Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 99650-0786 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015
App StoreGoogle Play

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

Aborto de repetição: quais são as possíveis causas e os tratamentos?

Aborto de repetição: quais são as possíveis causas e os tratamentos?

Ciclo menstrual atrasado, expectativas pela chegada do bebê tão planejado e muita vontade de ser mãe. As mulheres que buscam esse sonho sabem bem como a gestação pode ser detectada, mas não são todas que conseguem levar a gravidez adiante.

Atingindo menos de 1% dos casais brasileiros, os abortos de repetição são ainda pouco explicados e é difícil encontrar informações concretas que auxiliam quem deseja viver a experiência materna.

Neste artigo, vamos explicar o que é o aborto de repetição, quais suas possíveis causas e como ele pode ser tratado.

O que é o aborto de repetição?

O aborto de repetição é definido quando três ou mais perdas gestacionais (até 20 semanas de gravidez) acontecem de maneira seguida, sem que a mulher tenha uma gestação completa entre os episódios de perda.

Quais as possíveis causas do aborto de repetição?

Entre as causas mais estudadas e conhecidas do aborto espontâneo estão as genéticas, imunológicas, uterinas, infecciosas e hormonais. O mais comum é que, primeiro, o médico investigue se o aborto foi tardio ou precoce, para entender melhor o que pode ter provocado o problema.

Para fazer o diagnóstico, é preciso realizar um exame de sangue (cariótipo) do casal. Nas causas imunológicas, avaliamos anticorpos maternos e a tendência de formar trombos (trombofilias). Quando a causa é infecciosa, o aborto pode acontecer por infecção na cavidade endometrial (parte interna do útero). O diagnóstico é feito com base nos resultados da histeroscopia e em exames complementares do material retirado por biópsia.

Já as causas uterinas dizem respeito à própria anatomia do órgão. O mais comum é a presença de pólipos, miomas, sinéquias ou malformações uterinas, como útero unicorno, bicorno ou septado.

As causas hormonais podem ser alterações no hormônio prolactina, hormônios tireoideanos, entre outros.

Qual é o tratamento?

Depois de identificada a causa do aborto espontâneo, as mulheres podem ser tratadas especificamente, de acordo com a causa identificada.

Infelizmente, apenas em uma pequena parcela das vezes conseguimos identificar a causa do abortamento de repetição, o que pode limitar o sucesso do tratamento.

Gostou do conteúdo? Então compartilhe este artigo nas redes sociais e ajude milhares de mulheres a procurarem os tratamentos assertivos para o aborto espontâneo.

Compartilhe:

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco