Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 99650-0786 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

Trombofilia: tratamento e reprodução assistida

Trombofilia: tratamento e reprodução assistida

A trombofilia é caracterizada por alterações que aumentam a predisposição para o surgimento de trombose. Pessoas com essa condição desenvolvem trombos — coágulos de sangue — com mais facilidade e, além da trombose venosa profunda (TVP), ainda têm o risco aumentado para embolia pulmonar e acidente vascular cerebral (AVC).

As causas da trombofilia podem ser hereditárias ou adquiridas e levam ao funcionamento anormal do sistema hemostático. Entre os efeitos desse problema está a infertilidade feminina, além das possíveis complicações obstétricas. Portanto, é imprescindível que a tentante faça o devido acompanhamento médico antes e durante a gestação.

Acompanhe este post e entenda por que a trombofilia pode provocar infertilidade e como a reprodução assistida atua no tratamento desse quadro!

Qual é a relação entre trombofilia e infertilidade?

Não são todos os tipos de trombofilia que levam à infertilidade, assim como nem todas as portadoras chegam a apresentar intercorrências durante a gravidez. Contudo, pacientes com essa condição necessitam de atenção especial para evitar riscos maternos e fetais.

O sistema de coagulação sanguínea, em seu funcionamento normal, age de forma a evitar hemorragias, caso ocorra alguma lesão ou rompimento nos vasos. Pessoas com trombofilia apresentam um estado de hipercoagulabilidade, o que aumenta o risco de formação de trombos. Consequentemente, os coágulos podem bloquear ou dificultar a passagem do sangue e causar o entupimento de veias e artérias.

O tipo mais comum de trombose á a TVP, condição que afeta os membros inferiores. Quando não é feito o tratamento da doença, os trombos podem se deslocar pelos vasos e afetar órgãos vitais, como pulmões, cérebro e coração.

A embolia pulmonar é outra grave consequência da trombofilia e é caracterizada pela obstrução dos vasos pulmonares, o que causa insuficiência respiratória. Quando os coágulos atingem os vasos do cérebro, há o risco de AVC, que pode ser fatal ou resultar em sequelas neurológicas.

As mulheres ainda podem desenvolver trombose placentária. Entre os efeitos desse quadro está o aumento no risco de interrupção da gravidez, uma vez que os trombos podem bloquear a passagem de nutrientes e oxigênio para o bebê.

As condições fisiológicas gestacionais incluem o aumento dos fatores da coagulação para evitar hemorragias durante a gestação e o parto. Essa alteração no sistema hemostático, somada às anormalidades causadas pela trombofilia, podem provocar a doença tromboembólica e insuficiência placentária. As principais complicações obstétricas são:

Como é feito o tratamento da trombofilia?

A avaliação diagnóstica da trombofilia na gravidez começa com a investigação dos fatores de risco, os quais incluem:

O tratamento é feito com a administração de medicamentos que regularizam o estado de coagulação do sangue e reduzem o risco aumentado de formação de trombos. A intervenção farmacológica deve começar antes mesmo da concepção, para prevenir abortamentos.

O uso dos medicamentos é mantido durante toda a gestação, com o objetivo de evitar as complicações obstétricas e, sobretudo, o óbito materno e fetal. Após o parto, durante o período de puerpério, a paciente ainda mantém o tratamento, visto que esse é um momento de grande suscetibilidade para o surgimento de fenômenos trombóticos e tromboembólicos.

Também na reprodução assistida, todos esses cuidados são observados. A atenção especial aos casos de trombofilia é uma preocupação da medicina reprodutiva, considerando a possibilidade de aumento do risco de aborto após tratamento pela técnica de fertilização in vitro (FIV).

Quando a reprodução assistida é indicada?

As técnicas de reprodução assistida são indicadas para vários quadros de infertilidade, feminina ou masculina. Dentre os tratamentos possíveis, a FIV se destaca por sua abrangência e eficácia.

A FIV é um processo de alta complexidade, realizado em várias etapas e que ainda conta com diversas técnicas complementares, que podem ser aplicadas conforme as necessidades dos pacientes.

Como a FIV é um processo dividido em etapas, a paciente recebe os medicamentos anticoagulantes em momentos estratégicos para garantir mais efetividade no tratamento. Assim, a administração dos fármacos pode ser feita logo depois da ovulação ou antes da transferência embrionária.

A trombofilia, portanto, não impede a gravidez, mas requer acompanhamento especializado durante toda a gestação para preservar a saúde e a vida da mãe e do bebê — inclusive antes da concepção e depois do parto.

Agora que você entendeu o que é trombofilia, leia mais um texto para compreender de forma detalhada como a FIV funciona!

Compartilhe:

Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco

Comunicado

Nota conjunta com atualização de posicionamento sobre a COVID-19 e os tratamentos de reprodução assistida

Informações complementares à nota emitida em 21 de março de 2020

A Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA e a Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA, acompanhando as demais sociedades mundiais e face à presença da pandemia de Covid-19, emitiram comunicado em 17 e 21 de março de 2020. Globalmente, e na América Latina não foi diferente, ciclos iniciados foram completados, decisões de congelamento tomadas, transferências discutidas e, na maioria das vezes, postergadas. Desde o início, entendemos que poderiam haver situações a serem individualizadas, como os casos oncológicos, em que pacientes necessitariam com urgência da preservação de seus gametas previamente a procedimentos cirúrgicos ou eventual quimioterapia que pudesse afetar sua fertilidade futura. Ao mesmo tempo, havia outros casos susceptíveis de individualização.

Passados 30 dias, com novos dados sobre a Covid-19, reconhecendo novos cenários para diferentes países, regiões ou cidades, além da realidade de um período claro de extensão da pandemia, que a infertilidade é definida pela OMS como doença, assim como a própria OMS define o direito de autonomia dos pacientes e:

CONSIDERANDO que, sob a luz de novas evidências científicas, este posicionamento deverá seguir sendo atualizado em momentos sucessivos;

CONSIDERANDO que, segundo a literatura médica, não se identificou até o momento a presença de vírus nos gametas e tratos genitais masculino ou feminino;

CONSIDERANDO que, até o momento, não há evidências a respeito das repercussões do Covid-19 sobre a gestação inicial;

CONSIDERANDO a preocupação com relação às evidências científicas emergentes quanto à possibilidade de transmissão vertical – isto é, da mãe para o bebê;

CONSIDERANDO que os serviços de reprodução assistida devam seguir as recomendações governamentais, respeitando as particularidades locais;

CONSIDERANDO a observação das medidas de distanciamento social, com cuidados na preservação dos pacientes e equipes, quando da assistência;

CONSIDERANDO as condutas para mitigar a sobrecarga do sistema de saúde local;

CONSIDERANDO que o adiamento dos tratamentos de reprodução assistida abrange determinados casos extremamente sensíveis ao tempo e, portanto, inadiáveis, com risco de condenar pessoas a uma infertilidade irreversível – ou seja, esterilidade; e

CONSIDERANDO o respeito à autonomia do paciente,

RECOMENDAM que ciclos de reprodução assistida possam ser realizados sob juízo do profissional assistente, em decisão compartilhada com os usuários do serviço, de forma personalizada, fundamentados e bem documentados, com precaução e bom-senso, evitando-se transferências embrionárias neste momento.

Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA
Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA


Referências