Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 9979-01109 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

Você sabe o que é orquite?

Você sabe o que é orquite?

Orquite é o nome dado à inflamação que pode acometer um ou ambos os testículos. Quando a inflamação afeta também o epidídimo, órgão adjacente formado por túbulos que armazenam os espermatozoides, é chamada de orquiepididimite. Quando está restrita ao epidídimo, é conhecida por epididimite.

Você sabe quais são as principais causas da orquite? Conhece quais sintomas a inflamação nos testículos pode apresentar no homem? Então não deixe de acompanhar nosso post. Vamos esclarecer melhor o quadro clínico, o diagnóstico e o tratamento da doença!

Quais são as causas?

As causas da inflamação nos testículos são várias:

Quais são os sintomas?

Os sintomas associados à orquite podem variar de leve a grave. Os pacientes podem experimentar o início rápido da dor e inchaço, ou os sintomas podem aparecer gradualmente. O principal sintoma da orquite é a dor testicular, que pode irradiar para a virilha. Outros sintomas comuns são:

Na orquiepididimite, os sintomas podem surgir e progredir de forma mais gradual. Já a epididimite causa inicialmente dor em uma determinada área, além de inchaço na parte de trás do testículo durante vários dias.
Mais tarde, a infecção aumenta e se espalha, atingindo todo o testículo. Dor ou queimação antes ou após a micção também podem ser observadas.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico de orquite pode ser estabelecido após a investigação do histórico clínico e a realização de um exame físico completo. No entanto, estudos de imagem e testes laboratoriais podem ser feitos para avaliar e excluir outras condições que podem apresentar sintomas semelhantes aos da orquite.

O ultrassom dos testículos afetados também pode ser solicitado para excluir outras condições, como torção testicular, abscesso ou epididimite, que possuem também sintomas similares.

Caso o médico ache necessário, por meio do exame retal, ele pode verificar a próstata para avaliar se a infecção a comprometeu também. Uma amostra de secreção extraída da uretra pode ser obtida para identificar quais bactérias são responsáveis ​​pela infecção. Exames de sangue e de urina podem ser solicitados, dependendo dos sintomas do paciente.

Existe tratamento para orquite?

Sim. Existe tratamento e cura para a orquite, que na maioria dos casos não deixa nenhuma sequela, quando seguidas as recomendações indicadas pelo médico especialista.

Cuidados gerais, como repouso, compressas geladas e medicação analgésicas são fundamentais para o tratamento da orquite. Outras medidas dependerão da origem da inflamação. Por exemplo, em caso da etiologia ser bacteriana, antibióticos serão prescritos por certo tempo, de acordo com a extensão e o microrganismo causador.

Esperamos que nosso post tenha esclarecido o que é orquite, quais são suas causas, manifestações e tratamento.

Gostou deste conteúdo? Ainda tem alguma dúvida? Então não deixe de comentar. Queremos sua participação!

Compartilhe:

Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco

Comunicado

SARS Cov-2 (COVID 19): vacinas, reprodução assistida e grávidas
• Posição atual conjunta •

03 de fevereiro de 2021

Grandes avanços dos estudos colaborativos incluem hoje pelo menos 85 vacinas pré-clínicas em investigação ativa em animais, 65 em ensaios clínicos em humanos, com 20 vacinas que chegaram aos estágios finais de testagem, sendo 12 já em uso em diferentes países/situações. As principais vacinas disponíveis estão constituidas por partículas de RNA mensageiro (Pfizer-Biontech e Moderna), vírus inativado (CoronaVac,Sinopharma e Covaxin, Bharat Biotech), com adenovirus (Oxford-AstraZeneca, Johnson&Johnson e Sputnik V, Gamaleya).

A pandemia segue, e neste momento a discussão se centraliza no uso das vacinas disponíveis e as pacientes submetidas às técnicas de reprodução assistida, grávidas e populações de risco entre as grávidas.

Nossas sociedades, avaliando também as diretrizes emitidas por sociedades mundiais como a ESHRE, a ASRM, a IFFS e a ACOG (SOGC), consideram que dentro da disponibilidade possível:

1) A vacinação tem efetividade e não induz a risco aumentado de contrair a infecção por Covid 19. Embora ainda não hajam estudos humanos de longo prazo sobre a vacinação contra Covid-19 e gravidez, nenhuma das vacinas contém vírus Sars Cov-2 vivo.

2) Para indivíduos vulneráveis,que apresentam alto risco de infecção e / ou morbidade por COVID-19, dentre os quais estão as grávidas, não receber a vacina supera o risco de ser vacinado, previamente ou durante a gravidez. Inclui-se ainda neste grupo os profissionais de saúde e aqueles outros, de linha de frente, com maior risco de exposição.

3) Não há razão para atrasar as tentativas de gravidez ou tratamentos de reprodução assistida quando de vacina não disponível ou se pacientes fora de grupos de risco.

4) Decisões da utilização (ou não) das vacinas devem ser compartilhadas entre pacientes e médicos, respeitando-se os princípios éticos de autonomia, beneficência e não maleficência.

5) Esta informação sobre vacinas deve ser incluidas como um termo específico em um consentimento informado já existente. Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA

6) Seguirão atualizações, a cada momento que novos conhecimentos solidifiquem os dados atuais.

  • REDLARA - Red Latinoamericana de Reproducción Asistida
  • SBRA - Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida
  • SAMeR - Sociedad Argentina de Medicina Reproductiva
  • AMMR - Asociación Mexicana de Medicina de la Reproducción
  • PRONÚCLEO - Associação Brasileira de Embriologistas em Medicina Reprodutiva
  • SAEC - Sociedad Argentina de Embriología Clínica
  • SOCMER - Sociedad Chilena de Medicina Reproductiva
  • ACCER - Asociación de Centros Colombianos de Reproducción Humana
  • SURH - Sociedad Uruguaya de Reproducción Humana
  • AVEMERE - Asociación Venezolana de Medicina Reproductiva y Embriología

Referências
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x