Comunicado

Nota atualizada em 21 de março de 2020

O COVID-19 foi declarado pandemia pela OMS quando os casos confirmados se aproximaram de 200 mil, com o que se imaginou óbitos acima de 8 mil em pelo menos 160 países₁. Estávamos preparados para tal evento?₂ Com certeza, a resposta é não. Nas nossas diferentes atividades, ninguém imaginou tudo o que viria, e com tal rapidez. Acompanhando a escalada da pandemia do COVID-19 no mundo, os cenários do Brasil ou de nossa região latino-americana evoluem rapidamente. Os diferentes governos estão se concentrando no isolamento, no “ficar em casa”, na redução drástica da mobilidade no sentido de mitigar os danos₃. Devemos acatar e estimular esta adesão.

Desta forma, acompanhando as normas estratégicas das equipes de planejamento de saúde pública no território brasileiro, que está sendo compartilhado por toda a América Latina, para nós profissionais da Reprodução Assistida, entendemos todos que é hora de parar: ciclos em andamento serão finalizados, com controles estritos dos pacientes e equipes envolvidas; casos de transferência embrionária a serem finalizados serão avaliados individualmente. Com a exceção de casos oncológicos e outros em que o adiamento possa causar mais dano ao paciente, não serão iniciados novos procedimentos. Nessas eventualidades, a decisão deverá ser compartilhada e sob rigorosa individualização.

Sugerimos a todos manter um contato remoto com os pacientes, informando, amparando, protegendo, limitando no possível os danos psicológicos. No Brasil, estamos autorizados a realizar consultas a distância, por Telemedicina, estabelecemos uma ampla rede de contatos entre os profissionais dos centros, via WhatsApp, agilizando detalhes e unificando as tomadas de decisões, dividindo as incertezas. Este cenário de troca de informações imediatas pode ser replicado pelos diversos países vizinhos. O modelo mostra-se muito bom, inclusive para ordenar ações comunitárias e beneficentes em torno de apoio aos hospitais e equipes de trabalho nas emergências.

Nestes tempos difíceis, todo o cuidado: com nossos pacientes, com nossas equipes, com nossas famílias e com todos os nossos concidadãos. Há uma luz no fim deste túnel: a China demonstrou que a epidemia pode ser desacelerada com a aplicação de medidas drásticas e mostra, pelo 2º dia consecutivo, nenhum registro de casos novos locais, alguns ainda importado de pessoas chegando ao país.

Como foi publicado nesta sexta, 20, no grupo “SBRA – em tempos de COVID-19”, vamos entender e fazer a nossa parte, seguindo os preceitos de Ibn Sina (980-1037), ou Avicena, médico e filósofo persa, pai da medicina moderna. Ele nos legou, entre outras coisas, que “a imaginação é a metade da doença; a tranquilidade é a metade do remédio e a paciência é o começo da cura”.

Vai passar! Cuidem-se todos.

Referências
Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 99650-0786 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015
App StoreGoogle Play

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

TPM ou gravidez: como diferenciar?

TPM ou gravidez: como diferenciar?

Cólicas, dores nos seios, sonolência, variações de humor: você já percebeu que esses e outros sintomas da TPM são muito parecidos com os da gestação? Por isso, pode surgir o questionamento: TPM ou gravidez?

Para muitas mulheres, não é incomum confundir os efeitos da TPM com os da gestação. Então, no texto de hoje, você vai saber por que eles são tão parecidos e como diferenciá-los. Vamos lá?

Quais são os sintomas da TPM e da gravidez?

A grande responsável pela semelhança dos sintomas da tensão pré-menstrual e da gravidez é a progesterona. Esse hormônio é produzido logo depois da ovulação, por isso os sintomas podem aparecer nesse período e confundir a mulher. A seguir, você confere alguns dos sintomas mais comuns na TPM e na gravidez e as causas de cada um.

1. Sangramento

Em geral, durante a TPM, a mulher não tem sangramento, mas, evidentemente, depois desse período, vem a menstruação. Ela ocorre porque o organismo precisa eliminar as células da parede uterina (endométrio) quando não ocorre a fecundação do óvulo.

No entanto, durante a gravidez, também pode ocorrer um leve sangramento cerca de 10 a 14 dias após a menstruação. O sangramento de nidação, como é chamado, é vermelho-escuro e dura apenas alguns dias. Embora pouco comum, é sinal de que o óvulo foi fecundado, já que algumas veias do endométrio podem ser rompidas durante a implantação do embrião no útero.

2. Seios doloridos

Em virtude dos níveis mais elevados de progesterona, a mulher pode sentir dores leves nos seios durante a TPM. A dor pode se tornar mais intensa durante ou após o término do ciclo menstrual.

No início da gravidez, entretanto, os seios também podem ficar doloridos, sensíveis e mais pesados. Essa sensação pode persistir durante a gestação tanto por causa da elevação do nível da progesterona no organismo quanto da produção de leite materno.

3. Náusea

A náusea não é um sintoma frequente da TPM. Algumas mulheres podem sentir algum enjoo durante o ciclo menstrual, mas ele passa com o fim da menstruação.

Nas grávidas, a náusea e o vômito são bastante comuns, e, embora nem toda mulher necessariamente sofra com isso, a “náusea matinal” é um dos sintomas clássicos da gravidez. Ela pode começar logo no primeiro mês de gestação e, ao contrário do que o nome diz, pode aparecer durante todo o dia.

4. Cólicas

Durante a TPM, é muito comum sentir cólicas. Elas podem surgir de 24 a 48 horas antes do primeiro dia do ciclo e acabar só no fim do fluxo menstrual. Contudo, a intensidade da dor varia bastante de acordo com o organismo e o estilo de vida de cada mulher.

Logo no início da gestação, a mulher pode sentir cólicas muito semelhantes às da TPM e da menstruação. Porém, elas ocorrem mais abaixo do estômago ou próximas da lombar. No caso da gravidez, essas dores podem ser mais frequentes e persistirem por várias semanas, até mesmo depois do atraso menstrual.

5. Mudanças de humor

A TPM é conhecida pela intensa variação de humor provocada pelo turbilhão de hormônios característico desse período. Ansiedade, irritação e crises de choro são frequentes, mas passam depois de alguns dias.

Por outro lado, na gravidez, as variações de humor podem persistir do início até o nascimento do bebê. A mulher pode ficar mais emotiva e chorar facilmente, alternando essas crises com momentos de euforia. Tudo isso ocorre também em razão da ação dos hormônios produzidos durante esse período.

Como saber se é TPM ou gravidez?

É sempre importante buscar conhecer o próprio corpo e ficar atenta aos sinais que o organismo dá. Dessa forma, embora os efeitos da TPM e da gravidez sejam muito semelhantes, a mulher pode ter alguma noção de que seu período costuma atrasar quando ela está sob estresse ou se alimentando de forma inadequada, por exemplo.

Mas, se ela já tiver interrompido o uso da pílula e estiver tentando engravidar, é fundamental que consulte um especialista para tirar as dúvidas e para fazer exames a fim de saber se é TPM ou gravidez.

Agora que você já sabe como diferenciar se é TPM ou gravidez, confira também como saber o melhor dia para engravidar.

Compartilhe:

8
Deixe um comentário

4 Comentar tópicos
4 Respostas do Tópico
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Tópico de comentário mais quente
5 Autores de comentários
  Se inscrever  
o mais novo mais antigo mais votado
Notificação de
Tais

Eu parei de tomar o ciclo 21 em março agora estou tendo relação desprotegida direito eu posso estar grávida

Clínica Origen

Tais, obrigado pelo comentário. Não é possível afirmar, mas existe a possibilidade. Se depois de um ano de tentativas desprotegidas a gravidez não acontecer será necessário buscar ajuda de um profissional. Logo a gravidez acontece. 🙂

marisa laurindo

ola! Boa tarde ! Meu nome é Marisa , ainda continuo na duvida .Alguns dias atras comecei a sentir uma dor no pé da barriga ,uma dor fraca achei que eu estava com inffçao urinaria mas nao ,agora o meu bico do peito esta maior e muito dolorido e ainda continuo com a dor na barriga ,pode ser gravidez?

Clínica Origen

Marisa, não é possível afirmar a gestação apenas com seu relato. É necessário um exame de gravidez. A sugestão é que você consulte seu médico. Atenciosamente.

Livia

Bom dia.
A 12 dias estou sentindo sintomas fortíssimo de gravidez.
Enjoos e vômito
Sono,cansaço.
Seios doloridos e queimando.
Dor de cabeça.
Vestígios.
Dor lombar
Cólicas fracas.
Pontadas na vagina
As vezes umas longas.
Saindo corrimento branco e aguado.
E também saindo leite do seio.
E das glândulas na aréola também.
Isso tudo começou nove dias depois da menstruação tive relação no último dia da menstruacao.
Ah! A aréola está escurecendo tbm!
Faltam oito dias para a menstruação descer.

Detalhe…sou operada a dois anos.
Corre algum risco disso tudo ser gravidez?
Ou é algo hormonal?
Que não seja gravidez.
Ou gravidez mesmo?
Colo do útero alto mole e fechado.

Clínica Origen

Livia, obrigado pelo comentário. O corpo feminino é muito complexo, difícil passar uma avaliação apenas com o seu relato, é necessária uma avaliação de perto por um especialista. Atenciosamente.

Maria Joana

Tive relações sexuais sem preservativo e ocorreu ejaculação dentro dia 26/10 e eu estava no período fértil e dia 30/10 também tive relações sexuais sem preservativo e ocorreu ejaculação dentro também e minha menstruação ta prevista pra descer dia 15/11 e hoje estou com os seios inchados e doloridos e eu não uso nenhum tipo de anticoncepcional,pode ser gravidez?

Clínica Origen

Olá, Maria Joana. Se vocês estão tendo relações sexuais sem o uso de nenhum método contraceptivo, é possível sim engravidar. Só que aguarde a data da menstruação e caso não ocorra faça o exame de gravidez. 🙂

Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco