Comunicado

Nota conjunta com atualização de posicionamento sobre a COVID-19 e os tratamentos de reprodução assistida

Informações complementares à nota emitida em 21 de março de 2020

A Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA e a Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA, acompanhando as demais sociedades mundiais e face à presença da pandemia de Covid-19, emitiram comunicado em 17 e 21 de março de 2020. Globalmente, e na América Latina não foi diferente, ciclos iniciados foram completados, decisões de congelamento tomadas, transferências discutidas e, na maioria das vezes, postergadas. Desde o início, entendemos que poderiam haver situações a serem individualizadas, como os casos oncológicos, em que pacientes necessitariam com urgência da preservação de seus gametas previamente a procedimentos cirúrgicos ou eventual quimioterapia que pudesse afetar sua fertilidade futura. Ao mesmo tempo, havia outros casos susceptíveis de individualização.

Passados 30 dias, com novos dados sobre a Covid-19, reconhecendo novos cenários para diferentes países, regiões ou cidades, além da realidade de um período claro de extensão da pandemia, que a infertilidade é definida pela OMS como doença, assim como a própria OMS define o direito de autonomia dos pacientes e:

CONSIDERANDO que, sob a luz de novas evidências científicas, este posicionamento deverá seguir sendo atualizado em momentos sucessivos;

CONSIDERANDO que, segundo a literatura médica, não se identificou até o momento a presença de vírus nos gametas e tratos genitais masculino ou feminino;

CONSIDERANDO que, até o momento, não há evidências a respeito das repercussões do Covid-19 sobre a gestação inicial;

CONSIDERANDO a preocupação com relação às evidências científicas emergentes quanto à possibilidade de transmissão vertical – isto é, da mãe para o bebê;

CONSIDERANDO que os serviços de reprodução assistida devam seguir as recomendações governamentais, respeitando as particularidades locais;

CONSIDERANDO a observação das medidas de distanciamento social, com cuidados na preservação dos pacientes e equipes, quando da assistência;

CONSIDERANDO as condutas para mitigar a sobrecarga do sistema de saúde local;

CONSIDERANDO que o adiamento dos tratamentos de reprodução assistida abrange determinados casos extremamente sensíveis ao tempo e, portanto, inadiáveis, com risco de condenar pessoas a uma infertilidade irreversível – ou seja, esterilidade; e

CONSIDERANDO o respeito à autonomia do paciente,

RECOMENDAM que ciclos de reprodução assistida possam ser realizados sob juízo do profissional assistente, em decisão compartilhada com os usuários do serviço, de forma personalizada, fundamentados e bem documentados, com precaução e bom-senso, evitando-se transferências embrionárias neste momento.

Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA
Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA


Referências
Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 99650-0786 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

Útero septado impossibilita a gravidez?

Útero septado impossibilita a gravidez?

Muitas mulheres sonham em engravidar um dia e sabem que um passo importante nessa jornada é a realização de exames médicos. É nesse momento que muitas delas descobrem o útero septado.

Essa é uma revelação que pode trazer muitas dúvidas e insegurança. Alguns dos questionamentos são sobre as possíveis causas e tratamentos. No entanto, o mais importante é: isso pode me impedir de engravidar?

Vamos esclarecer aqui algumas das questões que surgem com a descoberta do útero septado e procurar tranquilizar as futuras mães.

As causas do útero septado

O útero septado é uma malformação congênita, isto é, a menina nasce com um septo (uma parede) que divide internamente o útero. Essa divisão pode ser total ou parcial.

É por volta da 9ª semana de gestação que se forma o útero da futura menina. Nesse momento, os ductos de Müller se fundem para dar origem às tubas uterinas e ao útero. Para a formação correta do útero, é preciso que haja uma fusão entre os ductos.

Quando essa fusão não ocorre adequadamente ou ocorre parcialmente, resta uma membrana (o septo) dentro do órgão. O útero septado é o tipo mais comum de anomalia mülleriana, atingindo cerca de 3% a 7% da população feminina.

Sintomas e diagnóstico

O útero septado não tem sintomas, não provoca alterações no ciclo menstrual nem aumenta a intensidade de cólicas. Porém, o seu diagnóstico é simples.

Alguns exames de imagem, como a histerossalpingografia e a vídeo-histeroscopia diagnóstica, permitem identificar se o útero é total ou parcialmente septado.

Riscos do útero septado

A presença do septo no útero pode dificultar a nidação, aumentando as chances de perda do embrião. A implantação do embrião no septo é inviável, pois essa membrana é pouco vascularizada.

Já a implantação na parede do útero pode ocorrer normalmente. Contudo, o espaço destinado ao bebê será menor. Com seu crescimento, aumenta o risco de aborto ou mesmo de parto prematuro.

Tratamento

A cirurgia para retirada do septo é o único tratamento indicado. Essa retirada é feita por meio de uma histeroscopia cirúrgica.

A cirurgia é feita em bloco cirúrgico com anestesia, por via vaginal, por profissional experiente, e requer acompanhamento pós-operatório para prevenir a formação de aderências durante a cicatrização da parede uterina. As taxas de sucesso dessa intervenção são altas.

A infertilidade é uma realidade na vida de vários casais. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que, apenas entre as mulheres, mais de 10% tem problemas de fertilidade. Portanto, se você está com dificuldade para engravidar há mais de 1 ano, deve buscar o auxílio de um médico.

Você já fez seus exames de imagem? Teve o diagnóstico de útero septado? Compartilhe sua experiência ou suas dúvidas. Deixe aqui seu comentário.

Compartilhe:

3
Deixe um comentário

2 Comentar tópicos
1 Respostas do Tópico
1 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Tópico de comentário mais quente
3 Autores de comentários
  Se inscrever  
o mais novo mais antigo mais votado
Notificação de
Fernanda

Eu tenho ultero bicorno é gostaria de fazer a cirurgia mas não sei aonde faz

karla da silva rocha

Estou gestante de 25 semanas com útero separado, até que semana meu filho vai virar? Meu útero vai se contrair normalmente para expeli-lo?

Clínica Origen

Olá, Karla. Não é possível afirmar, você tem que continuar acompanhando com seu ginecologista para que ele possa te orientar melhor. 🙂

Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco