstrual, dor e dificuldade para engravidar, hipóteses em que deve consultar seu ginecologista para investigar a existência de pólipos endometriais.

Quais tratamentos são indicados para os pólipos endometriais?

A maioria dos casos de pólipos endometriais, como dito, são assintomáticos e descobertos por exame clínico ou ultrassonográfico. No entanto, especialmente quando a mulher apresenta os sintomas anteriormente citados, o médico pode exigir outros exames de imagem como a histerossalpingografia (um tipo de raio-X com contraste) e, principalmente, a histeroscopia (procedimento realizado com auxílio de uma câmera, que permite a visualização interna do órgão) com biópsia.

O melhor tratamento depende de cada caso, isto é, sintomas, desconfortos e objetivo da mulher. Se a paciente tem planos de ter filhos, por exemplo, sugere-se que os pólipos endometriais sejam totalmente removidos. No entanto, se houver risco de malignização e inexistir o desejo da maternidade, pode-se optar pela histerectomia, isto é, a retirada do útero.

Existe o risco de recidiva após remoção dos pólipos endometriais, mas o resultado costuma ser satisfatório e, assim, influenciar em uma melhoria na capacidade reprodutiva da mulher.

Em pacientes em procedimentos de reprodução assistida como a FIV (fertilização in vitro), se pólipos endometriais forem notados — ou se surgirem durante a estimulação ovariana —, e especialmente após falhas de implantação, é possível congelar óvulos ou embriões, até que o endométrio esteja em condições ideais novamente.

Os pólipos endometriais são estruturas que se formam no tecido da camada que reveste a parede uterina, que desempenha funções muito importantes para o ciclo menstrual e durante a gravidez.

Não se sabe ao certo como surgem, mas suspeita-se de que tenham causas hormonais, além de uma possível influência genética. Em geral, suas formações são pequenas, não apresentam riscos de malignização e são mais comuns em mulheres no período pós-menopáusico.

Este artigo lhe foi útil? Esperamos que tenhamos te ajudado a solucionar algumas dúvidas. Se quiser conferir e compartilhar uma versão resumida, leia nossa página sobre pólipos endometriais.

Compartilhe:

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco