Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 9979-01109 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

Trombofilia: quais são os sintomas?

Trombofilia: quais são os sintomas?

A trombofilia está associada a alguns casos de aborto de repetição, além de poder provocar uma série de complicações durante a gestação. Trata-se de um quadro que favorece o surgimento de coágulos sanguíneos, os quais podem ocasionar a obstrução de veias e artérias.

Quer saber o que é trombofilia, quais os sintomas da doença e por que esse quadro pode levar à infertilidade da mulher? Acompanhe este texto e tenha mais informações sobre o assunto!

O que é trombofilia?

A trombofilia é uma condição caracterizada pela predisposição ao desenvolvimento da trombose que, por sua vez, é definida pela formação de coágulos de sangue ou trombos. Na prática, esse problema pode levar ao entupimento de veias e artérias.

O quadro pode ser hereditário ou adquirido. No primeiro caso, a origem é genética, isto é, a pessoa nasce com propensão para o surgimento de eventos trombóticos. A trombofilia hereditária pode estar associada, entre outras causas, à deficiência dos inibidores da coagulação, como proteína C, proteína S e antitrombina. O risco de manifestar o problema aumenta conforme o avanço da idade e a interação com outros fatores predisponentes.

Já a trombofilia adquirida pode se desenvolver a partir de diferentes condições clínicas, como:

Outra causa da trombofilia adquirida é a síndrome antifosfolipídica (SAF). Segundo estudos, trata-se de uma desordem sistêmica e autoimune que apresenta altos níveis de anticorpos antifosfolípides. A SAF foi, inicialmente, identificada em pacientes com lúpus eritematoso e tem sido, desde então, associada a condições tromboembólicas que afetam diversos órgãos.

Quais os sintomas da trombofilia?

A principal manifestação da trombofilia é a ocorrência de trombose venosa profunda. O problema é mais comum nos membros inferiores do corpo e pode apresentar os seguintes sintomas:

Outros sintomas importantes da trombofilia estão relacionados às complicações obstétricas. Mulheres com esse problema devem acompanhar o quadro e tomar os devidos cuidados, uma vez que as consequências incluem:

Além da trombose venosa profunda e das complicações na gestação, a trombofilia pode levar a outras intercorrências graves, como: embolia pulmonar — marcada por dificuldades na respiração e falta de ar intensa; e acidente vascular cerebral (AVC), que pode ocasionar a perda brusca de movimentos, assim como alterações na visão e na fala. Ambos os quadros podem ser fatais.

Quais as consequências da trombofilia para a fertilidade feminina?

Como vimos nos sintomas da trombofilia, o quadro pode provocar uma série de complicações na gravidez. Uma das principais consequências para a fertilidade feminina são os abortos de repetição, ocasiões que geram frustração às tentantes, além do doloroso sentimento de perda.

A trombofilia pode provocar os abortamentos recorrentes devido à oclusão de vasos do endométrio, que dificulta a fixação embrionária. A formação de coágulos também pode obstruir a passagem do sangue e privar o embrião de nutrientes e de oxigênio, elementos vitais para o seu desenvolvimento.

Alguns fatores podem agravar o risco do surgimento de trombose e merecem atenção, especialmente no caso das mulheres que estão na tentativa de engravidar, como: obesidade, tabagismo e outras drogas.

Como a reprodução assistida atua nos casos de trombofilia?

Na ausência de sintomas da trombose venosa, mulheres portadoras de trombofilia podem não ter conhecimento de sua condição. Dessa forma, a suspeita de que existe algum problema surge somente diante da dificuldade para engravidar ou dos abortos recorrentes.

A avaliação do histórico da paciente e dos fatores de risco associados à trombofilia ajudam a identificar a doença. Para confirmar o quadro, é necessário realizar exames de sangue.

Vários estudos tentaram demonstrar uma associação entre a presença de trombofilias e falha de implantação em ciclos de tratamentos como FIV (fertilização in vitro), entretanto não existe ainda uma confirmação científica dessa associação. Em alguns casos, anticoagulantes são administrados após a transferência embrionária.

Outros cuidados devem ser tomados pela paciente com trombofilia, como: controle de peso, por meio de alimentação saudável e prática de atividades físicas; uso de meias de compressão; abstinência de cigarro; controle de outras condições crônicas, como diabetes e pressão arterial.

Você já tinha conhecimento sobre o que é a trombofilia? Leve informação a outras pessoas que ainda desconhecem a gravidade do problema. Faça isso compartilhando este post em suas redes sociais!

Compartilhe:

Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco

Comunicado

SARS Cov-2 (COVID 19): vacinas, reprodução assistida e grávidas
• Posição atual conjunta •

03 de fevereiro de 2021

Grandes avanços dos estudos colaborativos incluem hoje pelo menos 85 vacinas pré-clínicas em investigação ativa em animais, 65 em ensaios clínicos em humanos, com 20 vacinas que chegaram aos estágios finais de testagem, sendo 12 já em uso em diferentes países/situações. As principais vacinas disponíveis estão constituidas por partículas de RNA mensageiro (Pfizer-Biontech e Moderna), vírus inativado (CoronaVac,Sinopharma e Covaxin, Bharat Biotech), com adenovirus (Oxford-AstraZeneca, Johnson&Johnson e Sputnik V, Gamaleya).

A pandemia segue, e neste momento a discussão se centraliza no uso das vacinas disponíveis e as pacientes submetidas às técnicas de reprodução assistida, grávidas e populações de risco entre as grávidas.

Nossas sociedades, avaliando também as diretrizes emitidas por sociedades mundiais como a ESHRE, a ASRM, a IFFS e a ACOG (SOGC), consideram que dentro da disponibilidade possível:

1) A vacinação tem efetividade e não induz a risco aumentado de contrair a infecção por Covid 19. Embora ainda não hajam estudos humanos de longo prazo sobre a vacinação contra Covid-19 e gravidez, nenhuma das vacinas contém vírus Sars Cov-2 vivo.

2) Para indivíduos vulneráveis,que apresentam alto risco de infecção e / ou morbidade por COVID-19, dentre os quais estão as grávidas, não receber a vacina supera o risco de ser vacinado, previamente ou durante a gravidez. Inclui-se ainda neste grupo os profissionais de saúde e aqueles outros, de linha de frente, com maior risco de exposição.

3) Não há razão para atrasar as tentativas de gravidez ou tratamentos de reprodução assistida quando de vacina não disponível ou se pacientes fora de grupos de risco.

4) Decisões da utilização (ou não) das vacinas devem ser compartilhadas entre pacientes e médicos, respeitando-se os princípios éticos de autonomia, beneficência e não maleficência.

5) Esta informação sobre vacinas deve ser incluidas como um termo específico em um consentimento informado já existente. Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA

6) Seguirão atualizações, a cada momento que novos conhecimentos solidifiquem os dados atuais.

  • REDLARA - Red Latinoamericana de Reproducción Asistida
  • SBRA - Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida
  • SAMeR - Sociedad Argentina de Medicina Reproductiva
  • AMMR - Asociación Mexicana de Medicina de la Reproducción
  • PRONÚCLEO - Associação Brasileira de Embriologistas em Medicina Reprodutiva
  • SAEC - Sociedad Argentina de Embriología Clínica
  • SOCMER - Sociedad Chilena de Medicina Reproductiva
  • ACCER - Asociación de Centros Colombianos de Reproducción Humana
  • SURH - Sociedad Uruguaya de Reproducción Humana
  • AVEMERE - Asociación Venezolana de Medicina Reproductiva y Embriología

Referências
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x