Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 9979-01109 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

Anovulação: como saber se é normal? Conheça as principais causas

Anovulação: como saber se é normal? Conheça as principais causas

Uma mulher procura o ginecologista antes de tentar engravidar para saber se está tudo bem com seu corpo. O médico avaliará, dentre outras coisas, se ela está ovulando, pois a anovulação pode atrapalhar o projeto gravidez.

Nesse momento, surgem algumas dúvidas: o que é anovulação? Isso me impediria de engravidar? Quando eu preciso me preocupar? O que causa isso? Tem tratamento? E o médico é o profissional que pode esclarecer todas essas questões.

Contudo, ir para a consulta sabendo um pouco mais sobre o assunto facilita a conversa com o profissional. Também pode melhorar o atendimento e agilizar o tratamento, se este for necessário.

Quando você está tentando engravidar, a ansiedade cresce com o passar dos meses. Por isso, vamos esclarecer algumas dúvidas e mostrar como aumentar as chances de concepção. Acompanhe!

O que é anovulação?

Em condições ideais, as mulheres ovulam todos os meses; isto é, um óvulo amadurece e é liberado por um dos ovários para ser fecundado. Se a fecundação não ocorre, vem a menstruação. O ciclo menstrual é comandado por hormônios para que funcione como um relógio.

Porém, algumas vezes esse mecanismo falha e a ovulação não ocorre. A isso denominamos anovulação. No primeiro ano de vida fértil da mulher e perto da menopausa, essa condição é mais comum.

A anovulação também pode ocorrer em alguns meses específicos, por motivos que veremos depois, mas se a mulher não menstruar por 3 meses seguidos ou mais é importante procurar um médico.

Como saber se não estou ovulando?

Na maior parte das vezes, a menstruação atrasará alguns dias e a mulher nem notará a anovulação. A ausência daquele muco mais espesso indicando o período fértil também é um sinal de que a mulher não ovulou.

Se o sangramento é muito menor que o normal (oligomenorreia) ou deixa de acontecer (amenorreia), a anovulação é considerada crônica. A repetição desses episódios é um sinal de alerta. A ausência de ovulação pode ser confirmada por exames médicos.

Por que isso me impediria de engravidar?

É preciso que o óvulo maduro seja liberado pelo ovário para que possa ser fecundado. Por isso, se não ocorrer a ovulação, não há como engravidar.

O que pode causar a anovulação?

Os hormônios são responsáveis por regular o ciclo menstrual e garantir a ovulação. Assim, é fácil entender que qualquer alteração na produção deles pode levar à anovulação.

Entre as causas que podem afetar a produção ou o equilíbrio dos níveis desses hormônios no organismo, podemos citar:

Existe tratamento para o problema?

O tratamento é específico para a causa. Assim que se souber o diagnóstico, o tratamento será iniciado.

Mulheres com anovulação associada a ovários policísticos serão tratadas com indutores da ovulação. Mulheres com peso aumentado se beneficiam da perda de peso e aquelas com doenças específicas serão tratadas de acordo com a alteração.

Essas são informações gerais sobre anovulação e não substituem uma consulta. Portanto, procure sempre um médico para fazer o acompanhamento correto desse período. Só ele pode solicitar os exames necessários e dar o diagnóstico e tratamento corretos para você.

Gostou desse artigo e deseja mais informações sobre o assunto? Então, curta a nossa página no Facebook e acompanhe os próximos conteúdos!

Compartilhe:

Se inscrever
Notificação de
2 Comentários
mais antigo
o mais novo mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
Lidiane
2 anos atrás

O que é anovulia é como trata?

Clínica Origen
1 ano atrás
Reply to  Lidiane

Olá Lidiane, é necessário que você procure um especialista, pois apenas sabendo a causa da anovulação é possível indicar o tratamento. atenciosamente

Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco

Comunicado

SARS Cov-2 (COVID 19): vacinas, reprodução assistida e grávidas
• Posição atual conjunta •

03 de fevereiro de 2021

Grandes avanços dos estudos colaborativos incluem hoje pelo menos 85 vacinas pré-clínicas em investigação ativa em animais, 65 em ensaios clínicos em humanos, com 20 vacinas que chegaram aos estágios finais de testagem, sendo 12 já em uso em diferentes países/situações. As principais vacinas disponíveis estão constituidas por partículas de RNA mensageiro (Pfizer-Biontech e Moderna), vírus inativado (CoronaVac,Sinopharma e Covaxin, Bharat Biotech), com adenovirus (Oxford-AstraZeneca, Johnson&Johnson e Sputnik V, Gamaleya).

A pandemia segue, e neste momento a discussão se centraliza no uso das vacinas disponíveis e as pacientes submetidas às técnicas de reprodução assistida, grávidas e populações de risco entre as grávidas.

Nossas sociedades, avaliando também as diretrizes emitidas por sociedades mundiais como a ESHRE, a ASRM, a IFFS e a ACOG (SOGC), consideram que dentro da disponibilidade possível:

1) A vacinação tem efetividade e não induz a risco aumentado de contrair a infecção por Covid 19. Embora ainda não hajam estudos humanos de longo prazo sobre a vacinação contra Covid-19 e gravidez, nenhuma das vacinas contém vírus Sars Cov-2 vivo.

2) Para indivíduos vulneráveis,que apresentam alto risco de infecção e / ou morbidade por COVID-19, dentre os quais estão as grávidas, não receber a vacina supera o risco de ser vacinado, previamente ou durante a gravidez. Inclui-se ainda neste grupo os profissionais de saúde e aqueles outros, de linha de frente, com maior risco de exposição.

3) Não há razão para atrasar as tentativas de gravidez ou tratamentos de reprodução assistida quando de vacina não disponível ou se pacientes fora de grupos de risco.

4) Decisões da utilização (ou não) das vacinas devem ser compartilhadas entre pacientes e médicos, respeitando-se os princípios éticos de autonomia, beneficência e não maleficência.

5) Esta informação sobre vacinas deve ser incluidas como um termo específico em um consentimento informado já existente. Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA

6) Seguirão atualizações, a cada momento que novos conhecimentos solidifiquem os dados atuais.

  • REDLARA - Red Latinoamericana de Reproducción Asistida
  • SBRA - Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida
  • SAMeR - Sociedad Argentina de Medicina Reproductiva
  • AMMR - Asociación Mexicana de Medicina de la Reproducción
  • PRONÚCLEO - Associação Brasileira de Embriologistas em Medicina Reprodutiva
  • SAEC - Sociedad Argentina de Embriología Clínica
  • SOCMER - Sociedad Chilena de Medicina Reproductiva
  • ACCER - Asociación de Centros Colombianos de Reproducción Humana
  • SURH - Sociedad Uruguaya de Reproducción Humana
  • AVEMERE - Asociación Venezolana de Medicina Reproductiva y Embriología

Referências
2
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x