Comunicado

Nota conjunta com atualização de posicionamento sobre a COVID-19 e os tratamentos de reprodução assistida

Informações complementares à nota emitida em 21 de março de 2020

A Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA e a Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA, acompanhando as demais sociedades mundiais e face à presença da pandemia de Covid-19, emitiram comunicado em 17 e 21 de março de 2020. Globalmente, e na América Latina não foi diferente, ciclos iniciados foram completados, decisões de congelamento tomadas, transferências discutidas e, na maioria das vezes, postergadas. Desde o início, entendemos que poderiam haver situações a serem individualizadas, como os casos oncológicos, em que pacientes necessitariam com urgência da preservação de seus gametas previamente a procedimentos cirúrgicos ou eventual quimioterapia que pudesse afetar sua fertilidade futura. Ao mesmo tempo, havia outros casos susceptíveis de individualização.

Passados 30 dias, com novos dados sobre a Covid-19, reconhecendo novos cenários para diferentes países, regiões ou cidades, além da realidade de um período claro de extensão da pandemia, que a infertilidade é definida pela OMS como doença, assim como a própria OMS define o direito de autonomia dos pacientes e:

CONSIDERANDO que, sob a luz de novas evidências científicas, este posicionamento deverá seguir sendo atualizado em momentos sucessivos;

CONSIDERANDO que, segundo a literatura médica, não se identificou até o momento a presença de vírus nos gametas e tratos genitais masculino ou feminino;

CONSIDERANDO que, até o momento, não há evidências a respeito das repercussões do Covid-19 sobre a gestação inicial;

CONSIDERANDO a preocupação com relação às evidências científicas emergentes quanto à possibilidade de transmissão vertical – isto é, da mãe para o bebê;

CONSIDERANDO que os serviços de reprodução assistida devam seguir as recomendações governamentais, respeitando as particularidades locais;

CONSIDERANDO a observação das medidas de distanciamento social, com cuidados na preservação dos pacientes e equipes, quando da assistência;

CONSIDERANDO as condutas para mitigar a sobrecarga do sistema de saúde local;

CONSIDERANDO que o adiamento dos tratamentos de reprodução assistida abrange determinados casos extremamente sensíveis ao tempo e, portanto, inadiáveis, com risco de condenar pessoas a uma infertilidade irreversível – ou seja, esterilidade; e

CONSIDERANDO o respeito à autonomia do paciente,

RECOMENDAM que ciclos de reprodução assistida possam ser realizados sob juízo do profissional assistente, em decisão compartilhada com os usuários do serviço, de forma personalizada, fundamentados e bem documentados, com precaução e bom-senso, evitando-se transferências embrionárias neste momento.

Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA
Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA


Referências
Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 99650-0786 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850 Manhuaçu - MG - (33) 98855-0015

agendamento de consulta

Unidade Belo Horizonte | +55 (31) 2102-6363

Pólipos endometriais: quais são os sintomas?

Pólipos endometriais: quais são os sintomas?

Pólipos endometriais são formações, geralmente benignas, que ocorrem a partir do crescimento anormal das células do endométrio, tecido que recobre a parte interna do útero. Eles podem alterar a receptividade endometrial, levando, consequentemente, a falhas na implantação do embrião e abortamento.

Em boa parte dos casos os pólipos endometriais são assintomáticos, no entanto, também provocam sintomas marcantes, assim como, mesmo mais raramente, podem evoluir para o câncer. Por isso, é importante ficar atenta aos sintomas. Embora a maioria possa retroceder naturalmente, quando isso não acontece eles devem ser tratados, independentemente de a mulher estar tentando engravidar.

O tratamento pode ser feito por medicamentos ou por cirurgia. A definição da abordagem mais adequada para cada paciente, considera critérios como tamanho, quantidade e o desejo de engravidar.

Quer saber mais sobre pólipos endometriais? Este texto explica como eles se formam, destaca os sintomas e a interferência na fertilidade feminina, métodos diagnósticos e tratamento.

Quais são os sintomas manifestados por pólipos endometriais e como eles interferem na fertilidade?

Os pólipos endometriais podem ter tamanhos variados – de poucos milímetros a alguns centímetros – e se fixam à uterina por uma haste vascularizada, que sustenta a base. Em tamanhos pequenos, geralmente são assintomáticos, da mesma forma que tende a retroceder naturalmente.

Porém, quando crescem mais e se espalham pela cavidade uterina, podem provocar sintomas, principalmente sangramento, e interferir na fertilidade.

Veja abaixo os principais sintomas que alertam para a necessidade de procurar um especialista:

Em algumas mulheres, ocorrem apenas sintomas leves, como sangue em pequenas quantidades ou manchas avermelhadas.

Diferentes estudos indicam que os pólipos endometriais podem interferir na receptividade endometrial, levando a falhas na implantação e abortamento. Também estão entre as patologias uterinas que podem provocar alterações na estrutura do órgão, dificultando ou inibindo o desenvolvimento da gravidez. São, inclusive, as anormalidades estruturais mais relatadas em pacientes submetidas à fertilização in vitro.

A interferência na fertilidade, entretanto, assim como os sintomas, está relacionada a diferentes critérios: quantidade, tamanho e localização. Pólipos acima de 2 cm, ou localizados na junção entre o útero as tubas uterinas, assim como múltiplos pólipos, causam maior alteração no processo gestacional.

Como os pólipos endometriais se formam?

Para receber o embrião, a cada ciclo menstrual o endométrio se torna mais espesso estimulado pela ação do estrogênio. Ele vai abrigá-lo e nutri-lo até que a placenta seja formada.

Alterações nos níveis de estrogênio podem provocar o crescimento desordenado das células endometriais durante o processo de espessamento, causando, dessa forma, a formação dos pólipos endometriais, que podem desenvolver e espalhar, motivados pela ação do estrogênio.

Ainda que os pólipos sejam mais comuns antes e após a menopausa, eles podem ocorrer em qualquer idade. Na idade reprodutiva, ao mesmo tempo que podem causar alterações na fertilidade, é o período em que há maior risco de eles evoluírem para malignidade.

A possibilidade de eles ocorrerem também é mais alta em mulheres obesas, com hipertensão arterial ou que foram submetidas ao tratamento para o câncer de mama.

Como os pólipos endometriais são diagnosticados?

Os pólipos são confirmados por diferentes exames de imagem. Eles possibilitam, ao mesmo tempo, descartar a incidência de outras patologias uterinas que podem causar sintomas semelhantes, incluindo miomas uterinos e endometriose.

O primeiro exame geralmente realizado é a ultrassonografia transvaginal, que possibilita indicar a quantidade, localização e tamanho dos pólipos.

Se houver necessidade, o diagnóstico pode ser posteriormente confirmado por outros exames, como a histerossonografia, uma variação da ultrassonografia realizada como soro fisiológico para expandir a cavidade uterina, proporcionando uma visualização melhor. A ressonância magnética (RM) e a vídeo-histeroscopia, permitem uma visão mais detalhada da cavidade uterina.

Já nos casos em que há a possibilidade de os pólipos evoluírem para malignidade, eles podem ser avaliados por biópsia.

Como os pólipos endometriais são tratados?

O tratamento para os pólipos pode ser realizado por terapia hormonal ou por cirurgia:

Terapia hormonal: é raramente indicada quando os pólipos maiores e provocam sintomas que impactam a qualidade de vida das mulheres portadoras. Os medicamentos hormonais agem induzindo à redução do tamanho e quantidade, até eu eles possam retroceder naturalmente. Também facilitam a remoção, se a cirurgia for necessária.

Cirurgia: o procedimento cirúrgico para a remoção de pólipos é chamado polipectomia e é indicado quando eles afetam a fertilidade de mulheres estão tentando engravidar ou provocam falhas nos tratamentos por fertilização in vitro e na presença dos sintomas.

A técnica mais utilizada para realizá-lo atualmente é a vídeo-histeroscopia cirúrgica, realizada por um histeroscópio, aparelho ótico que possui uma câmera que transmite imagens em alta resolução para um monitor em tempo real, permitindo ao especialista acompanhar cada movimento, facilitando a separação do pedúnculo que o sustenta da parede uterina, evitando, assim, um novo crescimento. A remoção aumenta as chances de gravidez, na gestação natural e nos tratamentos por FIV.

Agora que você já sabe mais sobre pólipos e os sintomas que alertam para problema, informe às mulheres que você conhece compartilhando este post nas redes sociais.

Compartilhe:

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco