Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 9979-01109 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

As principais causas da infertilidade masculina

As principais causas da infertilidade masculina

Embora seja pouco comentada, a infertilidade masculina tira a noite de sono de muitos casais. Ela pode ser provocada por vários fatores.

É claro que ninguém gosta de lidar com esse tipo de situação e, justamente por isso, uma das principais medidas preventivas é conhecer as causas.

Se você ficou curioso e quer saber o que pode estar dificultando esse momento mágico da sua vida, está no lugar certo. Conheça, a seguir, as principais doenças e o tratamento específico para cada uma delas.

1. Varicocele

Essa está entre as doenças mais comuns quando o assunto é a infertilidade masculina. Ela acontece sempre que ocorre uma dilatação e tortuosidade nas veias que são responsáveis pela drenagem dos testículos, ou seja, que drenam o sangue da região dos testículos.

Se você pensa que essa alteração é bobagem, saiba que ela leva a um aumento da temperatura dos testículos e, por consequência, interfere diretamente na produção e qualidade dos espermatozoides. Motivos de sobra para ficar de olho, concorda?

Nesse caso, o melhor procedimento é a intervenção cirúrgica.

Para saber mais sobre a varicocele e se aprofundar mais nos detalhes do tratamento, clique aqui.

2. Infecções

Algumas infecções genitais podem ser tão fortes que comprometem o sistema reprodutor do homem. Então é bom ficar de olho.

As mais comuns são a clamídia e a gonorreia, que podem atingir os órgãos do aparelho reprodutor do homem e da mulher.

Essas infecções, principalmente se não tratadas, podem alterar a produção e qualidade dos espermatozoides, assim como levar a processos obstrutivos no trato reprodutor masculino. Ambas as alterações podem dificultar o processo de fecundação.

O tratamento é diferente dependendo de cada caso, por isso procure o urologista ao perceber pequenas alterações ou os mais breves sintomas.

Também falamos mais profundamente a respeito das principais doenças e infecções que afetam o casal. Leia mais a respeito clicando aqui.

3. Azoospermia

A azoospermia é a ausência de espermatozoides no sêmen, uma situação que é um fantasma para muitos homens. Ela pode ser detectada pelo exame chamado espermograma.

Ela pode ser ocasionada por vários fatores e entre os mais comuns estão os problemas genéticos, endócrinos, estruturais, obstrutivos e maus hábitos de vida. A azoospermia pode ser causada por uma alteração diretamente no testículo, na produção dos espermatozoides (Azoospermia Não Obstrutiva) ou por algum processo obstrutivo que impeça a saída dos espermatozoides no ejaculado (Azoospermia Obstrutiva), apesar de serem produzidos normalmente pelos testículos. O exemplo típico de azoospermia obstrutiva são os casos de homens que realizaram vasectomia.

A melhor maneira de resolver o problema é fazer os tratamentos de fertilização in vitro ou a injeção intracitoplasmática de espermatozoide (ICSI), que é quando eles são captados dos testículos por meio de uma cirurgia.

4. Criptorquidia

Essa é uma doença com uma particularidade: ela é congênita, ou seja, existente desde o nascimento.

Para quem não sabe o que significa, ela representa uma descida incompleta dos testículos ao escroto, fazendo com que eles fiquem no canal inguinal ou região abdominal.

A melhor maneira de resolver o problema é com cirurgia ainda na infância.

Ainda assim, alguns homens podem sofrer com uma concentração menor dos espermatozoides ou até mesmo com uma ausência deles no sêmen, mesmo após a correção cirúrgica, pois existe uma associação genética entre a criptorquidia e a infertilidade.

5. Fatores hormonais

Em alguns casos de infertilidade masculina, o fator causador pode ser uma alteração na produção de hormônios importantes para a produção dos espermatozoides.

É sempre importante que uma adequada avaliação hormonal seja realizada, dependendo da gravidade da alteração do sêmen apresentada pelo homem.

6. Outros fatores

Embora não seja especificamente uma doença, não poderíamos deixar de abordar os hábitos de vida. Aqueles costumes pouco saudáveis também podem influenciar diretamente na produção de espermatozoides. Alguns exemplos são: tabagismo, alcoolismo, consumo de drogas ilícitas, uso de anabolizante, obesidade e estresse.

Portanto, é bom investir em um estilo de vida saudável, pois assim diminuem consideravelmente as chances de lidar com a infertilidade masculina.

Agora que você já conhece as principais causas da infertilidade masculina, fique de olho nos sintomas e trate assim que perceber alguma alteração. Assim você vive com mais qualidade de vida e vivencia a aventura que a paternidade pode trazer.

Para acompanhar nossos conteúdos sobre esse e outros assuntos, que tal seguir a Origen nas redes sociais? Estamos no FacebookGoogle Plus e Instagram.

Compartilhe:

Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco

Comunicado

Nota conjunta com atualização de posicionamento sobre a COVID-19 e os tratamentos de reprodução assistida

Informações complementares à nota emitida em 21 de março de 2020

A Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA e a Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA, acompanhando as demais sociedades mundiais e face à presença da pandemia de Covid-19, emitiram comunicado em 17 e 21 de março de 2020. Globalmente, e na América Latina não foi diferente, ciclos iniciados foram completados, decisões de congelamento tomadas, transferências discutidas e, na maioria das vezes, postergadas. Desde o início, entendemos que poderiam haver situações a serem individualizadas, como os casos oncológicos, em que pacientes necessitariam com urgência da preservação de seus gametas previamente a procedimentos cirúrgicos ou eventual quimioterapia que pudesse afetar sua fertilidade futura. Ao mesmo tempo, havia outros casos susceptíveis de individualização.

Passados 30 dias, com novos dados sobre a Covid-19, reconhecendo novos cenários para diferentes países, regiões ou cidades, além da realidade de um período claro de extensão da pandemia, que a infertilidade é definida pela OMS como doença, assim como a própria OMS define o direito de autonomia dos pacientes e:

CONSIDERANDO que, sob a luz de novas evidências científicas, este posicionamento deverá seguir sendo atualizado em momentos sucessivos;

CONSIDERANDO que, segundo a literatura médica, não se identificou até o momento a presença de vírus nos gametas e tratos genitais masculino ou feminino;

CONSIDERANDO que, até o momento, não há evidências a respeito das repercussões do Covid-19 sobre a gestação inicial;

CONSIDERANDO a preocupação com relação às evidências científicas emergentes quanto à possibilidade de transmissão vertical – isto é, da mãe para o bebê;

CONSIDERANDO que os serviços de reprodução assistida devam seguir as recomendações governamentais, respeitando as particularidades locais;

CONSIDERANDO a observação das medidas de distanciamento social, com cuidados na preservação dos pacientes e equipes, quando da assistência;

CONSIDERANDO as condutas para mitigar a sobrecarga do sistema de saúde local;

CONSIDERANDO que o adiamento dos tratamentos de reprodução assistida abrange determinados casos extremamente sensíveis ao tempo e, portanto, inadiáveis, com risco de condenar pessoas a uma infertilidade irreversível – ou seja, esterilidade; e

CONSIDERANDO o respeito à autonomia do paciente,

RECOMENDAM que ciclos de reprodução assistida possam ser realizados sob juízo do profissional assistente, em decisão compartilhada com os usuários do serviço, de forma personalizada, fundamentados e bem documentados, com precaução e bom-senso, evitando-se transferências embrionárias neste momento.

Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA
Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA


Referências
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x