agendamento de consulta

Hatching assistido

Hatching assistido

Para que o embrião se fixe no útero – implantação – é necessário que ele se livre de sua “membrana”, chamada de zona pelúcida. A zona pelúcida este presente desde o óvulo e tem função de impedir que mais de um espermatozoide fecunde o óvulo.

Durante o desenvolvimento do embrião, ela mantem as células juntas, impedindo a sua dispersão, o que impediria o desenvolvimento adequado. Entretanto, para que a implantação ocorra, o embrião em estágio de blastocisto (após 5 dias de vida) precisa escapar da zona pelúcida (extrusão ou Hatching em inglês).

Esse fenômeno de extrusão acontece naturalmente, dentro do útero. Não se sabe exatamente quais os mecanismos mas pode ser pelo aumento da pressão interna causada pelo aumento do embrião e por algumas enzimas uterinas.

A zona pelúcida pode sofrer alterações, por exemplo um espessamento. Nesses casos, o Hatching pode não acontecer naturalmente, o que inviabilizaria a implantação e a gravidez.

O Hatching Assistido é indicado em quais casos?

Ele não deve ser realizado rotineiramente em todas as pacientes. Normalmente utiliza-se desta estratégia em:

Porém, atualmente ainda é controverso em quais situações ele deve ser realizado. Não existem estudos adequados e suficientes demonstrado melhoras nas taxas de nascidos vivos após os tratamentos de FIV com a utilização do Hatching Assistido.

Procedimento

O Hatching Assistido tem seu planejamento realizado com antecedência, podendo ser realizado em qualquer tratamento de fertilização in vitro. O embrião a ser transferido para o útero materno é avaliado antes da transferência embrionária (embrião fresco ou embrião descongelado) e quando indicado, o Hatching Assistido é realizado.

Existem três maneiras de fazer o Hatching Assistido:

  1. Método mecânico (dissecção parcial da zona – PZD): esse método é o mais antigo. É feito um orifício pequeno de forma mecânica, mediante uma micro agulha. Essa passagem deve ter a dimensão correta para que o embrião possa passar;
  2. Método químico: é feita uma abertura na zona pelúcida utilizando substância química. Por esta abertura o embrião ira passar para que possa se implantar no útero materno;
  3. Método a laser: é utilizado um laser para romper a zona pelúcida. Essa é a técnica mais moderna e com melhores resultados atualmente, portanto a mais utilizada.

Nosso grupo realizou um estudo comparando os métodos químico e laser. Nós demonstramos que o laser é mais rápido e mais eficaz do que o método químico. O estudo foi publicado na revista cientifica Reproductive Biology and Endocrinology. Clique no link abaixo para ver o estudo na integra.

Estudo: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3096917/

Compartilhe:

Tags:

Categorias:

Comentários:


ÚLTIMAS DO BLOG Ver todos os posts
Vitamina B12: os benefícios para a saúde e fertilidade masculina

A vitamina B12, também chamada de cobalamina ou cianocobalamina, está vinculada ao metabolismo de quase todas as células do corpo humano, pela sua relevante função na síntese de DNA. Muitos estudos revelaram os efeitos da vitamina B12 para a saúde do […]

Leia mais

Este post foi visto 84 vez(es).

Por que a dor de ovulação ocorre?

Uma das reclamações mais comuns das mulheres é a dor da cólica. Esse incômodo é sentido por inúmeras mulheres pelo menos uma vez por mês. Entretanto, você sabia que o que você sempre pensou ser cólica pode ser outra coisa? Uma em cada cinco mulheres […]

Leia mais

Este post foi visto 54 vez(es).

Oligospermia: entenda o que é, as causas e os tratamentos

Quando um casal está tentando engravidar e, após 12 meses, não obtém sucesso, é hora de ambos buscarem por ajuda médica. A responsabilidade da gestação faz com que a mulher pense que a culpa é dela. Já o parceiro, depois de tentar por tanto tempo, questiona […]

Leia mais

Este post foi visto 48 vez(es).

Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco