Fechar
Icone Newsletter
Endometriose | Conheça os sintomas e tratamentos

Garanta o seu e-book grátis sobre endometriose agora e saiba tudo sobre os sintomas e os tratamentos existentes.

Clique aqui e confira mais e-books gratuitos como, Entenda a infertilidade feminina e guia sobre a fertilização in vitro.
Fechar

Selecione uma unidade para enviar um Whatsapp:

Belo Horizonte - (31) 99827-2517 Juiz de Fora - (32) 98888-2776 Governador Valadares - (33) 98866-1706 Rio de Janeiro - (21) 99566-1850

agendamento de consulta

Qual a taxa de sucesso da FIV e por que a minha não deu certo?

Qual a taxa de sucesso da FIV e por que a minha não deu certo?

Mulheres em busca de ajuda para engravidar costumam ter muitas dúvidas e incertezas — uma delas a respeito da taxa de sucesso da fertilização in vitro (FIV) e da possibilidade de falhas. Nada mais natural, uma vez que muitas vêm de um longo período de tentativas frustradas, o que gera insegurança e ansiedade. A maternidade está associada à felicidade e ao orgulho, e mulheres conversam abertamente sobre suas experiências. Por outro lado, a infertilidade denota tristeza e vergonha, e poucas pessoas têm coragem de falar a respeito, sendo a internet a principal fonte de respostas sobre o assunto.

Pensando nisso, reunimos aqui as principais razões pelas quais a FIV pode falhar. Confira!

Taxa de sucesso da FIV

As estatísticas comprovam que a técnica vem realizando o sonho de muitos casais, mas cada organismo é único e nenhum procedimento é totalmente garantido. Geralmente, o índice de sucesso gira em torno de 5% a 50%, mas, assim como na gestação espontânea, esse número está diretamente relacionado à idade da mulher, podendo, em alguns casos, superar 60%.

Muitos são os fatores que podem fazer com que a tentativa dê certo ou não, sendo, muitas vezes, necessário mais de um ciclo até dar certo. Dessa forma, mulheres abaixo dos 37 anos, em boas condições e submetidas a um bom tratamento de FIV, têm aproximadamente 80% de chances de engravidar em 3 ciclos.

Idade da mulher

Ao contrário dos homens, que produzem espermatozoides constantemente, as mulheres já nascem com uma quantidade determinada de gametas. Ao longo da vida, essa quantidade vai reduzindo, o que também acontece com a chance de engravidar, seja naturalmente, seja com o auxílio de tratamentos.

Esse declínio começa por volta dos 30 anos, interferindo não só na quantidade, mas também na qualidade dos gametas. Aos 35 anos, a taxa de gravidez após transferência de embrião a partir de óvulos próprios é de 50%; após os 37, a queda se acentua, chegando a 25% aos 40 anos.

Além da idade da mulher, outros aspectos afetam o índice de sucesso da técnica, como distúrbios no embrião, em cerca de 80% dos casos, e no endométrio, nos outros 20%.

Qualidade do embrião

Para que uma gestação aconteça, além da fecundação, é preciso que ocorra a implantação do embrião no útero. Dificuldades nessa etapa podem decorrer de doenças uterinas, mas, na maior parte das vezes, decorrem de falhas genéticas do próprio embrião.

Mesmo quando a gravidez acontece naturalmente, parte dos embriões gerados apresenta essas alterações, que impedem o seu desenvolvimento normal, interrompendo a gestação. Há aqui, novamente, uma relação estreita com a idade da mulher e, consequentemente, com a qualidade de seus óvulos.

Com a FIV não é diferente, já que o conhecimento e a tecnologia, embora aumentem em até duas vezes as chances de gravidez, não alteram o patrimônio genético. Assim, o organismo continua a formar embriões comprometidos, que, na maior parte das vezes, são a razão de o procedimento falhar.

Resposta ovariana

estimulação ovariana é parte do processo da FIV e é feita com a administração de hormônios para aumentar a quantidade de óvulos e, consequentemente, de embriões disponíveis para a transferência. No entanto, algumas mulheres não respondem à medicação, por alguns possíveis motivos: idade superior a 37 anos, baixa quantidade de folículos ou mesmo baixa capacidade de os folículos responderem ao estímulo com FSH.

De maneira geral, quanto maior a quantidade de óvulos produzidos a cada ciclo, maiores as chances de o tratamento ser bem-sucedido.

Receptividade do endométrio

Durante o ciclo, há alguns dias em que o endométrio (camada mais interna do útero) está mais receptivo ao embrião — isso acontece pela ação da progesterona. Esse período é chamado janela de implantação. O grande problema dessa janela de implantação é que ela pode estar aberta ou fechada, e a ciência e a medicina ainda não sabem como detectar quando ela está aberta ou fechada. Além disso, não sabemos como induzi-la a abrir. Esse é o principal fator limitador da chance de gravidez.

Como vimos, em virtude da taxa de sucesso da FIV, o tratamento possivelmente envolverá mais de um ciclo. Nessa jornada solitária, os casais investem dinheiro e esperança, e é fundamental que se cerquem de especialistas e recebam acompanhamento adequado.

Qual a taxa de sucesso da FIV e por que a minha não deu certo?
5 (100%) 1 voto

Compartilhe:

Tags:

Categorias:

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de

ÚLTIMA DO BLOG Ver todos os posts
Quais são os principais sintomas do aborto?

Uma em cada seis mulheres sofre aborto espontâneo, uma das complicações mais comuns do primeiro trimestre da gravidez. As causas mais comuns associadas à perda de gravidez são as malformações uterinas e as alterações genéticas. Em uma grande parte das […]

Leia mais
Faça seu agendamento

Proporcionamos um atendimento exclusivo exatamente como você merece.

AGENDE SUA CONSULTA
ENTRE EM CONTATO

Alguma dúvida sobre fertilidade?
Fale conosco