Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 9979-01109 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

Dor pélvica: o que pode indicar?

Dor pélvica: o que pode indicar?

Muitas doenças se desenvolvem de forma assintomática e retardam a procura por acompanhamento médico. Quando o quadro apresenta algum tipo de dor, esse sintoma costuma ser um dos principais motivos da busca por diagnóstico, principalmente quando ocorre de forma anormal.

É o caso da dor pélvica, que pode causar incômodo significativo e afetar o bem-estar da mulher. Deve-se ter atenção quando associado à infertilidade feminina.

As manifestações de dor podem não significar nenhum problema clínico, assim como podem ser sinal de alguma doença. Então, é sempre bom ficar atento às alterações que acontecem no organismo para buscar ajuda de forma precoce.

Continue a leitura para saber mais sobre a dor pélvica e os problemas que esse sintoma pode indicar!

Por que sentimos dor?

A dor é uma sensação que ocorre diante de alterações no funcionamento normal do organismo. Quando alguma área é afetada por inflamações, traumas ou outra condição que agride os órgãos ou tecidos, estímulos elétricos são enviados ao cérebro, que libera a reação sensorial por meio dos nervos, provocando a sensação de dor.

Como se trata de um sintoma comum, boa parte das pessoas convive com dores sem dar a devida atenção ao caso. Apenas quando a sensação passa a ser insuportável — aumento da frequência, intensidade, localização etc. — e passa a afetar a qualidade de vida do indivíduo, é que ocorre a busca por ajuda.

Dor pélvica: por que ocorre?

A dor pélvica é percebida como um incômodo que acomete a região entre os quadris e logo abaixo do abdômen. Bem mais comum em mulheres, esse tipo de dor pode ser semelhante às cólicas ou ocorrer de forma aguda e repentina.

O sintoma pode ser sinal de diversos problemas que afetam o aparelho reprodutor feminino. Se a mulher tem a intenção de ter filhos é essencial ficar de olho, uma vez que as doenças dos órgãos reprodutores podem levar à infertilidade.

Esse tipo de dor nem sempre está relacionado a doenças. Dores pélvicas também estão relacionadas a problemas comuns como prisão de ventre, bexiga cheia etc. Entretanto, também podem indicar patologias ginecológicas, sobretudo se o desconforto for persistente e não ocorrer somente no período menstrual.

Em casos de dor pélvica frequente e que perdura por meses — seja de forma intermitente, seja contínua — o quadro se torna crônico e necessita de avaliação diagnóstica.

Dependendo do quadro, a mulher também apresenta outros sintomas juntamente com a dor pélvica, como secreção vaginal, sangramento fora do período menstrual e dores durante a relação sexual. Em conjunto ou individualmente, todas essas manifestações podem indicar problemas no sistema reprodutor feminino e causar infertilidade.

Quais problemas a dor pélvica pode indicar?

A mulher que sente dor pélvica nem sempre busca avaliação médica de imediato, uma vez que o desconforto pode ser interpretado como cólica e considerado um problema comum. Mas vale a pena observar os sintomas com mais atenção para descobrir se estão relacionados às seguintes condições:

Doença inflamatória pélvica (DIP)

A DIP provoca inflamações nas tubas uterinas, nos ovários e no útero. A patologia é causada por infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), como a clamídia e a gonorreia. Dor pélvica, corrimento vaginal e infertilidade são consequências frequentes dessa doença.

Endometriose

A endometriose é caracterizada pelo surgimento de implantes de tecido endometrial fora da cavidade uterina — lembrando que o endométrio é a camada interna do útero. Quando as células endometriais atingem outros órgãos, pode levar a dor pélvica crônica, entre outros sintomas.

Dor da ovulação

Embora não aconteça com todas as mulheres, a ovulação pode causar dor. Isso ocorre quando os folículos ovarianos se rompem para liberar o óvulo. Nessa ocasião, o líquido que estava no interior do folículo se espalha na pelve e pode causar irritação na camada peritoneal e provocar o desconforto.

Ruptura de endometriomas

Os endometriomas são cistos que se formam quando a endometriose atinge os ovários. Normalmente, são assintomáticos, mas podem causar dor pélvica aguda caso se rompam.

Além das condições já citadas, há ainda outros problemas que provocam dor pélvica e afetam a fertilidade da mulher, como miomas em volume aumentado.

Em quais condições a reprodução assistida é necessária?

Quando a dor pélvica está relacionada a doenças como as que foram descritas acima, a mulher deve buscar ajuda especializada. Se as funções reprodutivas da mulher estiverem afetadas e o quadro de infertilidade for confirmado, as técnicas de reprodução assistida são indicadas.

A reprodução assistida é dividida em tratamentos de baixa e alta complexidade. A relação sexual programada (RSP) e a inseminação artificial (IA) são consideradas técnicas mais simples, uma vez que o óvulo é fecundado in vivo, isto é, no corpo da paciente.

A fertilização in vitro (FIV), por sua vez, corresponde ao processo mais complexo e a fecundação é feita em laboratório. Nesse caso, somente após dias de cultivo, o embrião é transferido para o útero.

A FIV é indicada para inúmeros quadros de infertilidade, como os que envolvem dor pélvica. Endometriose em estágio avançado e obstrução das tubas uterinas causada pela DIP são exemplos de condições que recebem essa indicação de tratamento.

Quer mais informações sobre a investigação da infertilidade? Acompanhe mais um texto e veja como é possível descobrir se você é infértil!

Compartilhe:

Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x