Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 9979-01109 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

Passo a passo: veja como a FIV (Fertilização in Vitro) é feita

Passo a passo: veja como a FIV (Fertilização in Vitro) é feita

Para realizar o sonho da gravidez, muitos casais precisam de tratamento com a FIV. Nessa técnica, os gametas (óvulos e espermatozoides) são coletados e a fecundação é feita em laboratório. Depois, os embriões formados são transferidos para o útero e se fixam no endométrio, o que resulta na gravidez.

Esse tratamento é um dos mais indicados por sua capacidade de resolver a maioria das alterações e por sua elevada taxa de sucesso. Por esse motivo, elaboramos este post com informações importantes sobre cada etapa do procedimento. Quer descobrir como ocorre uma FIV passo a passo? Então continue a leitura e tire suas dúvidas.

Consulta com médico especialista: a indicação da FIV

A consulta com o especialista em reprodução humana é essencial para identificar a razão da dificuldade de engravidar. Depois de identificada a causa, o tratamento individualizado é indicado. Em muitos casos, a FIV é a melhor opção. É iniciado então o passo a passo do processo.

Passo 1: Estimulação ovariana

O tratamento começa com a estimulação ovariana. É ela que induz o crescimento dos folículos ovarianos, que contêm os óvulos. Isso ocorre por meio de medicamentos à base de hormônios.

Esses medicamentos são prescritos por um período de aproximadamente 10 dias. O desenvolvimento dos folículos é monitorado por ultrassom e exames de sangue periódicos para a verificação dos níveis hormonais.

Quando temos uma quantidade elevada de óvulos, é possível fertilizar um número maior deles. Com isso, obtêm-se mais embriões para serem analisados e selecionados para transferência — consequentemente, há uma elevação nas chances de gravidez.

Passo 2: Punção folicular e coleta dos espermatozoides

Quando os folículos atingem um tamanho de aproximadamente 17 mm, induzimos a maturação dos óvulos e realizamos a punção folicular para coleta dos óvulos.

O procedimento é simples e tem duração média de 5 a 15 minutos, mas deve ser feito sob anestesia. Depois que a paciente é sedada, o médico insere uma agulha muito fina pelo fundo da vagina, guiado por ultrassom endovaginal.

Depois de ser introduzida, essa agulha é usada para aspirar o líquido presente em cada folículo. É nele que se encontram os óvulos. Esse líquido folicular então é colocado em um tubo de ensaio e levado ao laboratório para identificação dos óvulos.

No mesmo dia da punção dos óvulos, o sêmen é coletado, analisado e preparado em laboratório para que os melhores espermatozoides sejam selecionados e utilizados na fecundação dos óvulos.

Passo 3: Inseminação e fertilização

Os óvulos são fecundados com os espermatozoides selecionados pela FIV clássica ou ICSI. A FIV clássica é realizada em placa de cultivo. Os óvulos e espermatozoides são posicionados na mesma placa em meio de cultivo e mantidos em incubadoras para que haja as condições ideais de fecundação.

Na ICSI, cada um dos espermatozoides selecionados é injetado diretamente em cada óvulo. Nesse processo, utilizam-se uma microagulha e um microscópio especial para acompanhar o procedimento.

É possível confirmar se a fertilização aconteceu aproximadamente 18 horas depois da inseminação. Para isso, um microscópio é utilizado para observar os dois pronúcleos.

Passo 4: Cultivo embrionário

Após a confirmação da fertilização, os óvulos fecundados são cultivados e observados diariamente para que seu desenvolvimento seja avaliado. Isso é necessário porque apenas os mais adequados são selecionados para a transferência.

A partir do dia seguinte à confirmação da fertilização, passam a ser chamados de embriões. Nos dias 2 e 3 eles estão em estágio de clivagem; no dia 4, de mórula; nos dias 5 e 6, de blastocisto e podem ser transferidos em quaisquer desses estágios. A decisão é individualizada, de acordo com cada paciente.

Passo 5: Transferência dos embriões

A transferência dos embriões para a cavidade uterina é feita de dois a cinco dias após a coleta dos óvulos.

O procedimento é rápido e indolor. Os embriões são então inseridos na cavidade uterina com o auxílio de um cateter e isso é acompanhado por ultrassonografia.

A quantidade de embriões a ser transferidos varia de acordo com a idade da mulher:

Teste de gravidez: o resultado da fertilização

Após a transferência dos embriões, deve-se esperar de 9 a 12 dias para fazer o exame que confirma se a mulher está grávida ou não. Esse teste laboratorial chama-se beta hCG.

E aí, gostou de descobrir como é o passo a passo da FIV? Como oferece grandes chances de gravidez, é o tratamento mais comum em comparação com as demais possibilidades da medicina reprodutiva. Os casais que optam por ele conseguem, na maioria das vezes, conquistar o sonho de ter um filho.

Ficou interessado no procedimento? Entre em contato conosco para conhecer uma clínica de reprodução humana de confiança e saber como podemos ajudá-lo nesse processo!

Compartilhe:

Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco

Comunicado

SARS Cov-2 (COVID 19): vacinas, reprodução assistida e grávidas
• Posição atual conjunta •

03 de fevereiro de 2021

Grandes avanços dos estudos colaborativos incluem hoje pelo menos 85 vacinas pré-clínicas em investigação ativa em animais, 65 em ensaios clínicos em humanos, com 20 vacinas que chegaram aos estágios finais de testagem, sendo 12 já em uso em diferentes países/situações. As principais vacinas disponíveis estão constituidas por partículas de RNA mensageiro (Pfizer-Biontech e Moderna), vírus inativado (CoronaVac,Sinopharma e Covaxin, Bharat Biotech), com adenovirus (Oxford-AstraZeneca, Johnson&Johnson e Sputnik V, Gamaleya).

A pandemia segue, e neste momento a discussão se centraliza no uso das vacinas disponíveis e as pacientes submetidas às técnicas de reprodução assistida, grávidas e populações de risco entre as grávidas.

Nossas sociedades, avaliando também as diretrizes emitidas por sociedades mundiais como a ESHRE, a ASRM, a IFFS e a ACOG (SOGC), consideram que dentro da disponibilidade possível:

1) A vacinação tem efetividade e não induz a risco aumentado de contrair a infecção por Covid 19. Embora ainda não hajam estudos humanos de longo prazo sobre a vacinação contra Covid-19 e gravidez, nenhuma das vacinas contém vírus Sars Cov-2 vivo.

2) Para indivíduos vulneráveis,que apresentam alto risco de infecção e / ou morbidade por COVID-19, dentre os quais estão as grávidas, não receber a vacina supera o risco de ser vacinado, previamente ou durante a gravidez. Inclui-se ainda neste grupo os profissionais de saúde e aqueles outros, de linha de frente, com maior risco de exposição.

3) Não há razão para atrasar as tentativas de gravidez ou tratamentos de reprodução assistida quando de vacina não disponível ou se pacientes fora de grupos de risco.

4) Decisões da utilização (ou não) das vacinas devem ser compartilhadas entre pacientes e médicos, respeitando-se os princípios éticos de autonomia, beneficência e não maleficência.

5) Esta informação sobre vacinas deve ser incluidas como um termo específico em um consentimento informado já existente. Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA

6) Seguirão atualizações, a cada momento que novos conhecimentos solidifiquem os dados atuais.

  • REDLARA - Red Latinoamericana de Reproducción Asistida
  • SBRA - Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida
  • SAMeR - Sociedad Argentina de Medicina Reproductiva
  • AMMR - Asociación Mexicana de Medicina de la Reproducción
  • PRONÚCLEO - Associação Brasileira de Embriologistas em Medicina Reprodutiva
  • SAEC - Sociedad Argentina de Embriología Clínica
  • SOCMER - Sociedad Chilena de Medicina Reproductiva
  • ACCER - Asociación de Centros Colombianos de Reproducción Humana
  • SURH - Sociedad Uruguaya de Reproducción Humana
  • AVEMERE - Asociación Venezolana de Medicina Reproductiva y Embriología

Referências
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x