Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 9979-01109 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

Relação Sexual Programada

Relação Sexual Programada

A relação sexual programada é a orientação que o casal recebe para ter relações sexuais nos dias próximos em que ocorrerá a ovulação.

Quando a mulher possui o ciclo menstrual regular é mais fácil de identificar o período fértil. Caso ela não tenha os ciclos menstruais regulares, o controle da ovulação pode ser feito através de ultrassonografia. Com isso o acompanhamento do crescimento folicular é feito visualmente, permitindo identificar seu tamanho e podendo prever com um certo nível de assertividade quando ocorrerá a ovulação (rotura folicular).

A importância de sabermos o momento mais próximo do período fértil é porque, nesse período, as chances de se obter a gestação são maiores. Com isso o casal é orientado a ter relações sexuais nos momentos mais adequados para aumentar a chance de gravidez neste período fértil. A taxa de gravidez é de aproximadamente 15 a 20% por ciclo de tratamento.

Como a chance de gravidez é limitada, nós recomendamos esse tratamento para mulheres com idade menor que 35 anos e para casais que tenham menos de 3 anos de infertilidade. Os espermatozoides do parceiro devem estar saudáveis, e as trompas devem estar pérvias, uma vez que a fecundação acontece naturalmente, nas tubas uterinas.

Em alguns casais considerados com infertilidade sem causa aparente, indica-se a estimulação ovariana com coito programado, para aumentar o número de óvulos disponíveis para os espermatozoides.

Este texto explica como o tratamento pela técnica funciona, ao mesmo tempo que aborda os possíveis riscos relacionados ao procedimento.

Entenda como a relação sexual programada funciona

Em ciclos irregulares pode não haver ovulação, ou ela pode ocorrer em um mês e falhar em outros.

Os problemas de ovulação têm como característica a dificuldade de desenvolvimento e amadurecimento do folículo e a falha em liberar o óvulo, condição conhecida como anovulação ou ausência de ovulação. Todos os meses vários folículos são recrutados, porém apenas um deles desenvolve, amadurece e rompe liberando o óvulo.

Geralmente resultam de irregularidades menstruais: os ciclos podem ser mais longos ou curtos do que o normal, com maior ou menor quantidade de fluxo menstrual, ou ausência de menstruação (amenorreia).

Por outro lado, as irregularidades menstruais são causadas por distúrbios hormonais, que surgem como consequência de diferentes condições, entre elas a Síndrome dos ovários policísticos (SOP), problemas na tireoide.

A relação sexual programada é a primeira indicação quando há problemas de ovulação, causa mais comum de infertilidade feminina, e quando não existe alteração no espermograma nem obstrução tubária.

Por isso, no tratamento, ao mesmo tempo que o objetivo é programar o período fértil para a relação sexual, também é estimular o desenvolvimento de mais folículos, aumentando as chances de fecundação.

Estimulação ovariana e indução da ovulação

A estimulação ovariana é a primeira etapa de todas as técnicas de reprodução assistida. É o tratamento indicado quando a ovulação não acontece de forma adequada (anovulação/ ovários policísticos) e alguns casos de infertilidade sem causa aparente.

O tratamento consta de estimular o crescimento de mais de um folículo, utilizando medicamentos, sob a forma de comprimidos ou injeções. O tipo de medicação será indicado de acordo com cada caso e o crescimento dos folículos é acompanhado por ultrassonografia. Quando os folículos atingem o tamanho desejado, uma nova medicação é administrada para levar à ovulação (rotura folicular).

Os exames de ultrassonografia possibilitam, da mesma forma, indicar o período fértil para programar a relação sexual, que considera o tempo de sobrevida do espermatozoide no organismo feminino, cerca de 3 dias, e do óvulo, 48 horas.

Em aproximadamente quinze dias a gravidez pode ser confirmada, quando a concentração de beta HCG, conhecido como o hormônio da gravidez, já está mais alta. O exame de sangue beta-HCG quantitativo geralmente é o mais indicado, por determinar, ainda, o tempo de gravidez.

Quais são as chances de gravidez proporcionadas pela RSP?

As chances de a gravidez ser bem-sucedida são semelhantes às da gestação natural: entre 15% e 20% a cada ciclo de realização do tratamento. A RSP pode ser realizada por até três ciclos consecutivos.

Quando ela não ocorre, é possível recorrer às outras duas técnicas de reprodução assistida para obtê-la: inseminação artificial (IA) e fertilização in vitro (FIV). A indicação é feita de acordo com cada caso, a partir da avaliação do especialista em reprodução humana.

Há riscos na relação sexual programada?

O principal risco está associado ao uso dos medicamentos hormonais. Ao estimularem o desenvolvimento de mais folículos, eles podem levar à gestação gemelar. Mesmo que muitas vezes seja desejada pelos pais, é potencialmente perigosa para as mães e para os fetos quando comprada à gestação única. Pode, por exemplo, causar complicações como pré-eclâmpsia, parto prematuro ou recém-nascidos com baixo peso ou mortos.

Além disso, a produção excessiva de hormônios pelos ovários, aumenta o risco para o desenvolvimento de Síndrome da hiperestimulação ovariana (SHO).

A SHO, no entanto, é uma condição bastante rara e, atualmente, controlada durante a estimulação ovariana. No entanto, em alguns casos pode resultar em alterações metabólicas, ou em problemas de maior gravidade, como a trombose venosa profunda (TVP), principalmente nas pernas, torção ovariana ou perda da gestação.

A observação de alguns sintomas é importante para evitar possíveis complicações provocadas pela síndrome. Os mais comuns incluem:

Compartilhe:

Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco

Comunicado

SARS Cov-2 (COVID 19): vacinas, reprodução assistida e grávidas
• Posição atual conjunta •

03 de fevereiro de 2021

Grandes avanços dos estudos colaborativos incluem hoje pelo menos 85 vacinas pré-clínicas em investigação ativa em animais, 65 em ensaios clínicos em humanos, com 20 vacinas que chegaram aos estágios finais de testagem, sendo 12 já em uso em diferentes países/situações. As principais vacinas disponíveis estão constituidas por partículas de RNA mensageiro (Pfizer-Biontech e Moderna), vírus inativado (CoronaVac,Sinopharma e Covaxin, Bharat Biotech), com adenovirus (Oxford-AstraZeneca, Johnson&Johnson e Sputnik V, Gamaleya).

A pandemia segue, e neste momento a discussão se centraliza no uso das vacinas disponíveis e as pacientes submetidas às técnicas de reprodução assistida, grávidas e populações de risco entre as grávidas.

Nossas sociedades, avaliando também as diretrizes emitidas por sociedades mundiais como a ESHRE, a ASRM, a IFFS e a ACOG (SOGC), consideram que dentro da disponibilidade possível:

1) A vacinação tem efetividade e não induz a risco aumentado de contrair a infecção por Covid 19. Embora ainda não hajam estudos humanos de longo prazo sobre a vacinação contra Covid-19 e gravidez, nenhuma das vacinas contém vírus Sars Cov-2 vivo.

2) Para indivíduos vulneráveis,que apresentam alto risco de infecção e / ou morbidade por COVID-19, dentre os quais estão as grávidas, não receber a vacina supera o risco de ser vacinado, previamente ou durante a gravidez. Inclui-se ainda neste grupo os profissionais de saúde e aqueles outros, de linha de frente, com maior risco de exposição.

3) Não há razão para atrasar as tentativas de gravidez ou tratamentos de reprodução assistida quando de vacina não disponível ou se pacientes fora de grupos de risco.

4) Decisões da utilização (ou não) das vacinas devem ser compartilhadas entre pacientes e médicos, respeitando-se os princípios éticos de autonomia, beneficência e não maleficência.

5) Esta informação sobre vacinas deve ser incluidas como um termo específico em um consentimento informado já existente. Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA

6) Seguirão atualizações, a cada momento que novos conhecimentos solidifiquem os dados atuais.

  • REDLARA - Red Latinoamericana de Reproducción Asistida
  • SBRA - Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida
  • SAMeR - Sociedad Argentina de Medicina Reproductiva
  • AMMR - Asociación Mexicana de Medicina de la Reproducción
  • PRONÚCLEO - Associação Brasileira de Embriologistas em Medicina Reprodutiva
  • SAEC - Sociedad Argentina de Embriología Clínica
  • SOCMER - Sociedad Chilena de Medicina Reproductiva
  • ACCER - Asociación de Centros Colombianos de Reproducción Humana
  • SURH - Sociedad Uruguaya de Reproducción Humana
  • AVEMERE - Asociación Venezolana de Medicina Reproductiva y Embriología

Referências
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x