Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 9979-01109 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

Endometriose e qualidade de vida

Endometriose e qualidade de vida

A endometriose está relacionada a uma queda significativa no bem-estar físico e emocional da mulher, devido aos sintomas que pode desencadear e das repercussões negativas em várias esferas da vida da portadora. Dentre os possíveis impactos, podemos destacar as dores intensas, as alterações na fisiologia básica do organismo e a infertilidade feminina.

O conceito de qualidade de vida tem sido foco de estudos na área da saúde. Particularmente, podemos dar destaque a esse conceito quanto à sua associação com a endometriose. Dependendo da forma da doença, da intensidade dos sintomas e demais consequências, essa patologia pode prejudicar severamente o dia a dia da mulher.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) se refere à qualidade de vida como a percepção que o indivíduo tem de sua própria condição de vida, considerando seus objetivos, expectativas e preocupações.

Assim, o conceito de qualidade de vida relacionada à saúde traduz o modo como uma pessoa percebe sua realidade e se sente diante de uma enfermidade e dos impactos em sua capacidade funcional, o que contempla as múltiplas dimensões da vivência diária — física, psicológica, social, laboral e familiar.

Esse tema despertou seu interesse? Então, acompanhe o post com atenção e entenda como a endometriose pode afetar a qualidade de vida da mulher e saiba o que fazer nessa situação!

O que é endometriose?

Endometriose é uma condição complexa que pode se manifestar de diversas formas. Trata-se de uma patologia ginecológica que envolve quadros inflamatórios com caráter crônico. A doença é caracterizada pela presença de um tecido endometrial ectópico, isto é, um tecido semelhante ao que recobre a cavidade uterina, chamado de endométrio, cresce em outros órgãos.

As lesões endometrióticas são encontradas principalmente na região pélvica, em locais como ovários, tubas uterinas, ligamentos uterossacros, septo retovaginal, intestino e bexiga. Também existem casos de endometriose extrapélvica, atingindo órgãos da cavidade abdominal ou ainda mais distantes da pelve.

A inflamação provocada pela endometriose ocorre devido à ação do hormônio estrogênio, que faz o tecido endometrial (dentro e fora do útero) se proliferar e sangrar durante o período menstrual. Esse processo inflamatório, que é ativado de forma cíclica, pode ocasionar a formação de aderências (fibroses, cicatrizes) que provocam distorção anatômica dos órgãos lesionados e comprometem suas funções.

A endometriose é classificada de acordo com a gravidade e a localização das lesões. Assim, a doença pode ser considerada mínima, leve, moderada ou grave. Morfologicamente, existem três diagnósticos:

Quais são os sintomas e repercussões da endometriose?

Embora existam portadoras assintomáticas, ou que apresentam apenas sintomas brandos, a endometriose é reconhecida por suas manifestações de dores intensas, principalmente durante o período menstrual. Assim, os sintomas mais relatados pelas pacientes incluem:

Os sintomas incômodos não são a única consequência da endometriose. A mulher pode enfrentar outras repercussões negativas da doença, como a infertilidade. Vários são os mecanismos fisiopatológicos que impõem dificuldade para engravidar espontaneamente. As lesões endometrióticas podem interferir na função ovulatória, na movimentação e na sobrevida dos espermatozoides, entre outros impactos no processo reprodutivo.

A endometriose também afeta a fisiologia básica do corpo da mulher durante o período menstrual, principalmente nos casos de doença infiltrativa profunda, visto que as lesões podem prejudicar o funcionamento do intestino e da bexiga.

Além disso, existem os efeitos adversos na vida sexual da portadora, devido à dor durante o sexo. O desempenho das atividades habituais também pode ser prejudicado quando os sintomas se manifestam em níveis de dor incapacitante.

Afinal, qual é a relação entre endometriose e qualidade de vida?

Essa é uma doença crônica e, como tal, pode impor limitações no dia a dia da portadora por várias razões. Os impactos da endometriose na qualidade de vida da mulher incluem:

Devido a esses impactos na qualidade de vida, é necessário procurar avaliação médica e tratamento diante da suspeita de endometriose. O acompanhamento deve ser feito com profissionais especializados, visto que se trata de uma doença complexa e de difícil diagnóstico.

Quando a mulher tem planos de engravidar, mas vem enfrentando dificuldades para isso, aconselhamos as técnicas de reprodução assistida. Assim, os problemas reprodutivos causados pela endometriose podem ser contornados com inseminação artificial ou fertilização in vitro (FIV). Cada paciente, bem como seu parceiro, passa por avaliação individualizada e o especialista apresenta as técnicas mais apropriadas para cada caso.

Complete suas informações em nosso texto institucional sobre endometriose!

Compartilhe:

Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco

Comunicado

SARS Cov-2 (COVID 19): vacinas, reprodução assistida e grávidas
• Posição atual conjunta •

03 de fevereiro de 2021

Grandes avanços dos estudos colaborativos incluem hoje pelo menos 85 vacinas pré-clínicas em investigação ativa em animais, 65 em ensaios clínicos em humanos, com 20 vacinas que chegaram aos estágios finais de testagem, sendo 12 já em uso em diferentes países/situações. As principais vacinas disponíveis estão constituidas por partículas de RNA mensageiro (Pfizer-Biontech e Moderna), vírus inativado (CoronaVac,Sinopharma e Covaxin, Bharat Biotech), com adenovirus (Oxford-AstraZeneca, Johnson&Johnson e Sputnik V, Gamaleya).

A pandemia segue, e neste momento a discussão se centraliza no uso das vacinas disponíveis e as pacientes submetidas às técnicas de reprodução assistida, grávidas e populações de risco entre as grávidas.

Nossas sociedades, avaliando também as diretrizes emitidas por sociedades mundiais como a ESHRE, a ASRM, a IFFS e a ACOG (SOGC), consideram que dentro da disponibilidade possível:

1) A vacinação tem efetividade e não induz a risco aumentado de contrair a infecção por Covid 19. Embora ainda não hajam estudos humanos de longo prazo sobre a vacinação contra Covid-19 e gravidez, nenhuma das vacinas contém vírus Sars Cov-2 vivo.

2) Para indivíduos vulneráveis,que apresentam alto risco de infecção e / ou morbidade por COVID-19, dentre os quais estão as grávidas, não receber a vacina supera o risco de ser vacinado, previamente ou durante a gravidez. Inclui-se ainda neste grupo os profissionais de saúde e aqueles outros, de linha de frente, com maior risco de exposição.

3) Não há razão para atrasar as tentativas de gravidez ou tratamentos de reprodução assistida quando de vacina não disponível ou se pacientes fora de grupos de risco.

4) Decisões da utilização (ou não) das vacinas devem ser compartilhadas entre pacientes e médicos, respeitando-se os princípios éticos de autonomia, beneficência e não maleficência.

5) Esta informação sobre vacinas deve ser incluidas como um termo específico em um consentimento informado já existente. Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA

6) Seguirão atualizações, a cada momento que novos conhecimentos solidifiquem os dados atuais.

  • REDLARA - Red Latinoamericana de Reproducción Asistida
  • SBRA - Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida
  • SAMeR - Sociedad Argentina de Medicina Reproductiva
  • AMMR - Asociación Mexicana de Medicina de la Reproducción
  • PRONÚCLEO - Associação Brasileira de Embriologistas em Medicina Reprodutiva
  • SAEC - Sociedad Argentina de Embriología Clínica
  • SOCMER - Sociedad Chilena de Medicina Reproductiva
  • ACCER - Asociación de Centros Colombianos de Reproducción Humana
  • SURH - Sociedad Uruguaya de Reproducción Humana
  • AVEMERE - Asociación Venezolana de Medicina Reproductiva y Embriología

Referências
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x